Maria Quitéria

A proclamação da independência do Brasil ocorreu em 1822, mas os portugueses não aceitaram o processo de prontidão. Essa resistência gerou alguns conflitos os quais levaram Dom Pedro I a organizar um exército pró-independência para expulsar de vez os portugueses das terras brasileiras. D. Pedro enviou mensageiros às fazendas para recrutar voluntários e angariar fundos para essa missão. Numa dessas fazendas, Serra da Agulha, Bahia, vivia Maria Quitéria de Jesus, a primeira mulher a assentar praça em uma unidade militar brasileira.

Maria Quitéria nasceu entre os anos de 1792 e 1797 no arraial de São José de Itapororocas, Bahia. Filha de Gonçalo Alves de Almeida e Quitéria Maria de Jesus, Maria perdeu sua mãe aos 10 anos. Sua relação com a terceira esposa de seu pai não era amistosa, o que levou Maria a passar a maior parte de seu dia fora de casa. Sendo assim, ao invés de aprender atividades voltadas à mulher do século XIX (como costurar e bordar), aprendeu a montar cavalos e a manejar armas de fogo. Quando os mensageiros pró-independência chegaram à sua fazenda, a fim de receber patrocínio e recrutar combatentes, seu pai não colaborou. Mas Maria demonstrou interesse em fazer parte do exército. Seu pai, possesso, não concordou, mas ela, determinada, fugiu de casa e se alistou nas tropas. Para não gerar desconfiança, cortou o cabelo, pediu emprestado um uniforme e se apresentou ao Corpo de Caçadores com o pseudônimo de soldado Medeiros. Duas semanas depois, seu pai, que há tempos a procurava, descobriu seu paradeiro e a delatou ao major Silva e Castro, comandante de sua divisão. No entanto, Maria já havia feito fama entre os militares, em razão da sua bravura e habilidade, e o major não aceitou sua baixa.

O batalhão dos voluntários era conhecido como “Batalhão dos Periquitos”, em virtude da cor verde da gola e dos punhos do uniforme. Nesse batalhão, Maria se destacou nos combates de Conceição, Pituba, Itapuã e Barra do Paraguaçu, onde liderou um pelotão de mulheres, impedindo o desembarque de tropas portuguesas. O exército pró-independência conseguiu expulsar, de vez, os portugueses da Bahia em 2 de julho de 1823. Por conta de seus esforços, Maria foi homenageada por D. Pedro ao receber a medalha de “Cavaleiro da Ordem Imperial do Cruzeiro”. D. Pedro, a pedido de Maria, pediu perdão ao pai da moça pela desobediência e Maria, perdoada, voltou pra casa.

Maria casou-se com Gabriel Pereira de Brito e tiveram uma filha, Luísa Maria da Conceição. No dia 21 de agosto de 1853, esquecida pela história, Maria faleceu. Cem anos depois, o Exército, na figura do Ministro da Guerra, rendeu-lhe uma homenagem: ordenou que todas as unidades militares passassem a ter um retrato de Maria Quitéria.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Demercino Júnior
Graduado em História

Maria Quitéria: mulher, brasileira, soldado e guerreira
Maria Quitéria: mulher, brasileira, soldado e guerreira
Publicado por: Demercino José Silva Júnior
Assuntos relacionados
A consolidação da nossa independência foi marcada por conflitos em diferentes províncias.
As guerras de independência do Brasil
Os conflitos que tomaram o território brasileiro após o 7 de setembro de 1822.
”O juramento dos Trinta e Três Orientais”: obra representando a separação da Cisplatina.
Guerra da Cisplatina
Primeiro Reinado, Dom João VI, Banda Oriental, Região Cisplatina, Guerra da Cisplatina, movimento separatista, La Florida, Confederação das Províncias Unidas da Prata, Batalha de Ituzaingó, Tratado de Montevidéu, abdicação de Dom Pedro I.
Impotente frente a seus opositores, Dom Pedro I abdicou o trono brasileiro em 1831.
Fim do Primeiro Império
Fim do Primeiro Reinado, Queda de Dom Pedro I, Abdicação de Dom Pedro I, Libero Badaró, Noite das Garrafadas, Campo de Santana, Ministério dos Marqueses, História do Brasil.
A Noite das Garrafadas demonstrou a rivalidade política entre portugueses e brasileiros na capital do império.
Noite das Garrafadas
Noite das Garrafadas, Primeiro Reinado, Dom Pedro I, comitiva imperial, portugueses, brasileiros, liberais, conservadores, partido brasileiro, partido português, Líbero Badaró, Ouro Preto, Rio de Janeiro, abdicação de Dom Pedro I.