Revolta da Vacina

No ano de 1902, o presidente da República, o paulista Rodrigues Alves, concedeu amplos poderes ao prefeito da capital federal, Pereira Passos, com fins de promover uma reforma urbana na cidade do Rio de Janeiro. As obras foram finalizadas em 1906. O principal objetivo dessas reformas era sanar os graves problemas urbanísticos (como ruas estreitas e malcheirosas e a inexistência de um sistema de esgotos) e eliminar por completo das partes centrais da cidade os cortiços.

Os políticos brasileiros estavam preocupados com a imagem internacional que a capital federal ofertava aos investidores estrangeiros e com a péssima condição sanitária vivida pela população, sempre atingida por epidemias de dengue, tuberculose e principalmente pelas epidemias de febre amarela e varíola. Assim, o governo resolveu combater as doenças que atingiam a população da cidade do Rio de Janeiro.

O médico e sanitarista Oswaldo Cruz foi encarregado de erradicar principalmente os agentes transmissores da febre amarela (mosquito Aedes aegypti) e da varíola (que se transmitia pelo contato com pessoas infectadas). No presente texto daremos ênfase à campanha de combate à varíola que desencadeou, no ano de 1904, a Revolta da Vacina, após a decisão governamental de tornar obrigatória a vacinação contra a varíola. A campanha gerou insatisfações entre as diferentes classes sociais que formavam a população citadina.

Os seguidores do positivismo foram a primeira classe social a se manifestar contrária à vacinação compulsória. Naquele período, eles integravam grande parcela da população e, para eles, a obrigatoriedade da vacina era uma violação à liberdade individual dos cidadãos, uma afronta ao Estado de direito republicano.

A população negra de origem africana representava uma grande parcela da população da capital federal. Segundo o historiador Sidney Chalhoub (1996), para a população negra, adeptos das religiões de matrizes africanas, a varíola era uma doença sagrada, que não podia ser combatida da maneira como os governantes estipularam, com a vacinação. Dentro do universo simbólico das religiões africanas, a varíola e outras doenças seriam combatidas pelo orixá Omulu.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Para piorar a situação, a vacinação obrigatória somente acentuou a revolta da população, que já estava descontente com as reformas urbanas. A partir do momento em que a sociedade ficou sabendo que a vacina era feita do próprio vírus da varíola, passou-se a acreditar que o governo queria acabar com a população pobre, envenenando-a com a doença. Outra ação contrária à vacinação teve início quando vários homens não permitiram que os funcionários públicos segurassem o braço de suas esposas e filhas para aplicação do medicamento.

Com tantas insatisfações e conflitos causados pela reforma urbana e pela vacinação obrigatória contra a varíola, no dia 13 de novembro de 1904, um levante populacional ergueu-se no centro do Rio de Janeiro e nos bairros da Tijuca, Gamboa, Botafogo, Catumbi, Engenho Novo, entre outros. Esses lugares se transformaram em verdadeiros campos de batalha: a população incendiou vários bondes, diversos lampiões de gás (iluminação pública) foram quebrados e várias barricadas foram construídas nas ruas.

O governo, para controlar a desordem social, atacou a população com bombardeios efetivados pela Marinha e ataques realizados pelo Exército. Ao final dos conflitos, aproximadamente 30 pessoas morreram, 110 ficaram feridas e 945 foram presas. Com o fim da Revolta da Vacina, no dia 16 de novembro de 1904, o governo revogou a obrigatoriedade da vacinação contra a varíola.

A obrigatoriedade da vacinação contra a varíola provocou a Revolta da Vacina, no Rio de Janeiro, no ano de 1904. À esquerda, o médico e sanitarista Os
A obrigatoriedade da vacinação contra a varíola provocou a Revolta da Vacina, no Rio de Janeiro, no ano de 1904. À esquerda, o médico e sanitarista Os
Publicado por: Leandro Carvalho
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
O governo de Hermes da Fonseca marcou a crise das oligarquias.
Governo Hermes da Fonseca
República Oligárquica, regime oligárquico, República Velha, Hermes da Fonseca, hermistas, Rui Barbosa, Campanha Civilista, política de salvações, Revolução Cearense de 1914.
Observe as lesões causadas pela varíola
Varíola
Saiba mais sobre a varíola, uma doença atualmente erradicada em todo o planeta.
Governo Campos Sales: acordos políticos em favor dos interesses das oligarquias.
Governo Campos Sales
Governo Campos Sales, República Oligárquica, Política dos Governadores, funding loan, inflação, moratória, empréstimos internacionais, agroexportação, desenvolvimento industrial, centros urbanos, problemas sociais, exclusão política.
O governo de Epitácio Pessoa enfrentou diversas insurreições contrárias aos ditames da ordem oligárquica.
Governo Epitácio Pessoa
As revoltas e movimentos de um governo que sinalizou a crise das oligarquias.
O Funding loan serviu como medida paliativa aos problemas da economia nacional.
Funding loan
O plano que buscou sanar a dívida externa brasileira.
Greve geral operária. Jornal A Batalha. nº1.139.
Greves operárias na Primeira República
As greves operárias na Primeira República ocorreram em virtude da ascensão das ideias socialistas e anarquistas disseminadas pelos imigrantes estrangeiros que vieram para o Brasil no século XX. Veja mais aqui!
A vacina é importante para a prevenção contra doenças virais e bacterianas
17 de outubro – Dia Nacional da Vacinação
Entenda a importância do Dia Nacional da Vacinação e aprenda um pouco mais sobre essa forma de imunização.
Presidente Campos Sales, no centro da fotografia
Política do Café com Leite
Saiba o que foi a “Política do Café com Leite” e que importância teve no contexto da República Oligárquica, no Brasil do início do século XX.
A Revolta da Chibata sofreu uma repressão violenta por parte do governo do presidente Hermes da Fonseca*
Revolta da Chibata
Neste link você terá acesso a informações que abordam especificamente a revolta dos marujos brasileiros: a Revolta da Chibata.
Fotografia com uma parte dos integrantes da Coluna Prestes.
Tenentismo
República Oligárquica, Movimentos Militares, Movimento Tenentista, Tenentismo, Arthur Bernardes, Clube Militar, Rebelião do Forte de Copacabana, Os Dezoito do Forte, Isidoro Dias Lopes, Luis Carlos Prestes, Coluna Prestes.
Imitar a Europa ou valorizar o Brasil? – um dos grandes dilemas que marcaram a Semana de Arte Moderna de 1922.
Semana de Arte Moderna de 1922
O movimento que “revirou” os padrões estéticos e intelectuais do Brasil.