Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Idade Moderna
  4. Tráfico negreiro transatlântico

Tráfico negreiro transatlântico

O tráfico negreiro transatlântico envolveu várias nações modernas e foi um dos pilares da atividade de exploração das riquezas do continente americano.

Uma das características mais importantes das modernas civilizações europeias, formadas a partir do século XV, como Portugal e Espanha, foi a participação no sistema econômico mercantilista, que dava as diretrizes para o funcionamento da exploração das riquezas naturais descobertas no continente americano, da produção monocultura dos grandes latifúndios, também montados no “novo mundo”, e da mão de obra usada nessas explorações. No que se refere a esse último item, a escravidão de africanos sustentou esse sistema. Para compreendermos a importância que o trabalho escravo teve no contexto da Idade Moderna e em parte da Idade Contemporânea, é necessário sabermos como funcionava o tráfico negreiro transatlântico.

A mão de obra escrava negra utilizada no continente americano estava intimamente associada ao tráfico negreiro intercontinental, no qual a “mercadoria humana” era em grande parte negociada nos portos africanos e enviada para os portos americanos nos porões de navios que cruzavam o oceano Atlântico em condições deploráveis. O tráfico era estimulado não apenas por conta da necessidade da mão de obra, mas também porque o próprio mercado escravagista, em si mesmo, era muito lucrativo.

No caso específico dos negros vindos para o Brasil, há que se destacar as preferências do Império Português por certas procedências, como Angola, Guiné e Costa da Mina, como diz o historiador Boris Fausto, em seu livro “Historia do Brasil”:

A região de proveniência dependeu da organização do tráfico, das condições locais na África e, em menor grau, das preferências dos senhores brasileiros. No século XVI, a Guiné (Bissau e Cacheu) e a Cosa da Mina, ou seja, quatro portos ao longo do litoral do Daomé, forneceram o maior número de escravos. Do século XVII em diante, as regiões mais ao sul da costa africana – Congo e Angola – tornaram-se os centros exportadores mais importantes, a partir dos portos de Luanda, Benguela e Cabina. Os angolanos foram trazidos em maior número no século XVIII, correspondendo, ao que parece, a 70% da massa de escravos trazidos para o Brasil naquele século. [1]

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Em sua resenha do livro Atlas of the transatlantic slave trade, de David Eltis e David Richardson, o pesquisador Carlos Silva Jr. examina as descrições dos principais portos que recebiam os escravos nas Américas, como pode ser lido abaixo:

Seis em cada dez nativos alcançaram as Américas através de seus sete principais portos. Rio de Janeiro e Salvador aparecem nas primeiras posições dessa funesta lista, seguidos do Recife, Kingston (Jamaica), Bridgetown (Barbados), Havana e Saint Domingue. Mais ainda: três quartos dos cativos chegaram através de apenas vinte portos. Há ainda o tráfico intra-americano, conhecido entre nós como “terceira perna do tráfico”. Um em cada quatro africanos que sobreviveram à travessia do Atlântico teve de enfrentar uma jornada adicional até seu derradeiro destino. Apesar do Rio de Janeiro superar Salvador como principal porto negreiro das Américas, essa primazia só aconteceu no século XIX. Até 1790, Salvador superava o Rio de Janeiro nas chegadas de africanos […], mas um grande número dos escravos que aí desembarcavam, principalmente no século XVIII, seguia para Minas Gerais via Rio de Janeiro. [2]

É importante ressaltar que o Império Português e as demais potências marítimas da época compravam os escravos dos poderosos reinos africanos, que já praticavam a escravização de seus conterrâneos há séculos. Os escravos vendidos eram, em parte, prisioneiros de guerra de outros africanos. Além disso, dentro do comércio de tráfico internacional de escravos negros, também estava o Império Otomano, que dominava todo o norte africano.

NOTAS

[1] FAUSTO, Boris. História do Brasil. Universidade de São Paulo: São Paulo, 2013. p. 47.

[2] SILVA JR, Carlos. “Mapeando o tráfico transatlântico de escravos”. Afro-Ásia [online]. 2012, n.45 [2016-02-29], p. 182.

O tráfico negreiro transatlântico durou mais de 300 anos
O tráfico negreiro transatlântico durou mais de 300 anos
Publicado por: Cláudio Fernandes
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Lista de Exercícios

Questão 1

É correto dizer que o tráfico negreiro transatlântico contou, em grande parte, com a participação decisiva:

a) dos nativos africanos que, voluntariamente, ofereciam-se ao processo de escravidão.

b) dos poderosos reinos africanos, que já praticavam a escravidão há séculos.

c) dos poderosos reinos pré-colombianos, que já haviam dado início à escravização de africanos antes mesmo do descobrimento da América.

d) dos chineses, que também tinham interesse no uso da mão de obra escrava negra em suas plantações de soja.

e) dos japoneses, que também tinham interesse no uso da mão de obra escrava negra em suas plantações de arroz.

Questão 2

(FATEC) Em 4 de setembro de 1850, foi sancionada no Brasil a Lei Eusébio de Queirós (ministro da Justiça), que abolia o tráfico negreiro em nosso país. Em decorrência dessa lei, o governo imperial brasileiro aprovou outra, "a Lei de Terras".

Dentre as alternativas a seguir, assinale a correta.

a) A Lei de Terras facilitava a ocupação de propriedades pelos imigrantes que passaram a chegar ao Brasil.

b) A Lei de Terras dificultou a posse das terras pelos imigrantes, mas facilitou aos negros libertos o acesso a elas.

c) O governo imperial, temendo o controle das terras pelos coronéis, inspirou-se no "Act Homesteade" americano, para realizar uma distribuição de terras aos camponeses mais pobres.

d) A Lei de Terras visava a aumentar o valor das terras e obrigar os imigrantes a vender sua força de trabalho para os cafeicultores.

e) O objetivo do governo imperial, com esta lei, era proteger e regularizar a situação das dezenas de quilombos que existiam no Brasil.

Mais Questões
Assuntos relacionados
A abolição da escravatura aconteceu em 1888, mas alguns estados brasileiros, como o Amazonas, aboliram a escravidão em 1884.*
Abolição da escravatura
Clique aqui para saber mais como ocorreu o processo de abolição da escravatura, que aconteceu em 1888. Entenda como se mobilizou o movimento abolicionista.
A cidade de Salvador foi palco da maior revolta de escravos da história do Brasil.
Revolta dos Malês
Acesse o texto para saber mais sobre a Revolta dos Malês, revolta organizada por nagôs e haussás em Salvador em 1835. Conheça os líderes e o desfecho dessa revolta.
As leis abolicionistas promoveram a abolição gradual, conforme desejavam as elites econômicas do Brasil.
Leis abolicionistas
Acesse e entenda quais foram as leis abolicionistas e o que elas decretaram. Entenda também o contexto da aprovação de cada uma delas.
Zumbi dos Palmares (1655-1695) foi um dos líderes do Quilombo dos Palmares e coordenou a resistência do quilombo até a sua destruição, em 1694.*
Quilombo dos Palmares
Clique e acesse para saber mais sobre a história do Quilombo dos Palmares. Entenda como surgiu, como era a vida nesse quilombo e como foi o seu fim.
Lei Eusébio de Queirós
Leia esse texto que trata da Lei Eusébio de Queirós, lei de 1850 que aboliu o tráfico negreiro no Brasil. Conheça seu contexto e desdobramentos.
Lei do Ventre Livre
Clique e acesse para saber detalhes sobre a Lei do Ventre Livre, aprovada em 1871. Veja o que ela determinou e entenda o contexto de sua aprovação.
Zumbi dos Palmares
Clique aqui para saber mais detalhes sobre a vida de Zumbi dos Palmares. Entenda sua relação com Palmares e como liderou a luta contra os portugueses.
A escravidão no Brasil foi uma instituição cruel que existiu durante mais de 300 anos.
Escravidão no Brasil
Leia este texto e aprenda mais sobre a escravidão no Brasil. Veja sobre a origem dessa instituição, conheça os grupos escravizados e entenda como foi proibida.
A escravidão foi organizada de diferentes formas durante a Antigüidade.
Escravidão na Antiguidade Clássica
Escravidão, trabalho escravo, Antigüidade Clássica, Escravidão na Antigüidade Clássica, Grécia, Atenas, Esparta, Escravos domésticos, artesãos, hilotas, Roma, Espártaco, direitos do escravo.
Ao longo de três séculos, cerca de 5 milhões de africanos foram desembarcados no Brasil como escravos.
Diferenças entre escravidão indígena e escravidão africana
Leia este texto e aprenda mais sobre a escravização de indígenas e de africanos no Brasil. Entenda as particularidades de cada uma e saiba quando terminaram.