Ato Adicional de 1834

Durante o Período Regencial, várias medidas foram tomadas com o intuito de se conter as rebeliões provinciais. Em 1831, o ministro Antônio Feijó propôs a criação da Guarda Nacional, milícia organizada com o intuito de conter os levantes que tomavam o país. No ano seguinte, o Código de Processo Criminal concedia maiores liberdade para que os juízes de paz punissem os delitos ocorridos em esfera local.

Apesar destas medidas de controle, as revoltas se avolumavam e, junto delas, a pressão dos setores políticos liberais em realizar um processo de descentralização do cenário político. Fortalecidos pela visível instabilidade, os liberais conseguiram aprovar, em agosto de 1834, o chamado Ato Adicional. Por meio deste dispositivo legal foram realizadas significativas reformas no texto constitucional.

Inicialmente, a consolidação da reforma parecia impor a hegemonia dos liberais frente aos conservadores. Contudo, os Presidentes de Província continuavam sendo indicados pelo governo central e as províncias não poderiam descumprir nenhum ato que partisse do mesmo. Dessa forma, estes mecanismos impediam a delegação de poderes e direitos para as províncias.

Segundo o Ato Adicional, as províncias poderiam formar suas próprias Assembleias Legislativas. Por meio de tal instituição, os representantes políticos locais controlariam a arrecadação de impostos e os gastos do poder local. Além de criarem leis, os membros dessa assembleia tinham autonomia para nomearem os funcionários do governo. Com o passar do tempo, essa última regalia se transformou em barganha política destinada à compra de votos.

Outra significativa conquista do Ato previa a extinção da Regência Trina. Em seu lugar, uma Regência Uma seria eleita através do voto direto. Na verdade, essa conquista em nada modificava o problema da exclusão política no país. Respeitando às leis eleitorais da Constituição, somente as pessoas que comprovassem uma determinada renda poderiam votar e lançar candidatura.

Determinações de menor valor apontavam que a capital do Império seria transformada em Município Neutro. Com isso, seu território era politicamente autônomo em relação à província do Rio de Janeiro. Além disso, confirmando uma determinação já existente, o Ato Adicional estipulou a suspensão do Conselho de Estado e do Poder Moderador, dois órgãos que só poderiam funcionar com a posse de um novo rei.

Apesar de suas intenções liberais, o Ato Adicional de 1834 não teve a força necessária para que o desmando e o centralismo fossem enfraquecidos do cenário político da época. Outros mecanismos e as intensas disputas políticas acabaram frustrando as intenções almejadas por tal mudança. Não por acaso, em maio de 1840, a Lei Interpretativa do Ato Adicional anulou algumas das conquistas de 1834.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

O Ato Adicional de 1834 tentou ir contra a estrutura centralizadora do governo imperial.
O Ato Adicional de 1834 tentou ir contra a estrutura centralizadora do governo imperial.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assuntos relacionados
Guerra dos Farrapos
Acesse e veja detalhes sobre a Guerra dos Farrapos. Entenda o contexto que levou os gaúchos a rebelarem-se e qual foi o percurso da guerra até seu desfecho.
A economia regencial estava atrelada ao desempenho dos produtos agrícolas no mercado externo.
Economia no Período Regencial
A situação econômica do país durante as regências.
A Regência Trina Permanente tomou ações que descentralizaram o poder político no Brasil.
Regência Trina Permanente
O primeiro governo a conduzir o país entre os governos de D. Pedro I e D. Pedro II.
Balaiada
Revoltas regenciais, Período Regências, Maranhão, História do Maranhão, Balaiada, revoltas populares, Raimundo Gomes, Lei dos Prefeitos, Manoel Francisco Gomes, Vila da Manga, Cosme Bento de Chagas, balaios.
A Guarda Nacional foi instituída pela ação do ministro Diogo Antônio Feijó, em 1831.
A Guarda Nacional
A milícia armada que garantiu os interesses das elites nacionais.
A chegada de Dom Pedro II ao poder foi viabilizada pelo Golpe da Maioridade.
O golpe da maioridade
Um processo que determinou a chegada de D. Pedro II ao poder.