Whatsapp icon Whatsapp

Transformações no mundo do trabalho

À esquerda, Frederick Taylor; e à direita, Henry Ford. Ao fundo, a linha de montagem na fábrica de automóvel Ford
À esquerda, Frederick Taylor; e à direita, Henry Ford. Ao fundo, a linha de montagem na fábrica de automóvel Ford

No final do século XIX e início do século XX, a indústria fabril estava em ascensão. No entanto, os proprietários dessas indústrias precisavam racionalizar sua linha de produção. Para isso, deveriam controlar com mais afinco o tempo dos operários durante o trabalho, no sentido de otimizar esse tempo, com o qual o trabalhador produziria mais produtos, no mesmo tempo trabalhado. Outra questão que necessitou de mudança foi a redução nos custos da produção, no intuito de aumentar o lucro dos capitalistas.

A partir de então, os proprietários das indústrias passaram a pesquisar novos métodos para aplicar nas linhas de produção, almejando alcançar a racionalização da produção de mercadorias para a obtenção de maiores lucros.

Ainda no século XIX, o engenheiro norte-americano Frederick Taylor (1856-1915) estudou cautelosamente os serviços prestados pelos trabalhadores nas fábricas. A partir desses estudos, Taylor propôs um novo método nas linhas de produção: em vez de um trabalhador desempenhar várias funções na produção de mercadorias, ele implantou a divisão do trabalho, em que cada operário desempenharia uma única e repetitiva tarefa.

Com a ascensão do método de divisão de trabalho nas fábricas, desenvolvido por Taylor, que passaria a ser chamado de taylorismo, grandes proprietários de indústrias passaram a implantar esse método em suas fábricas. A fábrica de automóveis de Henry Ford (1863-1947) foi uma das primeiras a executar o taylorismo através das linhas de montagem.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

As linhas de montagem da fábrica Ford de automóveis consistia em uma esteira em movimento: vários operários se encontravam distribuídos em diversas partes da esteira. Assim, a produção seria executada com o veículo deslocando-se pela esteira. Em cada parte da produção teria um trabalhador para exercer uma função específica, por exemplo: um determinado trabalhador ficaria somente responsável por montar as rodas do carro. Essas linhas de montagem ficaram conhecidas como modo de produção fordista, que prevaleceu até a década de 1970, aumentando a produção durante o mesmo tempo de trabalho dos operários.  

De acordo com Henry Ford, as indústrias economizariam no processo de montagem de suas mercadorias, para conseguir vendê-los a preços menores. Os operários, dentro da lógica de montagem fordista, exerceriam trabalhos cada vez mais mecanizados, não necessitariam de tanta qualificação para desempenhar os serviços nas fábricas, e, consequentemente, teriam seus salários reduzidos em relação a sua menor qualificação.

Publicado por Leandro Carvalho
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

O processo que afasta o trabalhador do valor da riqueza que ele produz.
A alienação do trabalhador na Era Industrial
O processo que afasta o trabalhador do valor da riqueza que ele produz.
A linha de produção é um dos principais símbolos do sistema fordista. [1]
Fordismo
Saiba mais sobre a origem do fordismo e veja as principais características desse sistema de produção. Compare as diferenças entre fordismo, taylorismo e toyotismo.
O desenvolvimento da industrialização criou a dicotomia entre capitalistas e trabalhadores: Exploradores X Explorados
Industrialização e trabalho
Saiba mais sobre o processo de industrialização mundial, a ascensão das tecnologias e a situação da classe trabalhadora desde o século XVIII até o XXI.
A quebra de máquinas era a mais recorrente manifestação do ludismo.
Ludismo
Você sabe o que foi o ludismo? E quando ele ocorreu? Clique aqui e descubra!
Movimento operário no século XIX: à esquerda, o anarquista Bakunin; e à direita, o comunista Marx
Movimento operário no século XIX
Saiba como, através da acentuação da industrialização, no século XIX, surgiram, no movimento operário, o anarquismo e o comunismo como formas de reivindicação dos trabalhadores por seus direitos.
Derby Silk Mill, antiga fábrica que produzia tecidos de seda às margens do Rio Derwent, em Derby, Inglaterra
Pioneirismo inglês na Revolução Industrial
Clique e conheça as razões que explicam o pioneirismo inglês na Revolução Industrial.
Os sistemas de produção de bens, serviços e mercadorias interferem na vida em sociedade
Sistemas de produção
Confira os aspectos dos principais sistemas de produção: taylorismo, fordismo e toyotismo, com as suas respectivas particularidades.
O setor terciário concentra um elevado número de atividades
Terciarização da economia
Atualmente, as sociedades vêm passando por um processo de terciarização da economia. Entenda o que é e o que representa esse termo!
A industrialização no século XVIII utilizou de novas tecnologias de produção
Trabalho infantil no início da Revolução Industrial
Através do trabalho infantil na Revolução Industrial, o capitalismo ergueu um império de milhares de fábricas pela Europa nos séculos XVIII e XIX.
video icon
Português
Interpretação de textos jornalísticos no Enem
Como se sabe, parte dos textos motivadores na redação do Enem é composta por textos jornalísticos. Porém, como interpretar esses textos e como usá-los na redação? Descubra nesta aula com o prof. Guga Valente!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
videoaula brasil escola
Química
Cinética química
Se ainda tem dúvidas quanto a velocidade das reações, essa videoaula é para você!
video icon
videoaula brasil escola
Português
Redação
Entenda como realizar argumento por causa e consequência com a nossa aula.
video icon
videoaula brasil escola
História
Crise de 1929
A quebra da bolsa de valores de Nova Iorque afetou não só os EUA, como o mundo. Entenda!