Whatsapp icon Whatsapp

Alberto Caeiro

A poética de Alberto Caeiro é marcada pela objetividade e simplicidade. Fernando Pessoa considerava-o como o maior de seus heterônimos.
Entre os heterônimos de Fernando Pessoa, Alberto Caeiro é tido como o mestre. Homem simples, despiu-se de toda a subjetividade e introspecção
Entre os heterônimos de Fernando Pessoa, Alberto Caeiro é tido como o mestre. Homem simples, despiu-se de toda a subjetividade e introspecção

Quando Eu não te Tinha

Quando eu não te tinha 
Amava a Natureza como um monge calmo a Cristo. 
Agora amo a Natureza 
Como um monge calmo à Virgem Maria, 
Religiosamente, a meu modo, como dantes, 
Mas de outra maneira mais comovida e próxima ... 
Vejo melhor os rios quando vou contigo 
Pelos campos até à beira dos rios; 
Sentado a teu lado reparando nas nuvens 
Reparo nelas melhor — 
Tu não me tiraste a Natureza ... 
Tu mudaste a Natureza ... 
Trouxeste-me a Natureza para o pé de mim, 
Por tu existires vejo-a melhor, mas a mesma, 
Por tu me amares, amo-a do mesmo modo, mas mais, 
Por tu me escolheres para te ter e te amar, 
Os meus olhos fitaram-na mais demoradamente 
Sobre todas as cousas. 
Não me arrependo do que fui outrora 
Porque ainda o sou. 

Só me arrependo de outrora te não ter amado.

Alberto Caeiro, in 'O Pastor Amoroso'.

Entre os heterônimos de Fernando Pessoa, Alberto Caeiro é considerado o mestre, aquele, conforme a definição de seu criador, que escreve “por pura e inesperada inspiração, sem saber ou sequer calcular que iria escrever”. No poema que você leu agora, é possível notar as principais características da poética de Caeiro, personagem do rico e enigmático universo de Fernando Pessoa.

Alberto Caeiro é o poeta do campo, o singelo guardador de rebanhos. Nasceu em Lisboa, mas viveu a vida no campo, aos cuidados de uma tia-avó idosa, sua companheira desde o falecimento precoce dos pais. É importante ressaltar o interessante processo de construção da alteridade de cada um dos heterônimos, cuidadosamente forjados por Pessoa: além de biografias próprias, também apresentam grandes diferenças estilísticas, o que comprova a genialidade desse que é tido como um dos maiores poetas da língua portuguesa.

“(...) A vida de Caeiro não pode narrar-se pois que não há nela de que narrar. Seus poemas são o que houve nele de vida. Em tudo mais não houve incidentes, nem há história. […] Ignorante da vida e quase ignorante das letras, sem convívio nem cultura, fez Caeiro a sua obra um progresso imperceptível e profundo, como aquele que dirige, através das consciências inconscientes dos homens, o desenvolvimento lógico das civilizações. […] Por uma intuição sobre-humana, como aquelas que fundam religiões, porém a que não assenta o título de religiosa, por isso que repugna toda a religião e toda a metafísica, este homem descreveu o mundo sem pensar nele, e criou um conceito do universo que não contém uma interpretação (...)”.

(Fernando Pessoa in “Páginas Íntimas e de Autointerpretação”)

Foi sob a alcunha de Alberto Caeiro que o livro O Guardador de Rebanhos, um dos mais emblemáticos da vasta obra de Pessoa, foi apresentado ao público. Um impulso criativo fez com que o poeta produzisse, em um único dia, os mais de trinta poemas que compõem a principal obra desse heterônimo que, diferentemente de Álvaro de Campos e Ricardo Reis (outros nomes que fazem parte do processo de fragmentação psicológica de Fernando Pessoa), utilizava uma linguagem simples e direta, negando questões metafísicas, a subjetividade e a introspecção, elementos tão comuns para tantos poetas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Para Caeiro, só é possível viver sem dor e sentir sem pensar, resistindo ao pensamento filosófico que afasta o homem de sua essência. Para você conhecer um pouco mais sobre esse heterônimo de Fernando Pessoa, o Mundo Educação escolheu dois belos poemas para você ler e apreciar. Boa leitura!

Alberto Caeiro é um poeta antimetafísico: seus poemas transbordam bucolismo e repreendem qualquer pensamento filosófico
Alberto Caeiro é um poeta antimetafísico: seus poemas transbordam bucolismo e repreendem qualquer pensamento filosófico

Da Minha Aldeia

Da minha aldeia veio quanto da terra se pode ver no Universo...

Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer

Porque eu sou do tamanho do que vejo

E não, do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena

Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.

Na cidade as grandes casas fecham a vista à chave,

Escondem o horizonte, empurram o nosso olhar para longe

de todo o céu,

Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos

nos podem dar,

E tornam-nos pobres porque a nossa única riqueza é ver.

O Meu Olhar

O meu olhar é nítido como um girassol.

Tenho o costume de andar pelas estradas

Olhando para a direita e para a esquerda,

E de, vez em quando olhando para trás...

E o que vejo a cada momento

É aquilo que nunca antes eu tinha visto,

E eu sei dar por isso muito bem...

Sei ter o pasmo essencial

Que tem uma criança se, ao nascer,

Reparasse que nascera deveras...

Sinto-me nascido a cada momento

Para a eterna novidade do Mundo...

Creio no mundo como num malmequer,

Porque o vejo. Mas não penso nele

Porque pensar é não compreender ...

O Mundo não se fez para pensarmos nele

(Pensar é estar doente dos olhos)

Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo...

Eu não tenho filosofia: tenho sentidos...

Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,

mas porque a amo, e amo-a por isso,

Porque quem ama nunca sabe o que ama

Nem sabe por que ama, nem o que é amar ...

Amar é a eterna inocência,

E a única inocência não pensar...

Publicado por Luana Castro Alves Perez
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

Estátua do poeta Fernando Pessoa em Lisboa, Portugal. [1]
Bernardo Soares
Clique aqui e conheça Bernardo Soares, um dos heterônimos de Fernando Pessoa. Descubra as principais características de suas obras.
Fernando Pessoa
Conheça Fernando Pessoa e seus heterônimos. Saiba quais são as características de suas obras. Leia algumas frases do autor.
Retrato do poeta português Fernando Pessoa.
Heterônimos de Fernando Pessoa
Veja quais são os heterônimos de Fernando Pessoa, conheça as características literárias dos seus principais heterônimos e saiba mais esse autor português.
Fernando Pessoa, em pintura de Bottelho (1964-2014).
Ricardo Reis
Clique aqui e conheça Ricardo Reis, um dos heterônimos de Fernando Pessoa. Saiba também as principais características de suas obras.
Álvaro de Campos é um dos heterônimos de Fernando Pessoa e foi tido pelo próprio Pessoa como seu alter ego
Álvaro de Campos
Literatura portuguesa: Clique e conheça os aspectos da obra de Álvaro de Campos, um dos heterônimos de Fernando Pessoa.
video icon
Filosofia
O que é distopia?
Você sabe o que é distopia? Não? Talvez? Até sabe, mas não sabe explicar? Sabe, mas quer saber mais? Então confira este vídeo para entender esse conceito presente na literatura e na filosofia contemporâneas!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Sigmund Freud
Filosofia
Sigmund Freud
Nessa videoaula você conhecerá mais sobre a vida e estudos do "pai" da psicanálise.
video icon
Thumb Brasil Escola
Literatura
Realismo fantástico
Trazemos uma análise sobre realismo fantástico. Assista já!
video icon
Thumb Brasil Escola
Química
Funções orgânicas
Tire um tempo para entender melhor o que são as amidas.