Teoria da Mais-valia

No século XIX, o desenvolvimento da economia capitalista foi capaz de determinar uma curiosa situação. Mesmo produzindo riquezas em um patamar astronômico, o capitalismo ainda estava cercado por desigualdades que indicavam a diferença social e econômica das classes burguesa e operária. Com isso, observamos que muitos intelectuais responderam a essa contradição com explicações ou propostas que resolveriam tal discrepância.

Entre esses intelectuais, o filósofo alemão Karl Marx apontou que esse abismo socioeconômico poderia ser explicado pela teoria da mais-valia. Segundo esse pensador, a miséria se perpetuava no mundo capitalista mediante os baixos salários oferecidos aos operários como um todo. Mais do que uma simples opção, o baixo salário era parte integrante dos instrumentos que garantiam os lucros almejados pela empresa.

Sendo assim, Marx indicou que o salário destinado a um trabalhador poderia ser pago com as riquezas que ele produz, por exemplo, ao longo de dez dias de um mês. Contudo, segundo o contrato de trabalho, o operário seria obrigado a cumprir os demais vinte dias restantes para receber o seu salário de forma integral. Dessa forma, o dono da empresa pagaria o valor equivalente a dez dias trabalhados e receberia gratuitamente a riqueza produzida nos vinte dias restantes.

Essa modalidade de “mais-valia” era reconhecida pelo pensamento econômico marxista como a “mais-valia absoluta”. Paralelo a esse tipo de exploração, ocorria a “mais-valia relativa”, instalada pelo processo de modernização tecnológico do ambiente fabril. Nesse caso, o trabalhador adequava o exercício de suas funções ao uso de um novo maquinário capaz de produzir mais riquezas em um período de tempo cada vez menor.

Nesse caso, o trabalhador recebia o mesmo salário para desempenhar uma função análoga ou, em alguns casos, ainda mais simples. Graças à nova máquina ou técnica de produção utilizada, o dono da empresa necessitava de um número de dias ainda menor para cobrir o custo com o salário do trabalhador. Assim, ficava sendo necessários, por exemplo, apenas cinco dias trabalhados para que ele pudesse pagar pelo mesmo salário mensal que devia ao seu empregado.

A exposição dessa teoria foi um dos meios pelos quais Karl Marx provou que as relações de trabalho no mundo capitalista tinham caráter exploratório. Dessa forma, ele condensava mais um argumento favorável à oposição de interesses existentes na relação entre burguesia e proletariado. Além disso, essa mesma tese serviu de base para que vários operários lutassem pela obtenção de melhores salários e condições mais dignas de trabalho.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Marx fundamentou uma tese que comprovava a exploração da força de trabalho.
Marx fundamentou uma tese que comprovava a exploração da força de trabalho.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
Derby Silk Mill, antiga fábrica que produzia tecidos de seda às margens do Rio Derwent, em Derby, Inglaterra
Pioneirismo inglês na Revolução Industrial
Clique e conheça as razões que explicam o pioneirismo inglês na Revolução Industrial.
Movimento operário no século XIX: à esquerda, o anarquista Bakunin; e à direita, o comunista Marx
Movimento operário no século XIX
Saiba como, através da acentuação da industrialização, no século XIX, surgiram, no movimento operário, o anarquismo e o comunismo como formas de reivindicação dos trabalhadores por seus direitos.
O atual design da moeda brasileira conta com notas de tamanhos e cores diferentes
Como surgiu o dinheiro?
Entenda como surgiu o dinheiro e como sua fabricação é regulada pelo governo!
Friedrich Engels
Saiba mais sobre Friedrich Engels conferindo sua vida, teoria e obras, que influenciaram não só a produção teórica das Humanidades, mas a geopolítica do século XX.
O processo que afasta o trabalhador do valor da riqueza que ele produz.
A alienação do trabalhador na Era Industrial
O processo que afasta o trabalhador do valor da riqueza que ele produz.
O desenvolvimento da industrialização criou a dicotomia entre capitalistas e trabalhadores: Exploradores X Explorados
Industrialização e trabalho
Saiba mais sobre o processo de industrialização mundial, a ascensão das tecnologias e a situação da classe trabalhadora desde o século XVIII até o XXI.