Whatsapp icon Whatsapp

Peculiaridades relativas ao emprego de alguns pronomes

Atentemo-nos aos dizeres do grande escritor modernista Oswald de Andrade:


Pronominais         


Dê-me um cigarro
Diz a gramática
Do professor e do aluno
E do mulato sabido

Mas o bom negro e o bom branco
Da Nação Brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro

Oswald de Andrade


Traços de cunho ideológico à parte, focaremos nossa atenção no primeiro verso da primeira estrofe e no último da segunda. Tais excertos, quando comparados mediante a linguagem coloquial e a padrão, nos conduzem à ideia de que somos compelidos a seguir um sistema convencional, pré-determinado pela norma culta que rege a linguagem. Nada implicaria na alteração de sentido se optássemos por utilizar o segundo exemplo, mas o fato é que este não se adéqua à modalidade culta.

O exemplo foi somente para ilustrar uma recorrente prática no que se refere ao emprego inadequado de alguns pronomes, assim como tantas outras ocorrências, todas concernentes à classe em questão. Assim, no intuito de familiarizarmo-nos com o assunto, sobretudo no sentido de constatarmos alguns “desvios” e, consequentemente, colocarmos em prática os conhecimentos adquiridos, analisemos:

Desejamos uma sociedade onde prevaleça mais igualdade e menos injustiça X Desejamos uma sociedade na qual prevaleça mais igualdade e menos injustiça.

O termo “onde” não se adéqua ao discurso, visto que sintaticamente falando ele exerce a função de adjunto adverbial de lugar. Portanto, o correto é optarmos pela segunda alternativa, pois o pronome relativo “na qual” cumpre suas reais funções, ou seja, a de substituir seu antecedente (o substantivo “sociedade”).

Márcia penteou seus cabelos X Márcia penteou os cabelos.

O emprego do pronome possessivo implica tão somente em uma redundância, haja vista que a ideia de posse já está explícita, pois os cabelos pertencem ao praticante da ação (no caso, Márcia). Assim sendo, o correto é utilizarmos a segunda opção.

Este é seu amigo X Esse é seu amigo.

Temos que o pronome demonstrativo “este” indica algo que está próximo à pessoa que fala, e o pronome “esse”, próximo à pessoa com quem se fala. Logo, o correto é dizermos : Esse é seu amigo.

O uso da expressão o (a) mesmo (a) em detrimento ao emprego de um pronome:


Não toque neste aparelho, pois o mesmo está com defeito X Não toque neste parelho, pois ele está com defeito.

O uso da expressão o (a) mesmo (a) em detrimento ao emprego de um pronome é considerada errônea, visto que nesse caso o ideal é optarmos por utilizá-lo, pois assim estabeleceríamos a correta atribuição, constatando-se como verdadeira a segunda alternativa.

Eu o amo X Eu lhe amo

Este caso é um típico exemplo relacionado à transitividade verbal, uma vez que o emprego do pronome está a ela associada. De tal modo, o verbo amar classifica-se como transitivo direto, pois quando amamos, amamos alguém, sem o uso da preposição. Certo é dizermos: Eu o amo.

Isto é para eu fazer X Isto é para mim fazer

Quando analisada, a oração nos revela que “eu” é o sujeito desta, e se encontra anteposto a um verbo no infinitivo. Logo, o pronome oblíquo não funciona como sujeito, e sim como complemento, como por exemplo: As encomendas foram entregues para mim. Portanto, tem-se como correta a expressão: Isto é para eu fazer.

Por Vânia Duarte
Graduada em Letras

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
Publicado por Vânia Maria do Nascimento Duarte

Artigos Relacionados

As funções sintáticas desempenhadas pelos pronomes retos se manifestam de formas distintas
Funções sintáticas dos pronomes retos
As funções sintáticas dos pronomes retos representam as funções que eles desempenham dentro de um contexto oracional.
Pronomes Indefinidos e Interrogativos
Definição e emprego dos pronomes indefinidos e interrogativos.
video icon
Filosofia
Niilismo
Niilismo é um movimento intelectual, estético e existencial que surge no século XVIII e perdura até os dias atuais. A essência mais remota do niilismo o associa à substituição do que é socialmente estabelecido, ou do que supostamente daria sentido à vida, pelo nada, pois supostamente não haveria um sentido. Assista a nossa aula e descubra o que é niilismo.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Videoaula Brasil Escola
Inglês
Genitive Case
É hora de aperfeiçoar sua gramática na Língua Inglesa. Assista!
video icon
Videoaula Brasil Escola
Sociologia
Democracia racial
Você sabe o que significa democracia racial? Clique e nós te ensinamos!
video icon
Tigres Asiáticos
Geografia
Tigres Asiáticos
Assista à nossa videoaula sobre os Tigres Asiáticos, e conheça as razões do desenvolvimento rápido desses territórios.