Whatsapp icon Whatsapp

Segunda Revolução Industrial

Segunda Revolução Industrial ocorreu do século XIX ao XX e expandiu-se para além da Inglaterra. Caracterizou-se pelo uso do petróleo e da eletricidade como fonte de energia.
Representação de uma indústria metalúrgica no final do século XIX.
Representação de uma indústria metalúrgica no final do século XIX.

A Segunda Revolução Industrial foi o período de avanço das inovações técnicas e produtivas no setor industrial que teve lugar entre a segunda metade do século XIX, a partir de 1850 aproximadamente, e o início do século XX. Suas características são observadas em outros países além da Inglaterra, como:

Utilizou-se da energia elétrica e do petróleo como fontes de energia, sendo o aço uma das principais matérias-primas. A partir de então, teve-se o aprimoramento de uma série de setores industriais e o surgimento de novas indústrias, o que refletiu de forma direta no sistema econômico, no ordenamento territorial e na vida cotidiana.

Resumo sobre a Segunda Revolução Industrial

  • A Segunda Revolução Industrial aconteceu entre meados do século XIX e a primeira metade do século XX até o início da Segunda Guerra Mundial;

  • Abrangeu mais países, como Alemanha, França, Bélgica, Itália, Holanda, Japão e Estados Unidos.

  • A eletricidade e o petróleo foram as principais fontes de energia, e o aço, uma das matérias-primas mais importantes.

  • Houve o surgimento de grandes empresas, como a metalúrgica, siderúrgica e automobilística, e aperfeiçoamento de outras, como a química.

  • Possuiu relação direta com o imperialismo, inicialmente em busca de matérias-primas e mercado consumidor e culminando no processo de neocolonialismo;

  • Algumas de suas principais invenções foram os motores à combustão e elétrico, materiais sintéticos, meios de comunicação, como o telégrafo, e ferrovias;

  • Foram algumas de suas consequências: aumento da produtividade na indústria e na agricultura, maior variedade de mercadorias, racionalização do trabalho (fordismo e taylorismo), surgimento do capitalismo financeiro, e crescimento das áreas urbanas.

  • No Brasil, os signos da Segunda Revolução Industrial passaram a propagar-se a partir da década de 1930.

Leia também: Quais são os tipos de industrialização?

O que foi a Segunda Revolução Industrial?

A Segunda Revolução Industrial foi o período histórico caracterizado pela continuidade do processo de industrialização que teve início no século XVIII na Inglaterra. A partir de meados do século XIX, houve a ampliação tanto da escala territorial quanto do aparato tecnológico empregados nas novas indústrias, o que refletiu diretamente na produção e produtividade, na organização do trabalho nas unidades fabris e na forma de acumulação do capital.

  • Principais características da Segunda Revolução Industrial

A Segunda Revolução Industrial teve início em meados do século XIX e perdurou até a primeira metade do século XX, quando teve início a Segunda Guerra Mundial. As inovações tecnológicas que surgiram nesse período propagaram-se para outros países além da Inglaterra, sendo eles: Alemanha, França, Bélgica, Itália, Holanda, Japão e Estados Unidos.

Novas fontes de energia foram incorporadas ao processo produtivo e ampliaram, assim, a capacidade das fábricas. Foram elas o petróleo e a energia elétrica, que até então era utilizada somente em pesquisas e experimentos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A adoção das novas fontes de energia com custos mais baixos permitiu a incorporação de máquinas e, portanto, o início da automação da produção fabril, levando à reorganização do processo produtivo. Ressalta-se, entretanto, que a adoção de máquinas em substituição ao trabalho braçal ganhou mais força no período subsequente, na Terceira Revolução Industrial.

Diante desse cenário, surgiram diferentes teorias a respeito da racionalização do trabalho e otimização da produção, como o fordismo e o taylorismo.

O aço passou a ser utilizado como matéria-prima, dando origem, assim, a grandes metalúrgicas e siderúrgicas. A logística e os transportes foram alguns dos beneficiários dessa inovação, sobretudo a partir da construção de estradas de ferro, navios, estruturas portuárias e do surgimento da indústria automobilística.

A Segunda Revolução caracterizou-se, ainda, pelo maior desenvolvimento da indústria química, responsável por produtos derivados do petróleo, fertilizantes e medicamentos.

O uso de eletricidade foi uma das inovações desse período. Na imagem, o primeiro gerador elétrico, construído por Nikola Tesla e George Westinghouse.
O uso de eletricidade foi uma das inovações desse período. Na imagem, o primeiro gerador elétrico, construído por Nikola Tesla e George Westinghouse.

Causas da Segunda Revolução Industrial

Atribui-se à eclosão de uma série de revoluções atreladas à crescente burguesia europeia as causas da Segunda Revolução Industrial, quando houve o desenvolvimento e fortalecimento de novos ideais econômicos, como o liberalismo.

Esse período estendeu-se desde o século XVII, na Inglaterra, com as consequências da Revolução Gloriosa para a burguesia e para a economia de modo geral, com grandes investimentos sendo feitos na produção e no aprimoramento tecnológico. A partir do século XVIII, o movimento filosófico do iluminismo passou a fundamentar os ideais das principais transformações de cunho econômico e social que tiveram lugar na Europa da época.

Proveniente da Primeira Revolução Industrial, a acumulação de capitais e a formação de uma nova estrutura econômica permitiram um maior volume de investimentos no desenvolvimento de novas tecnologias produtivas e na busca de métodos mais baratos de produção, garantindo, assim, a ampliação dos lucros. Adentrava-se, portanto, na Segunda Revolução Industrial.

Veja também: Neoliberalismo – doutrina econômica que propõe uma nova leitura do liberalismo econômico

Segunda Revolução Industrial e o imperialismo

O imperialismo do século XIX esteve intrinsecamente ligado ao avanço da Segunda Revolução Industrial e à multiplicação das grandes empresas nos países industrializados, bem como à acumulação de capitais decorrentes desse processo.

Inicialmente, as nações industrializadas voltaram-se para o exterior em busca da ampliação do mercado consumidor e de novas fontes de matérias-primas para o suprimento da indústria doméstica. Sendo assim, voltaram-se para os países da Ásia, da Oceania e principalmente da África.

Os interesses econômicos rapidamente adquiriram caráter político e ideológico, razão pela qual o imperialismo é também denominado neocolonialismo. Destaca-se a realização da Conferência de Berlim entre 1884 e 1885, quando houve a partilha do continente africano entre os países industrializados da Europa, constituindo-se as colônias.

Consequências da Segunda Revolução Industrial

A Segunda Revolução Industrial acarretou uma série de consequências que abrangem desde a organização territorial até a vida cotidiana da população dos países industrializados.

O processo contínuo de acumulação do capital e de transformação da indústria, que condicionou a formação dos monopólios e oligopólios, deu origem ao capitalismo financeiro.

Em se tratando da produção, a maior eficácia derivada da automatização dos processos elevou a produtividade das indústrias e proporcionou um maior volume de mercadorias que chegavam ao público. Esse, por sua vez, teve a sua disposição uma grande variedade de produtos.

A agricultura também se beneficiou das inovações tecnológicas do período, com fertilizantes e adubos que proporcionaram ganhos produtivos.

Houve, também, o avanço da urbanização, caracterizada tanto pelo êxodo rural quanto pela construção de novas estruturas essencialmente urbanas no espaço. Exemplos são as ferrovias e as redes de transmissão de energia elétrica. O início da automação da produção, por outro lado, trouxe o desemprego e, por conseguinte, aumento da pobreza urbana.

Invenções da Segunda Revolução Industrial

A Segunda Revolução Industrial resultou em uma série de invenções, dentre as quais se destacam:

  • Motor à combustão e elétrico;

  • Lâmpada incandescente;

  • Trens a vapor e ferrovias;

  • Navios de aço;

  • Automóvel;

  • Telégrafo, telefone, televisão;

  • Dínamo elétrico;

  • Plásticos, lubrificantes, e outros produtos sintéticos derivados do petróleo;

  • Fertilizantes e adubos.

O telégrafo é uma das invenções da Segunda Revolução Industrial.
O telégrafo é uma das invenções da Segunda Revolução Industrial.

Brasil da Segunda Revolução Industrial

Enquanto a Segunda Revolução Industrial estava em curso, o Brasil dava os primeiros passos no sentido da industrialização e da modernização produtiva.

Durante o final do século XIX e início do XX, o país vivia o ciclo do café, passando do seu momento de maior importância para a fase de declínio, findando na década de 1930. O período foi marcado pela grande acumulação de capitais e pelo início da história ferroviária do país bem como do processo de industrialização no território nacional.

Considerando-se os elementos que caracterizaram a Segunda Revolução Industrial, essa fase chegou à economia brasileira a partir da década de 1930, na Era Vargas, com a crise cafeeira e a implantação da substituição das importações. Tem-se, a partir de então, o maior direcionamento de investimentos para o setor industrial e o desenvolvimento de setores como o da siderurgia e da exploração petrolífera.

Acesse também: Etapas e características da industrialização brasileira

Revolução Industrial

A Revolução Industrial consistiu no advento de novas tecnologias destinadas à produção e em métodos produtivos que resultaram em transformações profundas na estrutura econômica, social e até mesmo política, inicialmente, na Inglaterra, no século XVIII, e atingindo outros países a partir da segunda metade do século XIX.

A Primeira Revolução Industrial situou-se entre 1760 e 1850, tendo se restringido à Inglaterra. Destacou-se pela organização dos trabalhadores na unidade fabril e pelo advento da maquinofatura, com o surgimento da máquina a vapor, dos teares mecânicos e da máquina de fiar. A principal indústria do período era a têxtil.

A Terceira Revolução Industrial aconteceu a partir do final da Segunda Guerra Mundial até aproximadamente 1980. Ficou conhecida também como Revolução Técnico-Científica, marcada pelo aprimoramento das telecomunicações, da informática e da robótica, da eletrônica bem como da biotecnologia. O sistema de organização do trabalho e da produção passou a ser o toyotismo.

Identifica-se, por fim, uma Quarta Revolução Industrial, que diz respeito à aceleração das tecnologias da informação e da comunicação, com destaque para a inteligência artificial, robótica, nanotecnologias e correlacionados. A chamada Indústria 4.0 foca no aumento da vivência nos espaços virtuais e na maior integração entre os mundos digital e físico.

Exercícios resolvidos sobre a Segunda Revolução Industrial

Questão 1 – (UEA 2018) A Segunda Revolução Industrial, ao longo da segunda metade do século XIX, apresentou um marco que determinou os novos paradigmas do sistema socioeconômico capitalista. Esse marco foi:

A) a difusão do meio técnico-científico-informacional.

B) a acumulação primitiva de capitais.

C) a disseminação de trabalho assalariado.

D) a utilização do petróleo e da eletricidade.

E) a expansão das multinacionais e dos monopólios.

Resolução

Alternativa D. Uma das principais características da Segunda Revolução Industrial foi a utilização de novas fontes de energia, sendo essas a eletricidade e o petróleo.

Questão 2 – (Unesp) “A Exposição Internacional de Eletricidade foi aberta ao público no Palácio da Indústria em Paris, em agosto de 1881 […]. A maior parte dos aparelhos expostos resultaram de descobertas moderníssimas […]. O bonde que transporta os visitantes; as máquinas eletromagnéticas e o dínamo-elétrico em funcionamento; os focos luminosos brilhando; os telefones que nos permitem ouvir à distância representações de ópera — tudo isto é tão novo que nem sequer seu nome era conhecido cinco anos atrás.” (Revista A Natureza, 1881.)

As inovações mencionadas:

A) Resultaram dos investimentos em tecnologia e da criação dos cursos técnicos nas universidades europeias e norte-americanas.

B) Foram consequências da Segunda Revolução Industrial, que explorou novas fontes de energia e desenvolveu novos processos produtivos.

C) Ficaram restritas às camadas privilegiadas da sociedade, sem alterar o cotidiano da maioria dos habitantes da Europa.

D) Possibilitaram a autossuficiência dos países capitalistas adiantados e trouxeram dificuldades para os exportadores de produtos primários.

E) Determinaram a expansão dos regimes democráticos e iniciaram a difusão dos conhecimentos científicos em diferentes sociedades.

Resolução

Alternativa B. Os novos meios de comunicação e de transporte e as inovações produtivas atreladas à eletricidade são frutos da Segunda Revolução Industrial.

Publicado por Paloma Guitarrara

Artigos Relacionados

Geocentrismo e Heliocentrismo
As principais teorias sobre a ordenação do Sistema Solar.
Industrialização brasileira
Clique e veja como foi a industrialização brasileira. Entenda o desenvolvimento industrial do Brasil, as políticas públicas criadas e sua entrada na economia global.
Indústrias
Clique e veja o que são e como se classificam as indústrias. Entenda quais fatores atraem sua presença nas cidades e conheça as principais indústrias do mundo.
Neocolonialismo na África e a Conferência de Berlim
Saiba como foi o neocolonialismo na África, inicado pela partilha desse continente entre países europeus durante a Conferência de Berlim.
O interior da Terra
Conhecer o que existe no interior da Terra é um questionamento antigo, confira!
Sistemas agrícolas
Você sabe o que são sistemas agrícolas? Clique aqui, veja como funcionam os modelos extensivo e intensivo e qual deles é usado na agropecuária brasileira.
Taylorismo e Fordismo
Confira aqui os conceitos de taylorismo e fordismo e como foram criados.
Terceira Revolução Industrial
Aprenda mais sobre a Terceira Revolução Industrial. Descubra quando começou, quais foram os principais avanços desse período e o que é a Quarta Revolução.
video icon
"Fuga de cérebros no Brasil e no mundo" escrito em ilustração de um cérebro carregando malas para representar a ideia de fuga de cérebros
Geografia
Fuga de cérebros no Brasil e no mundo
Assista à videoaula e entenda o que é o fenômeno da fuga de cérebros. Conheça as causas da fuga de cérebros e como esse movimento se estabelece no Brasil e no mundo.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
videoaula brasil escola
Português
Redação
Entenda como realizar argumento por causa e consequência com a nossa aula.
video icon
videoaula brasil escola
Física
Aceleração centrípeta
Qual ação é exercida sobre o vetor velocidade? Descubra!
video icon
AI-5
História
AI-5
Que tal ficar por dentro de um dos Atos Institucionais mais famosos?