Whatsapp icon Whatsapp

Fábricas e o tempo do relógio

Nas sociedades industriais, o “tempo é dinheiro”
Nas sociedades industriais, o “tempo é dinheiro”

Com a acentuação da industrialização propiciada pela Segunda Fase da Revolução Industrial, no século XIX, e a inserção de novas tecnologias no meio social (trem a vapor, barco a vapor, automóvel, telefone, entre outros), os países europeus (principalmente a Inglaterra, a França e a Alemanha) tiveram uma modificação em suas paisagens urbanas com a inserção de um número cada vez maior de fábricas e operários, juntamente com o rápido crescimento das cidades.

As transformações aconteceram na esfera urbana e no cotidiano das cidades. As fábricas trouxeram uma nova maneira de usar o tempo: o chamado “tempo das fábricas”, isto é, o tempo do relógio, das horas, permeado pelas relações de produção nas fábricas, onde prevaleceu o tempo do trabalho, da alimentação e do descanso.

Antes do surgimento das fábricas, as pessoas não conviviam com o tempo normatizado do relógio; e as orientações temporais eram realizadas pelas observações naturais (pelo Sol e estações do ano).

Portanto, com o surgimento das fábricas, e a partir da necessidade de controlar o tempo da produção de mercadorias, o controle social do tempo passou a ser efetivado para regular o trabalho dos operários nas fábricas. Foi assim que surgiu o “tempo do relógio”.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O tempo da sociedade foi regularizado com a divisão dos dias em 24 partes iguais. A nova concepção de tempo foi confirmada e efetivada primeiramente nas cidades. Dessa maneira, com o desenvolvimento urbano, permitiu-se o controle do uso do tempo, ou seja, com as práticas comerciais, a organização da vida passou a ser ritmada pelas horas.   

Com isso, o relógio consolidou-se como forma de organizar e regular o tempo. Contudo, em algumas sociedades prevaleceu o tempo da igreja, guiado pelo sino, pela oração e pela calma e longa duração; ao contrário do tempo laico, prevalecente nas sociedades industriais, onde o tempo é organizado matematicamente pelo relógio e movimentado pelos negócios industriais e comerciais. A partir de então surgiram as expressões: “Tempo é dinheiro”, “O tempo é precioso” e “É preciso ganhar tempo”.

O relógio passou a ser o elo entre o tempo e a sociedade industrial. Além disso, regulou a vida privada e pública das populações inseridas nesse processo.

Publicado por Leandro Carvalho
video icon
Professora ao lado do texto"Verbos dicendi".
Português
Verbos dicendi
Dizer, falar, gritar, responder são verbos dicendi, ou seja, palavras que apresentam a maneira pela qual uma pessoa se expressa. Assista a esta videoaula para aprender um pouco mais sobre essa classificação!