Governo Epitácio Pessoa

Integrando mais um dos governos que figuraram o período oligárquico no Brasil, o mandato do presidente Epitácio Pessoa ficou marcado por importantes eventos que sinalizavam a crise das oligarquias. A insatisfação de grupos naturalmente opostos à predominância das oligarquias mineira e paulista e a exclusão de grupos oligárquicos secundários provocaram algumas tensões que indicavam a vindoura crise que daria fim a esse regime.

A própria chegada de Epitácio ficou marcada por disputas de hegemonia dentro do cenário político da época. Rodrigues Alves foi eleito como novo presidente da política do café-com-leite, porém, o novo eleito faleceu antes de assumir o mandato. Com isso, o vice-presidente Delfim Moreira assumiu o governo provisoriamente, até que outro presidente fosse eleito. Na disputa, ocorrida em 1919, Epitácio Pessoa conseguiu vencer o pleito concorrido contra o escritor Rui Barbosa.

Durante o seu governo podemos observar a franca expansão do setor industrial brasileiro, que aproveitava do abalo da economia européia no pós-Primeira Guerra. Em conseqüência a essa transformação econômica, também tivemos o crescimento da classe operária, que na época contava com a força de trabalho de vários imigrantes europeus. Muitos desses trabalhadores de origem espanhola e italiana vinham de seus países trazendo a influência das concepções dos pensamentos anarquista e socialista.

Nesse período, essas duas tendências políticas ganharam ênfase com a deflagração da Revolução Russa de 1917, quando a classe operária daquele país conseguiu chegar ao poder. Em pouco tempo, os trabalhadores urbanos do Brasil – inspirados pelo sucesso do proletariado russo – saiu às ruas pedindo melhores condições de vida em uma época em que as leis não amparavam a classe trabalhadora. Além disso, tentavam se organizar por meio da formação dos primeiros sindicatos de trabalhadores.

Contrário à mobilização dos trabalhadores, o governo da época criou a chamada “Lei de Repressão ao Anarquismo”, dispositivo pela qual a ordem oligárquica esperava desestabilizar o operariado brasileiro. No entanto, a tentativa de esvaziar esse novo grupo em ascensão promoveu uma reorientação política que estabeleceu a criação do Partido Comunista Brasileiro, em 1922. Acuado por tal advento, o governo instituiu um decreto onde proibia as atividades do novo partido e o colocava na ilegalidade.

Esse mesmo ano de 1922 – último do mandato do presidente Epitácio Pessoa – foi marcado por outro movimento que sinalizava o declínio das oligarquias. Em fevereiro, um grupo de escritores, artistas e intelectuais se reuniram para a realização da Semana de Arte Moderna. Esse evento foi marcado pela discussão da identidade nacional e a inserção do Brasil na modernidade, duas questões que faziam um claro contraponto ao conservadorismo e o exclusivismo que marcavam o cenário político da época.

Em julho de 1922, uma crise tomou conta da capital federal e marcou o desenvolvimento do episódio popularmente conhecido como a “Revolta do Forte de Copacabana”. Nesse período, vários militares criticavam o autoritarismo das oligarquias e a indicação de Artur Bernardes como novo candidato oficial à presidência do país. Em reposta, o governo fechou o Clube Militar e decretou a prisão do marechal Hermes da Fonseca, considerado um dos líderes dos militares anti-governistas.

Insatisfeitos com a ação das autoridades, um grupo de militares provocou uma revolta que tomou o Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro, e exigiu a realização de novas eleições. Sem ter meios de enfrentar o governo, os revoltosos acabaram sendo desarticulados pelas tropas oficiais. Apesar da política do café-com-leite ter prevalecido frente seus opositores, o restante daquela década foi marcado por conflitos que deram fim à hegemonia das elites cafeeiras.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

O governo de Epitácio Pessoa enfrentou diversas insurreições contrárias aos ditames da ordem oligárquica.
O governo de Epitácio Pessoa enfrentou diversas insurreições contrárias aos ditames da ordem oligárquica.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assuntos relacionados
Fotografia com uma parte dos integrantes da Coluna Prestes.
Tenentismo
República Oligárquica, Movimentos Militares, Movimento Tenentista, Tenentismo, Arthur Bernardes, Clube Militar, Rebelião do Forte de Copacabana, Os Dezoito do Forte, Isidoro Dias Lopes, Luis Carlos Prestes, Coluna Prestes.
A alternância de mineiros e paulistas na presidência só foi possível com a “política dos governadores”.
Política dos governadores
O jogo político que conservava o poder nas mãos dos oligarcas.
Coronel: o grande proprietário que tinha uma população subordinada a seus interesses políticos.
Coronelismo
A manifestação do autoritarismo nas primeiras décadas da República.
A Coluna Prestes resistiu à perseguição das autoridades oficiais durante três anos.
Coluna Prestes
O movimento tenentista que atravessou todo o Brasil.
O Funding loan serviu como medida paliativa aos problemas da economia nacional.
Funding loan
O plano que buscou sanar a dívida externa brasileira.
Formação do operariado brasileiro: bairros operários e família de imigrantes.
Formação do operariado brasileiro
Saiba como se deu a formação do operariado brasileiro após a implantação da República e veja como o socialismo e o anarquismo organizaram e conscientizaram politicamente os operários.
Greve geral operária. Jornal A Batalha. nº1.139.
Greves operárias na Primeira República
As greves operárias na Primeira República ocorreram em virtude da ascensão das ideias socialistas e anarquistas disseminadas pelos imigrantes estrangeiros que vieram para o Brasil no século XX. Veja mais aqui!
A obrigatoriedade da vacinação contra a varíola provocou a Revolta da Vacina, no Rio de Janeiro, no ano de 1904. À esquerda, o médico e sanitarista Os
Revolta da Vacina
Saiba mais sobre a Revolta da Vacina na cidade do Rio de Janeiro, no ano de 1904, a campanha de Oswaldo Cruz, a obrigatoriedade da vacinação e a insatisfação popular.
Ricardo Kirk, patrono da aviação brasileira. Na Guerra do Contestado, pela primeira vez no Brasil, foram utilizados aviões em combate
Guerra do Contestado e messianismo
Conheça a Guerra do Contestado, um dos movimentos sociais messiânicos do início do século XX no Brasil.