Ludismo

O ludismo foi um movimento que ocorreu na Inglaterra durante o século XVIII, onde os ludistas quebravam as máquinas como forma de protesto frente as más condições de trabalho.

Ao observarmos a Revolução Industrial, temos o início de uma era marcada pelo grande desenvolvimento das tecnologias. A cada dia, novas máquinas facilitavam os processos de produção, reduziam custos e ampliavam a quantidade de riqueza fabricada. De fato, podemos ver nessa experiência histórica um momento nunca antes vivido no desenvolvimento da economia.

Contudo, em meio a tanta riqueza, vemos que essa nova situação se contrastava com a situação miserável dos vários operários que trabalhavam nos centros fabris. Essa situação contraditória, em pouco tempo passou a ser percebida por vários trabalhadores que trocavam o extensivo uso de sua força de trabalho por salários que não supriam suas necessidades materiais elementares.

Em muitos casos, essa situação era explicada pelo fato das fábricas reduzirem sensivelmente a demanda por mão de obra, graças ao uso das máquinas. Nesse contexto, se organizava uma grande massa de desempregados que se sujeitava a um pagamento baixo mediante a falta de empregos e a grande disponibilidade de trabalho. Aos poucos, alguns trabalhadores responderam a essa deplorável realidade.

Nos fins do século XVIII, corria o boato de que um enfurecido operário britânico chamado Ned Ludd certa vez havia quebrado as máquinas de seu patrão. Mesmo não tendo comprovação, a história serviu de inspiração para vários operários que viam nas máquinas a razão de sua condição de miséria. Nascia assim, na Inglaterra, o Ludismo ou Movimento Ludita.

Os luditas geralmente agiam secretamente, endereçando cartas anônimas aos seus patrões exigindo o fim do uso das máquinas que restringiam a oferta de emprego. Muitas vezes, organizavam grupos que invadiam fábricas e depredavam todas as máquinas presentes. Enquanto a destruição acontecia, uma massa de operários e desempregados aprovava a ação com gritos de apoio e calorosas palmas.

A reação das autoridades inglesas contra esses levantes foi marcada por vários conflitos entre os policiais e os trabalhadores. Finalmente, no ano de 1812, o Parlamento Britânico aprovou a Frame Braking Act, lei que punia a quebra de máquinas com a pena de morte. Dessa forma, observamos que a rebelião ludita causou impacto significativo e determinou uma experiência de oposição entre o homem e a tecnologia.

Apesar de não carregar um conteúdo ideológico, os luditas foram de suma importância para que o molde de desenvolvimento do capitalismo fosse questionado. Afinal de contas, qual relação garantia que o surgimento de tantas máquinas traria reais benefícios à coletividade? Ainda hoje, deslocada para o contexto da questão ambiental, essa mesma questão preocupa ambientalistas e estudiosos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

A quebra de máquinas era a mais recorrente manifestação do ludismo.
A quebra de máquinas era a mais recorrente manifestação do ludismo.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
Protesto de trabalhadores alemães que foi organizado durante as comemorações do Dia do Trabalhador*
1º de maio - Dia do Trabalhador
Saiba a história do Primeiro de Maio, conhecido como o Dia do Trabalhador. Descubra as origens dessa comemoração internacional, instituída como feriado em vários países e realizada em homenagem às lutas dos trabalhadores. Conheça também algumas informações sobre a relevância dessa data no Brasil.
Ilustração de revoltosos ludistas destruindo maquinário de uma indústria têxtil
Ludismo
O ludismo lutava contra a tecnologia ou contra a precarização das condições de vida? Saiba a resposta aqui!
O processo que afasta o trabalhador do valor da riqueza que ele produz.
A alienação do trabalhador na Era Industrial
O processo que afasta o trabalhador do valor da riqueza que ele produz.
À esquerda, Frederick Taylor; e à direita, Henry Ford. Ao fundo, a linha de montagem na fábrica de automóvel Ford
Transformações no mundo do trabalho
Veja mais sobre as transformações do mundo do trabalho no século XIX influenciadas pelas ideias de Frederick Taylor, que implantou o taylorismo na linha de produção das fábricas.
A industrialização no século XVIII utilizou de novas tecnologias de produção
Trabalho infantil no início da Revolução Industrial
Através do trabalho infantil na Revolução Industrial, o capitalismo ergueu um império de milhares de fábricas pela Europa nos séculos XVIII e XIX.
Movimento operário no século XIX: à esquerda, o anarquista Bakunin; e à direita, o comunista Marx
Movimento operário no século XIX
Saiba como, através da acentuação da industrialização, no século XIX, surgiram, no movimento operário, o anarquismo e o comunismo como formas de reivindicação dos trabalhadores por seus direitos.