Whatsapp icon Whatsapp

Coronelismo

Coronelismo foi uma prática política, comum durante a República Velha, na qual os coronéis coagiam seus subalternos a votarem em seus candidatos para se manterem no poder.
Campos Sales foi presidente do Brasil (1902-1906) e intensificou a aliança com as oligarquias e os coronéis baseada na troca de favores.
Campos Sales foi presidente do Brasil (1902-1906) e intensificou a aliança com as oligarquias e os coronéis baseada na troca de favores.

O coronelismo foi uma prática política muito comum durante a República Velha. Os coronéis eram latifundiários que exerciam o domínio político no interior do Brasil e coagiam seus subordinados a votarem em seus candidatos, mantendo-se, dessa forma, no poder. Como o voto era aberto, as fraudes eleitorais permitiam a manutenção das oligarquias no poder. Caso o eleitor não votasse no candidato indicado pelos coronéis, poderia ser punido. Atualmente, essa prática ainda existe, principalmente nos locais onde predomina o crime organizado.

Leia também: Populismo – política cujo discurso e as ações são voltados para a massa

Resumo sobre coronelismo

  • O coronelismo foi uma prática política, comum durante a Primeira República, baseada nos coronéis, que coagiam seus subalternos a votarem em seus candidatos nas eleições.

  • O voto de cabresto foi o símbolo do coronelismo no Brasil porque o voto aberto facilitava a influência dos coronéis no voto dos seus trabalhadores.

  • A figura do coronel surgiu, durante o império, com a formação da Guarda Nacional.

  • As oligarquias se mantiveram no poder durante as primeiras décadas da república por meio de alianças políticas e fraudes eleitorais.

  • Mesmo com o voto secreto, em algumas áreas do Brasil onde predominam as milícias e as quadrilhas, ainda existe coação sobre os eleitores para que votem nos candidatos dos seus comandantes.

[publicidade_omnia]

O que é o coronelismo?

O coronelismo é uma prática política que se tornou comum no Brasil durante as primeiras décadas do século XX. A figura do coronel latifundiário que exercia o poder político, econômico e social, principalmente no interior do país — mantinha-se no poder por meio de alianças políticas com as oligarquias estaduais, e, por meio da coação eleitoral, obrigava seus subordinados a votarem em seus candidatos, mantendo assim o seu domínio local.

Características do coronelismo

  • Voto de cabresto

O voto de cabresto é a principal característica do coronelismo. O termo “cabresto” se refere a um arreio colocado no cavalo para controlar o seu movimento. Esse acessório foi associado ao coronelismo porque os coronéis conseguiam controlar a votação em sua região de domínio. Esse controle se dava mediante trocas de pequenos favores e ameaças.

Os eleitores eram conduzidos às zonas eleitorais por transportes financiados pelos coronéis, e, como a grande maioria era analfabeta, apenas colocava nas urnas eleitorais a cédula já preenchida com o candidato fiel ao coronel.

Vale ressaltar que, durante a Primeira República, não havia Justiça Eleitoral, ou seja, não havia um órgão oficial responsável pela fiscalização do processo eleitoral e não havia punições para quem coagisse o eleitor a votar em determinado candidato. Até 1930, quando as oligarquias foram destituídas do poder, o voto de cabresto era uma prática constante no interior do Brasil.

Leia também: Percurso histórico das eleições no Brasil

Origem do coronelismo

Quando se fala em coronelismo, não se refere à patente do Exército. A origem dos coronéis que exerciam o seu domínio local está no período imperial, durante o século XIX. Com a criação da Guarda Nacional, os latifundiários aliados do governo central recebiam o título de coronel para que exercessem o seu domínio em sua região e evitassem qualquer tipo de revolta.

Esses chefes locais eram temidos pelos moradores e trabalhadores. Havia uma relação de dependência, pois os benefícios concedidos aos mais pobres eram garantidos pelos coronéis. Com a proclamação da república, em 1889, quando o voto se tornou primordial para eleger presidentes da república, governadores e parlamentares, as eleições se tornaram alvos dos coronéis para que seu poder local se fortalecesse a cada votação.

Coronelismo e Primeira República (República Velha)

Prudente de Morais foi o primeiro presidente da república civil de nossa história. Ao contrário dos dois primeiros governos republicanos chefiados por militares (os marechais Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto), que centralizaram os poderes e desprezavam os estados, Prudente de Morais se aproximou da oligarquia paulista, que controlava a produção cafeeira, a principal atividade econômica na época.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Durante o governo Campos Sales (1902-1906), o coronelismo ganhou força por causa da política dos governadores. O presidente estabelecia alianças com as oligarquias estaduais e os coronéis por meio de troca de favores, como a liberação de verbas públicas, garantindo a manutenção dos mesmos grupos no poder.

Essas práticas políticas que garantiram a permanência das oligarquias e dos coronéis no poder se enfraqueceram depois da Revolução de 1930, quando Getúlio Vargas chegou ao poder, destituiu os chefes dos estados e nomeou pessoas de sua confiança para os governos estaduais.

Coronelismo na atualidade

O coronelismo ainda se mantém na política atual mesmo com a implantação do voto secreto. Em regiões onde as ações do Estado são ausentes e o crime organizado atua de forma efetiva, existe a coação eleitoral, quando os eleitores recebem ameaças caso não votem no candidato indicado pelos líderes das facções. Ainda existem grupos políticos que se mantêm no poder mediante trocas de favores.

A Constituição de 1934 instituiu o voto secreto e a Justiça Eleitoral, o que promoveu uma mudança nas práticas políticas ao se permitir que o eleitor vote em seu candidato de acordo com a sua consciência e não sob ameaças, como acontecia nos tempos do coronelismo.

Com a criação de um órgão oficial que fiscaliza e organiza as eleições, bem como pune os crimes eleitorais, permitiu-se maior lisura na realização do pleito e garantiu-se a legitimidade do resultado eleitoral. No entanto, em praticamente todas as eleições, ainda é comum pessoas comprando e vendendo votos em troca de pequenos favores ou sendo coagidas a votarem em um candidato.

A imprensa tem noticiado, em tempos de eleição, a influência do crime organizado no financiamento de candidatos da sua confiança, por meio da qual o eleitor que mora na região dominada por esses criminosos é obrigado a votar para não sofrer qualquer tipo de punição. Alguns candidatos são proibidos de acessarem regiões para fazer campanha eleitoral por representarem alguma ameaça aos seus líderes. Apesar da liberdade de votar e ser votado, de fazer campanha eleitoral, ainda existem resquícios do coronelismo em nossa realidade.

Exercícios resolvidos sobre coronelismo

Questão 1 - (UEL) O coronelismo, fenômeno social e político típico da República Velha, embora suas raízes se encontrem no Império, foi decorrente da:

A) promulgação da Constituição Republicana, que instituiu a centralização administrativa, favorecendo nos Estados as fraudes eleitorais.

B) supremacia política dos estados da região Sul — possuidores de maior poder econômico — cuja força advinha da maior participação popular nas eleições.

C) montagem de modernas instituições — autonomia estadual, voto universal — sobre estruturas arcaicas, baseadas na grande propriedade rural e nos interesses particulares.

D) instituição da Comissão Verificadora de Poderes, que possuía autonomia para determinar quem deveria ser diplomado deputado, reconhecendo os vitoriosos nas eleições.

E) predominância do poder federal sobre o estadual, que possibilitava ao governo manipular a população local e garantir à oligarquia a elaboração das leis.

Resolução

Alternativa C. A descentralização do poder permitiu mais autonomia para os estados, e as eleições estaduais dependiam da participação dos coronéis.

Questão 2 - O fenômeno político do coronelismo no Brasil esteve associado a um modo de política que caracterizou a república, a partir de 1894, como:

A) República dos Oligarcas

B) República dos Generais

C) República da Espada

D) República Parlamentar

E) República Imperial

Resolução

Alternativa A. O coronelismo foi uma prática política característica da República dos Oligarcas, quando pequenos grupos se mantinham no poder mediante trocas de favores e coação dos eleitores para votarem em seus candidatos.

Publicado por Carlos César Higa

Artigos Relacionados

Integrantes da Coluna Prestes [1]
Coluna Prestes
Acesse o site e conheça mais sobre a Coluna Prestes. Veja quais foram seus objetivos, o caminho que percorreu e suas consequências para a política nacional.
O Funding loan serviu como medida paliativa aos problemas da economia nacional.
Funding loan
O plano que buscou sanar a dívida externa brasileira.
Governo Campos Sales: acordos políticos em favor dos interesses das oligarquias.
Governo Campos Sales
Governo Campos Sales, República Oligárquica, Política dos Governadores, funding loan, inflação, moratória, empréstimos internacionais, agroexportação, desenvolvimento industrial, centros urbanos, problemas sociais, exclusão política.
O governo de Epitácio Pessoa enfrentou diversas insurreições contrárias aos ditames da ordem oligárquica.
Governo Epitácio Pessoa
As revoltas e movimentos de um governo que sinalizou a crise das oligarquias.
Ricardo Kirk, patrono da aviação brasileira. Na Guerra do Contestado, pela primeira vez no Brasil, foram utilizados aviões em combate
Guerra do Contestado e messianismo
Conheça a Guerra do Contestado, um dos movimentos sociais messiânicos do início do século XX no Brasil.
Lampião foi o nome mais conhecido do cangaço.
Lampião
Acesse o site e conheça mais sobre a vida de Lampião. Acompanhe sua trajetória de vida e sua atuação no cangaço. Veja como se deu a emboscada em que ele foi morto.
Padre Cícero
Acesse o site e conheça mais sobre a vida e a atuação de Padre Cícero. Entenda como ele influenciou a religiosidade e a política do Nordeste.
Presidente Campos Sales, no centro da fotografia
Política do Café com Leite
Saiba o que foi a “Política do Café com Leite” e que importância teve no contexto da República Oligárquica, no Brasil do início do século XX.
A alternância de mineiros e paulistas na presidência só foi possível com a “política dos governadores”.
Política dos governadores
O jogo político que conservava o poder nas mãos dos oligarcas.
Fotografia com uma parte dos integrantes da Coluna Prestes.
Tenentismo
República Oligárquica, Movimentos Militares, Movimento Tenentista, Tenentismo, Arthur Bernardes, Clube Militar, Rebelião do Forte de Copacabana, Os Dezoito do Forte, Isidoro Dias Lopes, Luis Carlos Prestes, Coluna Prestes.
video icon
Português
REDAÇÃO NOTA 1000 | Os efeitos dos desastres ambientais no Brasil
Como abordar a questão dos desastres ambientais de modo crítico na redação do Enem? Confira nesta aula alguns repertórios e dicas que podem contribuir com a sua escrita!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Videoaula Brasil Escola
Inglês
Genitive Case
É hora de aperfeiçoar sua gramática na Língua Inglesa. Assista!
video icon
Videoaula Brasil Escola
Sociologia
Democracia racial
Você sabe o que significa democracia racial? Clique e nós te ensinamos!
video icon
Tigres Asiáticos
Geografia
Tigres Asiáticos
Assista à nossa videoaula sobre os Tigres Asiáticos, e conheça as razões do desenvolvimento rápido desses territórios.