Tipos de esponjas

O Filo Porifera abriga indivíduos aquáticos, sem estruturas locomotoras, e que vivem fixados ao substrato: os poríferos, ou esponjas, também chamados de espongiários. Sua coloração, tamanho e forma variam bastante.

Eles recebem, em seu interior, quantidades significativas de água, sendo dela que retiram oxigênio e alimento. Após tais substâncias serem captadas, a água é eliminada para o meio externo. Por este motivo, são considerados animais filtradores.

Esponjas mais simples são classificadas como sendo do tipo áscon; e apresentam-se semelhantes a cilindros ocos, com uma abertura na extremidade superior: o ósculo. As asconoides são revestidas, externamente, por dois tipos de célula: os pinacócitos e os porócitos. Esses possuem poros, sendo responsáveis pela entrada de água diretamente para o interior da esponja; já aqueles, são tipos celulares achatados e bem unidos entre si.

A região interna, chamada espongiocele, é constituída por coanócitos, que são tipos celulares dotados de flagelo, responsáveis pela movimentação de água no interior do animal, e também pela sua digestão. Entre estas duas camadas há o meso-hilo, composto por substância gelatinosa e células responsáveis pela digestão, fabricação de estruturas de sustentação, e também pela formação de todos os tipos celulares destes animais.

Há, também, esponjas mais complexas: as siconoides, ou do tipo sícon. Nestas, a parede é mais espessa, e nela são encontradas fendas pelas quais a água passa para o meio interno e em seguida é direcionada aos canais aferentes. Ali é que estão os porócitos. Estes direcionam a água para os canais radiais, que são revestidos pelos coanócitos, e a força dos flagelos destas células faz com que a água vá para a espongiocela e, em seguida, seja eliminada pelo ósculo.




As esponjas leuconoides são o terceiro e último tipo. Elas são maiores e a estrutura corporal é mais complexa. Nestas também há fendas que direcionam a água para os canais aferentes. De lá, ela é direcionada às câmaras vibráteis, revestidas por coanócitos; e se comunica com a espongiocela, por meio de canais eferentes. A pressão da água faz com que a mesma seja expulsa com facilidade.




Por Mariana Araguaia
Graduada em Biologia

Publicado por: Mariana Araguaia de Castro Sá Lima
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Lista de Exercícios

Questão 1

Analisando a morfologia de uma esponja, é possível classificá-la em três tipos básicos de organização. O tipo mais simples de esponja, o qual apresenta o corpo cilindro, ereto e com uma cavidade central, recebe qual nome?

a) Lêucon

b) Sícon

c) Áscon

d) Ostíolo

e) Ósculo

Questão 2

Quando analisamos uma esponja, é possível observar diferentes organizações. Analise as alternativas abaixo e marque aquela que indica corretamente o nome dado à esponja mais complexa que apresenta os primeiros estágios de pregueamento da parede do corpo.

a) Lêucon

b) Sícon

c) Áscon

d) Ostíolo

e) Ósculo

Mais Questões
Assuntos relacionados
Seres abissais
Peixes abissais
Sobre estes seres que vivem em altas profundidades e podem ser capazes de produzir luz ou mesmo possuir bocas enormes.
Zaglossus attenboroughi: nome que homenageia o naturalista David Attenborough.
Subclasse Prototheria
Clique aqui e conheça as peculiaridades da subclasse prototheria.
As aves são animais inteligentes e com comportamentos complexos e elaborados
Excreção e coordenação das aves
Clique aqui e aprenda mais sobre a excreção e a coordenação das aves.
Ordem Squamata
Conheça mais sobre a ordem Squamata, a ordem que abrange a maioria dos répteis.