Whatsapp icon Whatsapp

Foquismo

O Foquismo foi uma teoria revolucionária elaborada por “Che” Guevara e Regis Debray, na segunda metade da década de 1960.
“Che” Guevara é tido como um dos idealizadores do foquismo
“Che” Guevara é tido como um dos idealizadores do foquismo

Foquismo” é o nome dado à teoria revolucionária desenvolvida pelo guerrilheiro argentino Ernesto Guevara de la Serna, mais conhecido como “Che” Guevara, e o sociólogo francês Regis Debray (amigo do primeiro) na segunda metade da década de 1960. O termo “foquismo” deriva da palavra “foco”, já que tal teoria advogava a instalação de vários focos de guerrilha nas zonas rurais dos países latino-americanos, de modo que esses focos pudessem, paulatinamente: 1) ganhar a adesão das massas; 2) destruir ou submeter o poder das forças armadas; 3) constituir um governo revolucionário de caráter socialista.

O foquismo passou a ser teorizado após o grupo dos irmãos (Fidel e Raul) Castro ter conseguido tomar o poder em Cuba no ano de 1959. O próprio “Che” Guevara era um dos comandantes desse grupo.

A Revolução Cubana e a OLAS

Em 1960 (um ano após a Revolução Cubana), “Che” Guevara publicou o livreto “Guerra de Guerrilhas”. Nesse escrito, o guerrilheiro argentino pregava a exportação do modelo da guerrilha revolucionária para toda a América Latina, bem como para a África e Ásia. A metáfora que Guevara usava era a da criação de “vários Vietnãs”, em alusão à guerra de guerrilhas que provocou a guerra civil no referido país. A perspectiva de Guevara ganhou ganhou relevo internacional a partir de 1966 com a realização da I Conferência Tricontinental em Havana, que criou a Organização Latino-Americana de Solidariedade (OLAS), um órgão que visava a financiar e treinar membros de grupos guerrilheiros advindos de toda a América Latina, inclusive do Brasil.

Definição do “foco guerrilheiro”

À tentativa de sistematização da teoria do “foco guerrilheiro” de Guevara juntou-se o pensamento do sociólogo francês Regis Debray, discípulo do filósofo marxista estruturalista Louis Althusser. Debray foi a Cuba acompanhar de perto as ações do grupo dos Castro e de Guevara e seguiu os passos desse último também na Bolívia – onde foi preso, e Guevara, morto. Debray publicou, em 1967, a obra “Revolução na Revolução”, que se tornou o principal manual do “foquismo”. Nessa obra, havia a clara ruptura com a perspectiva dos Partidos Comunistas tradicionais de então, de orientação marxista-leninista, que procuravam primeiramente formar uma vanguarda política revolucionária para, depois, partir para a luta armada.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O “foquismo” pregava o contrário: o uso da luta armada, com ações de guerrilha e terrorismo, deveria ser o primeiro passo da revolução para evitar a burocratização dela pelos partidos, que tradicionalmente hierarquizavam o processo revolucionário na estrutura de um Estado Autoritário. Para Guevara e Debray, era necessário começar com a guerrilha por meio da criação de “focos” no meio rural, como bem expõe o militar e historiador Alessandro Visacro:

[…] Esse foco deveria ser instalado em áreas remotas e inacessíveis, que proporcionassem, além de liberdade de ação, locais de homizio, redutos e “santuários” aos rebeldes. Ações urbanas, desempenhariam um papel de apoio, meramente secundário. O êxito da guerrilha, progressivamente, minaria o poder do Estado, atrairia a atenção da mídia e o apoio popular, permitindo-lhe avançar sobre as áreas ainda controladas pelas forças armadas. [1]

Visacro observou ainda que o foquismo:

[…] forneceu a ilusão de uma alternativa revolucionária viável a curto prazo, pois dispensava o lento amadurecimento de “condições objetivas”, o fortalecimento das organizações de massa ou a disseminação de uma “consciência revolucionária” em escala nacional. A luta armada, desencadeada de imediato, sem o inchado aparato partidário ou a letargia da burocracia sindical, tornar-se-ia a grande força propulsora da revolução política e da transformação social. [2]

Ecos do “foquismo” no Brasil

A proposta da teoria do foco guerrilheiro foi absorvida por alguns grupos revolucionários dissidentes do Partido Comunista Brasileiro. Esse foi o caso da Ação Libertadora Nacional (ALN), de Carlos Marighela, que se tornou autor do “Minimanual do guerrilheiro urbano”, um libreto com instruções de guerrilha e terrorismo bastante utilizado nos anos 1970. Podemos citar também a Vanguarda Armada Revolucionária – Palmares (VAR-Palmares), de Carlos Lamarca, e, por fim, o Partido Comunista do Brasil (PC do B), de João Amazonas e Maurício Grabois, que mesclaram elementos do “foquismo” com o maoismo chinês na construção da Guerrilha do Araguaia.

NOTAS

[1] VISACRO, Alessandro. Guerra Irregular: terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história. São Paulo: Contexto, 2009. p. 143.

[2] Ibid. p. 143.

Publicado por Cláudio Fernandes

Artigos Relacionados

Che Guevara e Fidel Castro
Che Guevara
Clique aqui e conheça a vida de Che Guevara. Veja como foi sua infância e como aderiu à luta revolucionária. Entenda o seu papel na Revolução Cubana de 1959.
Guerra do Vietnã
Acesse o site e veja como se desenvolveu a Guerra do Vietnã. Acompanhe de que forma a opinião pública norte-americana se comportou durante o conflito.
A Guerrilha do Araguaia optou pela luta armada como meio de combate à Ditadura Militar.
Guerrilha do Araguaia
O movimento revolucionário que lutou contra a Ditadura Militar no interior do Brasil.
Revolução Cubana
Acesse o site e veja mais sobre a Revolução Cubana e suas consequências durante a Guerra Fria na América Latina. Conheça os seus líderes e como se deu a revolução.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Sigmund Freud
Filosofia
Sigmund Freud
Nessa videoaula você conhecerá mais sobre a vida e estudos do "pai" da psicanálise.
video icon
Thumb Brasil Escola
Literatura
Realismo fantástico
Trazemos uma análise sobre realismo fantástico. Assista já!
video icon
Thumb Brasil Escola
Química
Funções orgânicas
Tire um tempo para entender melhor o que são as amidas