Whatsapp icon Whatsapp

O colapso da Liga das Nações

Uma charge da época questionando a força que a Liga das Nações teria para manter a paz no mundo.
Uma charge da época questionando a força que a Liga das Nações teria para manter a paz no mundo.

Dado o fim da Primeira Guerra Mundial (1914 – 1918), as nações envolvidas nesse conflito se reuniram a fim de discutir as melhores alternativas para se chegar a um acordo definitivo. Entre outras várias decisões, os tratados firmados no pós-guerra estabeleceram a criação da chamada Liga das Nações. Em suma, a Liga era um órgão de natureza internacional fundado com o objetivo de arbitrar os conflitos entre as nações do mundo e empregar todos os esforços possíveis para a manutenção da paz mundial.

Em um primeiro instante, percebemos que a decisão seria benéfica e que o êxito de um organismo como este seria útil para que as mazelas vividas na Primeira Guerra não viessem a acontecer mais uma vez. Isso em tese, pois, na prática, a Liga das Nações não refletia em nada a situação política vivenciada naqueles tempos. Afinal de contas, outros acordos da mesma época serviram para aguçar as diferenças entre aqueles que venceram e os que perderam com a Grande Guerra.

A prova maior do fracasso desse organismo foi a própria ascensão dos regimes totalitários no continente europeu. Céticas em relação aos benefícios do liberalismo e da democracia, tais nações acreditavam que as humilhações vividas após a Primeira Guerra Mundial só seriam sanadas com o fortalecimento de suas forças militares e a conquista de novos territórios. Na verdade, por trás desse discurso expansionista, se acobertava a revanche contra os vencedores da Primeira Guerra Mundial.

O primeiro sinal da fragilização da Liga das Nações foi observado quando, em 1931, o governo japonês realizou a ocupação do território da Manchúria, originalmente controlado pela China. Em um primeiro momento, o organismo internacional se manifestou contra a ação imperialista do governo japonês. Em resposta, o Japão colocou em descrédito a legitimidade do órgão ao sustentar sua presença na China, ocupando outras regiões da Ásia e do Pacífico, e anunciando a sua saída da Liga das Nações.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Na Alemanha, a ascensão de Adolf Hitler no governo do país determinou outros eventos que agravariam ainda mais a inapetência da Liga. A partir de 1935, descumprindo as sanções impostas pelo Tratado de Versalhes, o governo nazista voltou a fomentar a sua indústria de armas e a estabelecer o alistamento militar obrigatório. Pouco tempo depois, realizou a reintegração dos territórios do Sarre e ocupou a Renânia. A França, país vizinho destes territórios e um dos membros centrais da Liga, nada fez a respeito.

No mesmo período, o governo fascista do líder italiano Benito Mussolini impôs a invasão dos territórios da Abissínia, atual Etiópia. Ainda tentando exercer autoridade, a Liga das Nações decretou uma série de sanções econômicas contra os italianos enquanto a ocupação fosse mantida. Ao saber do ocorrido, Adolf Hitler ofereceu um programa de auxílio econômico para os italianos. Mais uma vez, o poder de atuação política da Liga era completamente ignorado.

O mais grave golpe se deu com o desenvolvimento da Guerra Civil Espanhola (1936 - 1939), momento em que italianos e nazistas apoiaram as forças do general Franco contra os defensores da democracia naquele país. Naquele instante, ficava claro que a Liga das Nações não teria competência alguma para evitar o revanchismo das nações totalitárias ou preservar a paz mundial. A despeito da organização, a Segunda Guerra Mundial já estava a caminho.

Por Rainer Sousa
Mestre em História
Equipe Mundo Educação

Publicado por Rainer Gonçalves Sousa

Artigos Relacionados

”Auto-retrato” de Coubert, a representação dos sentimentos na arte do século XIX.
Arte, ciência e literatura no século XIX
Artes, ciência, literatura, século XIX, Charles Darwin, Química, Matemática, Física, cientista, progresso da ciência, Romantismo, Parnasianismo, Realismo, Naturalismo, Art Noveau, sistema dodecafônico, cinematógrafo, Lumière.
A Revolução Francesa teve como grande marco a Queda da Bastilha, que aconteceu no dia 14 de julho de 1789.
Revolução Francesa
Clique e acesse este texto para ter informações sobre a Revolução Francesa, um dos maiores e mais relevantes acontecimentos da história da humanidade.
video icon
Português
Fagundes Varela
Nesta videoaula, você conhecerá um pouco mais sobre a vida de Fagundes Varela, um dos escritores brasileiros mais importantes do século XIX. Confira nossa análise!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Videoaula Brasil Escola
Matemática
Área da esfera
Clique para aprender a calcular a área da esfera.
video icon
Videoaula Brasil Escola
Inglês
Estrangeirismo
Nessa videoaula você entende sobre o estrangeirismo na música "Samba do Approach."
video icon
videoaula brasil escola
História
Crise de 1929
A quebra da bolsa de valores de Nova Iorque afetou não só os EUA, como o mundo. Entenda!