Raios X

Os raios X foram descobertos pelo físico alemão Wilhelm Konrad Röentgen (1845-1923), no final de 1895. Na noite de 8 de novembro desse mesmo ano, esse cientista trabalhava com raios catódicos, que anteriormente haviam sido descobertos por Crookes. Em um dado momento, Röentgen percebeu que uma folha de papel tratada com platinocianeto de bário emitia luz – e até mesmo o lado que não estava revestido com o platinocianeto também brilhava.

Esse fato ocorreu mesmo com a ampola de Crookes estando coberta por uma cartolina negra. Ao investigar mais a fundo, para entender a origem dessa luminosidade, Röentgen colocou vários objetos entre a ampola e a tela e observou que todos pareciam ficar transparentes – e qual não foi sua surpresa quando viu os próprios ossos da mão na tela.

Em 28 de dezembro de 1895, ele entregou um relatório para a Sociedade Físico- Médica de Würzburg, Alemanha, descrevendo suas descobertas e indicando que os raios X surgiam na região da ampola de descarga onde os raios catódicos colidem com a parede de vidro.

Visto que considerava esses raios ainda muito enigmáticos, ele denominou-os de Raios X.

A primeira radiografia realizada no mundo foi a da mão de uma senhora de 79 anos, na qual é possível visualizar um anel no dedo anular. Essa radiografia é mostrada abaixo juntamente com a imagem de Röentgen:

Röentgen e a primeira radiografia realizada no mundo

Vários cientistas então começaram a investigar esses novos raios que podiam mostrar o corpo humano por dentro e que representavam uma extraordinária evolução, principalmente para o campo da medicina. Até que os cientistas Max von Laue, Friedrich e Knipping explicaram que os raios X eram resultado da colisão de raios catódicos (elétrons) contra os elétrons do cátodo. Não sendo como as radiações alfa, beta e gama, que são de origem nuclear.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Atualmente, sabe-se que os raios X também podem ser produzidos por saltos de elétrons em regiões próximas ao núcleo dos átomos ou pelo choque de elétrons com anteparos duros (que foi o que ocorreu no tubo de raio catódico do experimento de Röentgen).

Assim, é possível definir os raios X da seguinte forma:

Definição de raios X

Veja no espectro eletromagnético abaixo a localização das ondas eletromagnéticas dos raios X:

Raios X no espectro eletromagnético

Os raios X são um tipo de radiação de alta energia, com capacidade de penetrar em organismos vivos e atravessar tecidos de menor densidade. Ele é absorvido pelas partes mais densas do corpo, como os ossos e os dentes. Em razão dessa característica, o principal uso dos raios X é em radiografias para diagnóstico médico. Mas ele também é usado industrialmente, para observar a estrutura interna de objetos, procurando ver se há falhas em sua estrutura.

Essa capacidade de penetrar nos nossos tecidos faz dos raios X um perigo em potencial, pois a exposição prolongada a eles pode levar à formação de células cancerígenas. Por isso, pessoas que trabalham com radiografias usam aventais de chumbo (que não permitem que essas radiações atravessem) e se mantêm longe no momento do disparo.

Avental de chumbo para proteger contra raios X

Além disso, é recomendável que a mulher em idade fértil só se exponha aos raios X quando estiver menstruada, pois, caso o contrário, pode correr o risco de estar grávida e, assim, colocaria o feto em perigo.

Radiografia colorizada em computador
Radiografia colorizada em computador
Publicado por: Jennifer Rocha Vargas Fogaça
Assuntos relacionados
Chaveiro contendo o elemento radioativo trítio.
Descoberta da meia vida
Capacidade dos elementos de emitir radiação.
Os pósitrons são partículas expulsas do núcleo de radioisótopos com elevado número de prótons
Pósitrons
Nesse texto, você conhecerá a constituição das emissões radioativas artificiais denominadas pósitrons, como ocorreu sua descoberta e qual a sua principal aplicação hoje.
Cada raio carrega consigo, em média, 109 Joules, o equivalente a 300 kWh de energia
Fatos curiosos sobre os raios
Veja algumas curiosidades sobre os raios, as descargas elétricas atmosféricas que nos fascinam e assustam ao mesmo tempo.
A radiação ionizante é capaz de arrancar os elétrons de átomos e moléculas.
Radiação ionizante
Radiação ionizante é uma forma de radiação corpuscular ou eletromagnética que transporta uma quantidade de energia suficiente para remover os elétrons mais próximos dos núcleos atômicos. Leia este texto e conheça as propriedades, riscos e potenciais usos da radiação ionizante.
Marie Curie
Saiba quem foi Marie Curie, cientista pioneira nos estudos da radioatividade e única mulher a ganhar duas vezes o Prêmio Nobel. Conheça aqui a sua trajetória!