Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Doenças
  3. Refluxo gastroesofágico

Refluxo gastroesofágico

O refluxo gastroesofágico ocorre quando o alimento que ingerimos volta ao esôfago juntamente com o ácido gástrico do estômago, causando uma sensação de queimação, muito conhecida como azia.

O refluxo gastroesofágico ocorre em razão de uma falha no esfíncter esofágico inferior, também conhecido como esfíncter cárdico, que funciona como uma válvula, não deixando que o bolo alimentar que está no estômago retorne para o esôfago.

Quando ocorre uma falha no relaxamento desse esfíncter, a pessoa tem refluxo. Esse refluxo pode ser fisiológico, que é considerado normal, e pode ocorrer quando ingerimos alimentos gordurosos, molhos de tomate, bebidas que contenham cafeína, chocolate, cebola, entre tantos outros; ou o refluxo gastroesofágico, que indica que algo vai mal com o sistema digestivo. Em algumas pessoas que têm refluxo gastroesofágico, ele pode ter sido provocado por uma hérnia de hiato, que é a protusão de parte do estômago para o tórax, através do orifício do diafragma.

Pessoas que têm hérnia de hiato podem sofrer de refluxo
Pessoas que têm hérnia de hiato podem sofrer de refluxo

O refluxo é mais comum em pessoas que ingerem uma grande quantidade de comida e se deitam logo em seguida, pois, como o estômago está cheio, o esfíncter terá mais dificuldade para se fechar. Pessoas obesas, mulheres grávidas e pessoas que ingerem bebidas que contêm cafeína, pois a cafeína provoca o relaxamento do esfíncter esofágico causando o retorno dos alimentos.

Em bebês, a causa do refluxo está na imaturidade do esfíncter esofágico, e é o refluxo que chamamos de fisiológico, muito comum depois das mamadas. Esse tipo de refluxo pode acometer bebês de até seis meses de vida e pode ser muito perigoso para o bebê, devendo a mãe ficar bastante atenta.

Os sintomas do refluxo são bem amplos, mas geralmente se apresentam como:

  • Azia: sensação de queimação no peito que costuma ocorrer logo após a ingestão de alimentos;
  • Regurgitação: volta dos alimentos até a boca, com gosto ácido e azedo, podendo provocar náuseas e vômitos em algumas pessoas;
  • Excesso de saliva;
  • Dores de garganta sem causas aparentes;
  • Tosse, rouquidão e asma, quando o refluxo atinge a laringe.

Se não tratado, o refluxo pode causar algumas complicações para a pessoa, como ulcerações, estenose do esôfago (ocorre quando a inflamação se torna grande, dificultando a passagem de alimentos), dismotricidade esofágica (quando o esôfago não consegue fazer os movimentos peristálticos que levam o alimento até o estômago), pneumonia, bronquite e asma (quando o refluxo gastroesofágico é aspirado e vai parar nos pulmões).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A agressão contínua às células do esôfago faz com que elas adquiram características de células intestinais, e a essa transformação damos o nome de esôfago de Barret. Em virtude dessas alterações, as células se tornam mais propensas a apresentar um câncer, podendo levar ao adenocarcinoma do esôfago.

O diagnóstico do refluxo é feito através de uma endoscopia digestiva e alguns médicos podem optar por fazer um exame chamado de pHmetria, em que é medido o grau de acidez do estômago e do esôfago.

O tratamento do refluxo dependerá da gravidade do caso. Em alguns casos, mudanças nos hábitos de vida são suficientes para que haja uma melhora. Em outros casos, o tratamento é feito através de medicamentos que diminuem a quantidade de ácido produzido pelo estômago, melhorando a motilidade do esôfago, em conjunto com uma dieta alimentar, perda de peso e atividades físicas.

Em casos graves, o médico pode optar por um tratamento cirúrgico, em que é feita uma válvula (através de uma dobra ao redor do esôfago), para que, quando cheio, o estômago comprima a parte terminal do esôfago, impedindo o refluxo.

Para se prevenir do refluxo é importante seguir algumas recomendações, como:

*        Evitar se deitar logo após as refeições, esperando de 1,5 a 2 horas;
*        Evitar comer grandes quantidades de comida de uma vez só;
*        Evitar bebidas e alimentos que contenham cafeína;
*        Evitar frituras, pimenta, molho de tomate, sucos cítricos, álcool;
*        Evitar cigarro.

O refluxo, quando não tratado, pode causar sérias complicações
O refluxo, quando não tratado, pode causar sérias complicações
Publicado por: Paula Louredo Moraes
Assuntos relacionados
A dor aparece na região baixa da coluna vertebral.
Dor nas Costas
Dor nas Costas, dor na região cervical, torácica e lombar, onde a dor aparece, as principais causas de dor nas costas, diagnóstico de dor nas costas, tratamento da dor nas costas, medidas que podem prevenir a dor nas costas.
A conjuntivite causa vermelhidão e bastante desconforto aos olhos
Conjuntivite
Saiba mais sobre esta inflamação que afeta os olhos, na região da conjuntiva.
Príon infeccioso e não infeccioso, respectivamente.
Doenças do príon
Proteínas capazes de causar infecções e que podem ser transmitidas de forma hereditária.
O vômito pode ser definido como uma expulsão forte do conteúdo estomacal
Náuseas e vômitos
Entenda o que são as náuseas e vômitos e conheça as suas principais causas.
Em caso de desmaio, é importante não jogar água na vítima nem sacudi-la
Desmaio
Entenda o que é desmaio, aprenda a proceder em um caso como esse e conheça algumas das principais causas responsáveis pela perda temporária dos sentidos.
O apêndice é a tubulação final destacada na figura.
Apendicite
O apêndice, como ocorre a apendicite, sintomas da apendicite, exames realizados para detectar a apendicite, tratamento para a apendicite, pós-operatório da apendicite.
Manifestação da artrite reumática.
Artrite
Artrite, o que é artrite, as artrites que mais se manifestam, a artrite reumatóide, a ossteoartrite, o tratamento para a artrite, tipos de artrite.
A síndrome das pernas inquietas pode atrapalhar o sono das pessoas acometidas
Síndrome das pernas inquietas
A síndrome das pernas inquietas é caracterizada por movimentos incessantes dos membros inferiores dos acometidos. A síndrome das pernas inquietas ocorre mais em adultos.
A diabetes do tipo 1 é mais frequente em crianças e adolescentes
Diabetes do tipo 1
Clique aqui e saiba mais sobre as causas, sintomas e tratamento do diabetes do tipo 1.