Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Literatura
  3. Escritores brasileiros
  4. João Guimarães Rosa

João Guimarães Rosa

João Guimarães Rosa nasceu em Cordisburgo, Minas Gerais, em 27 de junho de 1908. Além de ser escritor, também estudou Medicina e foi diplomata. Seu primeiro livro de contos é Sagarana, de 1946, e seu único romance, Grande sertão: veredas, foi publicado em 1956. O escritor, que recebeu alguns prêmios em vida e foi eleito para a Academia Brasileira de Letras, em 8 de agosto de 1963, morreu em 19 de novembro de 1967.

É um autor da terceira geração modernista (ou do pós-modernismo), em cujas obras é possível perceber a presença de neologismos, estrutura narrativa não tradicional e regionalismo atrelado a temas universais. Também escreveu poesia, apesar de ser mais conhecido pela sua prosa peculiar. É um imortal da literatura brasileira, pois, como ele mesmo declarou: “As pessoas não morrem, ficam encantadas”.

Biografia de João Guimarães Rosa

Foto de João Guimarães Rosa.
Foto de João Guimarães Rosa.

João Guimarães Rosa foi escritor e diplomata. Nasceu em 27 de junho de 1908, em Cordisburgo, no estado de Minas Gerais. Quando tinha 10 anos, mudou-se para Belo Horizonte, onde se formou, em 1930, na Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais (UMG), hoje UFMG. Sua primeira publicação literária ocorreu em 1929: o conto “O mistério de Highmore Hall”, na revista O Cruzeiro. Mais tarde, em 1936, seu livro de poesias Magma recebeu um prêmio da Academia Brasileira de Letras.

Seu primeiro livro de contos, Sagarana, foi publicado em 1946. Em 1952, o escritor fez uma excursão a Mato Grosso, o que levou à escrita do conto “Com o vaqueiro Mariano”, publicado em Estas estórias, livro de 1969. Nessa viagem estava a gênese do seu único romance — Grande sertão: veredas, de 1956. O autor também publicou contos, crônicas e poemas nos periódicos O Globo, Pulso, Correio da Manhã, O Jornal, O Cruzeiro, Manchete, A Manhã, Diário de Minas, Folha da Manhã, O Estado de S. Paulo e Jornal de Letras.

Guimarães Rosa exerceu outras funções além da escrita literária:

  • De 1938 a 1942 — Cônsul em Hamburgo, Alemanha, durante a Segunda Guerra Mundial.
  • De 1942 a 1944 — Secretário de embaixada em Bogotá.
  • Em 1946 e 1951 — Chefe de gabinete do ministro João Neves da Fontoura.
  • Em 1948 — Secretário da Delegação do Brasil à Conferência da Paz e representante do Brasil na Sessão Extraordinária da Conferência da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), em Paris.
  • De 1948 a 1951 — Primeiro-secretário e conselheiro de embaixada em Paris.
  • Em 1949 — Delegado do Brasil à IV Sessão da Conferência Geral da UNESCO, em Paris.
  • Em 1953 — Chefe de Divisão de Orçamento.
  • Em 1962 — Chefia do Serviço de Demarcação de Fronteiras.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O escritor morreu em 19 de novembro de 1967, no Rio de Janeiro. Em vida, foi homenageado com os seguintes prêmios:

  • Prêmio Filipe d’Oliveira (1946).
  • Prêmio Carmen Dolores Barbosa (1956).
  • Prêmio Paula Brito (1957).
  • Prêmio Machado de Assis (1961).
  • Prêmio do PEN Clube do Brasil (1963).

Leia também: Clarice Lispector – autora também representante da 3ª fase modernista

Características literárias de Guimarães Rosa

O regionalismo é uma característica da literatura de Guimarães Rosa.
O regionalismo é uma característica da literatura de Guimarães Rosa.

As obras de Guimarães Rosa estão inseridas na terceira geração modernista (ou no pós-modernismo). Devido a isso, e também a particularidades estéticas do autor, seus livros apresentam as seguintes características:

  • Uso de termos arcaicos.
  • Linguagem poética.
  • Narrativas mais reflexivas e menos dinâmicas.
  • Experimentalismo: neologismos, estrutura narrativa peculiar e anticonvencional.
  • Regionalismo: os termos e elementos da cultura regional mesclam-se com temáticas universais.
  • Inexistência de certezas: no campo social, político, econômico e estético.
  • Prosa intimista: conflito existencial e fluxo de consciência (monólogo interior).
  • Fragmentação: ruptura com a narrativa cronológica tradicional.
  • Temáticas universais: morte, ódio, amor, medo, violência, misticismo.
  • Oposições: bem e mal, velho e novo, rural e urbano, oral e escrito, local e universal.

Obras de Guimarães Rosa

São obras de João Guimarães Rosa:

  • Sagarana (1946): contos
  • Corpo de baile (1956): novelas
  • Grande sertão: veredas (1956): romance
  • Primeiras estórias (1962): contos
  • Manuelzão e Miguilim (1964): novelas
  • Campo geral (1964): novela
  • No Urubuquaquá, no Pinhém (1965): novelas
  • Noites do sertão (1965): novelas
  • Tutameia — terceiras estórias (1967): contos
  • Estas estórias (1969): contos
  • Ave, palavra (1970): diversos
  • Magma (1997): poesias

Sagarana, o primeiro livro publicado por João Guimarães Rosa, é composto pelos contos “O burrinho pedrês”, “A volta do marido pródigo”, “Sarapalha”, “Duelo”, “Minha gente”, “São Marcos”, “Corpo fechado”, “Conversa de bois”, “A hora e vez de Augusto Matraga”. Este último é o conto mais famoso desse livro. Portanto, vamos fazer a análise dele a seguir.

A hora e a vez de Augusto Matraga

Capa do livro “A hora e vez de Augusto Matraga”, o conto mais famoso da obra “Sagarana”. [1]
Capa do livro “A hora e vez de Augusto Matraga”, o conto mais famoso da obra “Sagarana”. [1]

Augusto Matraga é assim descrito pelo narrador:

“Duro, doido e sem detença, como um bicho grande do mato. E, em casa, sempre fechado em si. Nem com a menina se importava. Dela, Dionóra, gostava, às vezes; da sua boca, das suas carnes. Só. No mais, sempre com os capangas, com mulheres perdidas, com o que houvesse de pior. Na fazenda — no Saco-da-Embira, nas Pindaíbas, ou no retiro do Morro Azul — ele tinha outros prazeres, outras mulheres, o jogo do truque e as caçadas. E sem efeito eram sempre as orações e promessas, com que ela o pretendera trazer, pelo menos, até a meio caminho direito.
[...]

Agora, com a morte do Coronel Afonsão, tudo piorara, ainda mais. Nem pensar. Mais estúrdio, estouvado e sem regra, estava ficando Nhô Augusto. E com dívidas enormes, política do lado que perde, falta de crédito, as terras no desmando, as fazendas escritas por paga, e tudo de fazer ânsia por diante, sem portas, como parede branca.”

Infeliz com o marido, Dionóra, a esposa de Augusto, decide ir viver com outro homem, e leva sua filha junto:

“Mas, na passagem do brechão do Bugre, lá estava seu Ovídio Moura, que tinha sabido, decerto, dessa viagem de regresso.

— Dionóra, você vem comigo... Ou eu saio sozinho por esse mundo, e nunca mais você há-de me ver!...

Mas Dona Dionóra foi tão pronta, que ele mesmo se espantou.

— Nhô Augusto é capaz de matar a gente, seu Ovídio... Mas eu vou com o senhor, e fico, enquanto Deus nos proteger...”

Ao saber do ocorrido, Augusto Matraga manda chamar seus capangas, mas nenhum deles está mais a seu serviço, já que o patrão há muito não os paga. Então, foram trabalhar com o Major Consilva:

“— Fala com Nhô Augusto que sol de cima é dinheiro!... P’ra ele pagar o que está nos devendo... E é mandar por portador calado, que nós não podemos escutar prosa de outro, que seu Major disse que não quer.”

O protagonista então, ofendido, decide ir tirar satisfações com seus rivais:

“Nele, mal-e-mal, por debaixo da raiva, uma ideia resolveu por si: que antes de ir à Mombuca, para matar o Ovídio e a Dionóra, precisava de cair com o Major Consilva e os capangas. Se não, se deixasse rasto por acertar, perdia a força. E foi.”

Mas Augusto se dá mal, é judiado pelos capangas de Consilva, que lhes dá ordem para matar:

“Puxaram e arrastaram Nhô Augusto, pelo atalho do rancho do Barranco, que ficou sendo um caminho de pragas e judiação.

E, quando chegaram ao rancho do Barranco, ao fim de légua, o Nhô Augusto já vinha quase que só carregado, meio nu, todo picado de faca, quebrado de pancadas e enlameado grosso, poeira com sangue. Empurraram-no para o chão, e ele nem se moveu.

— É aqui mesmo, companheiros. Depois, é só jogar lá para baixo, p’ra nem a alma se salvar...”

Entretanto, num desfecho imprevisível, ele consegue escapar, apesar de ainda ter que lidar com a morte:

“E, aí, quando tudo esteve a ponto, abrasaram o ferro com a marca do gado do Major — que soía ser um triângulo inscrito numa circunferência —, e imprimiram-na, com chiado, chamusco e fumaça, na polpa glútea direita de Nhô Augusto. Mas recuaram todos, num susto, porque Nhô Augusto viveu-se, com um berro e um salto, medonhos.

— Segura!

Mas já ele alcançara a borda do barranco, e pulara no espaço. Era uma altura. O corpo rolou, lá em baixo, nas moitas, se sumindo.”

Os capangas entendem que é impossível um homem sobreviver a uma queda de tamanha altura. No entanto, Augusto, extremamente ferido, é cuidado por um casal que mora na “boca do brejo”. Incrivelmente, ou milagrosamente, depois de muito tempo de sofrimento, ele consegue curar-se, e esse sofrimento significa a sua redenção, ele tem chance de refletir sobre suas maldades e de regenerar-se:

“E desse modo ele se doeu no enxergão, muitos meses, porque os ossos tomavam tempo para se ajuntar, e a fratura exposta criara bicheira. Mas os pretos cuidavam muito dele, não arrefecendo na dedicação.

— Se eu pudesse ao menos ter absolvição dos meus pecados!...

Então eles trouxeram, uma noite, muito à escondida, o padre, que o confessou e conversou com ele, muito tempo, dando-lhe conselhos que o faziam chorar.

— Mas, será que Deus vai ter pena de mim, com tanta ruindade que fiz, e tendo nas costas tanto pecado mortal?!

— Tem, meu filho. Deus mede a espora pela rédea, e não tira o estribo do pé de arrependido nenhum...”

Nessa conversa com o padre, o título do conto justifica-se, pois é após ela que Augusto Matraga tem a chance de viver uma nova vida, em busca do seu destino, de sua hora e sua vez:

“[...], o padre se portou ainda mais excelentemente, porque era mesmo uma brava criatura. Tanto assim, que, na despedida, insistiu:

— Reze e trabalhe, fazendo de conta que esta vida é um dia de capina com sol quente, que às vezes custa muito a passar, mas sempre passa. E você ainda pode ter muito pedaço bom de alegria... Cada um tem a sua hora e a sua vez: você há de ter a sua.”

Nesse ponto, entendemos que a vida do protagonista até aqui não tinha sentido, motivo de suas maldades e irresponsabilidades. Depois do sofrimento vivido, do arrependimento, ele encontra um sentido para a sua existência: esperar pela sua hora e sua vez, ou seja, o seu destino, já que, segundo o padre, cada um está destinado a alguma coisa. Assim, suficientemente curado, Augusto e seus benfeitores vão embora. Essa atitude é também uma forma de o protagonista fugir de quem ele foi para forjar uma nova identidade:

“Quando ficou bom para andar, escorando-se nas muletas que o preto fabricara, já tinha os seus planos, menos maus, cujo ponto de início consistia em ir para longe, para o sitiozinho perdido no sertão mais longínquo — uma data de dez alqueires, que ele não conhecia nem pensara jamais que teria de ver, mas que era agora a única coisa que possuía de seu. Antes de partir, teve com o padre uma derradeira conversa, muito edificante e vasta. E, junto com o casal de pretos samaritanos, que, ao hábito de se desvelarem, agora não o podiam deixar nem por nada, pegou chão, sem paixão.”

Augusto Matraga passa a trabalhar com afinco e sem interesses:

“Trabalhava que nem um afadigado por dinheiro, mas, no feito, não tinha nenhuma ganância e nem se importava com acrescentes: o que vivia era querendo ajudar os outros. Capinava para si e para os vizinhos do seu fogo, no querer de repartir, dando de amor o que possuísse. E só pedia, pois, serviço para fazer, e pouca ou nenhuma conversa.”

Agora, anda sempre desarmado, não fuma, não bebe, não busca mulheres, não briga. Vive em constante vigia para combater o mal que há nele. Aliás, esse tema universal, o conflito entre o bem e o mal está presente também na obra O grande sertão: veredas. No entanto, os conflitos de Riobaldo são outros, distintos dos de Augusto, porém ambos parecem lutar contra a própria natureza. Uma natureza que pode aflorar quando o bando de Joãozinho Bem-Bem aparece no povoado. Augusto, pacífico, acolhe o bando e alimenta-o, e fica amigo do chefe:

“Mas, depois de montado, o chefe ainda chamou Nhô Augusto, para dizer:

— Mano velho, o senhor gosta de brigar, e entende. Está-se vendo que não viveu sempre aqui nesta grota, capinando roça e cortando lenha... Não quero especular coisa de sua vida p’ra trás, nem se está se escondendo de algum crime. Mas, comigo é que o senhor havia de dar sorte! Quer se amadrinhar com meu povo? Quer vir junto?

— Ah, não posso! Não me tenta, que eu não posso, seu Joãozinho Bem-Bem...

— Pois então, mano velho, paciência.

— Mas nunca que eu hei de me esquecer dessa sua bizarria, meu amigo, meu parente, seu Joãozinho Bem-Bem!”

No entanto, a sua conversão não é fácil, e Augusto fica tentado a aceitar o convite:

“O convite de seu Joãozinho Bem-Bem, isso, tinha de dizer, é que era cachaça em copo grande! Ah, que vontade de aceitar e ir também...

E o oferecimento? Era só falar! Era só bulir com a boca, que seu Joãozinho Bem-Bem, e o Tim, e o Juruminho, e o Epifânio — e todos — rebentavam com o Major Consilva, com o Ovídio, com a mulher, com todo-o-mundo que tivesse tido mão ou fala na sua desgarração. Eh, mundo velho de bambaruê e bambaruá!... Eh, ferragem!...

E Nhô Augusto cuspiu e riu, cerrando os dentes.

Mas, qual, aí era que se perdia, mesmo, que Deus o castigava com mão mais dura...

E só então foi que ele soube de que jeito estava pegado à sua penitência, e entendeu que essa história de se navegar com religião, e de querer tirar sua alma da boca do demônio, era a mesma coisa que entrar num brejão, que, para a frente, para trás e para os lados, é sempre dificultoso e atola sempre mais.

Recorreu ao rompante:

— Agora que eu principiei e já andei um caminho tão grande, ninguém não me faz virar e nem andar de-fasto!”

Nesse ponto, o protagonista apresenta sua faceta de herói (ou santo), resistente às tentações e armadilhas:

“E ainda outras coisas tinham acontecido, e a primeira delas era que, agora, Nhô Augusto sentia saudades de mulheres. E a força da vida nele latejava, em ondas largas, numa tensão confortante, que era um regresso e um ressurgimento. Assim, sim, que era bom fazer penitência, com a tentação estimulando, com o rasto no terreno conquistado, com o perigo e tudo. Nem pensou mais em morte, nem em ir para o céu; e mesmo a lembrança de sua desdita e reveses parou de atormentá-lo, como a fome depois de um almoço cheio. Bastava-lhe rezar e aguentar firme, com o diabo ali perto, subjugado e apanhando de rijo, que era um prazer. E somente por hábito, quase, era que ia repetindo:

— Cada um tem a sua hora, e há-de chegar a minha vez!”

Ele decide partir, porque entende que sua hora e vez está em outro lugar. Então se despede de Quitéria e Serapião. Acaba encontrando o bando de Joãozinho Bem-Bem, mas discorda do chefe, que quer vingar a morte de um homem do bando:

“Seu Joãozinho Bem-Bem pigarreou, e falou:

— Lhe atender não posso, e com o senhor não quero nada, velho. É a regra... Senão, até quem é mais que havia de querer obedecer a um homem que não vinga gente sua, morta de traição?... É a regra. Posso até livrar de sebaça, às vezes, mas não posso perdoar isto não... Um dos dois rapazinhos seus filhos tem de morrer, de tiro ou à faca, e o senhor pode é escolher qual deles é que deve de pagar pelo crime do irmão. E as moças... Para mim não quero nenhuma, que mulher não me enfraquece: as mocinhas são para os meus homens...

[...]

— Não faz isso, meu amigo seu Joãozinho Bem-Bem, que o desgraçado do velho está pedindo em nome de Nosso Senhor e da Virgem Maria! E o que vocês estão querendo fazer em casa dele é coisa que nem Deus não manda e nem o diabo não faz!”

A sua hora e vez finalmente chega, quando a verdadeira natureza de Augusto Matraga impõe-se, mas usada com fins distintos do interesse pessoal:

“— Pois então... — e Nhô Augusto riu, como quem vai contar uma grande anedota — ...Pois então, meu amigo seu Joãozinho Bem-Bem, é fácil... Mas tem que passar primeiro por riba de eu defunto...

[...]

E a casa matraqueou que nem panela de assar pipocas, escurecida à fumaça dos tiros, com os cabras saltando e miando de maracajás, e Nhô Augusto gritando qual um demônio preso e pulando como dez demônios soltos.

— Ô gostosura de fim-de-mundo!...

E garrou a gritar as palavras feias todas e os nomes imorais que aprendera em sua farta existência, e que havia muitos anos não proferia. E atroava, também, a voz de seu Joãozinho Bem-Bem:

— Sai, Canguçu! Foge, daí, Epifânio! Deixa nós dois brigar sozinhos!”

O desfecho dessa luta confirma o destino de Augusto Matraga. Para isso nasceu, para isso viveu, para enfrentar Joãozinho Bem-Bem, para lutar, mesmo que uma única vez, por justiça. Nessa trajetória, Augusto Matraga inicia sua vida sem objetivo, entregue à maldade, fruto da ignorância. Depois, tem uma quase morte e um renascimento, a chance de ser um novo homem, e começa a traçar o seu caminho de santo, na busca da divindade e de seu destino. A história finaliza-se como começou, na violência, agora justificada. O destino é cumprido, Augusto Matraga tem sua hora e vez.

Veja também: Memórias Póstumas de Brás Cubas – romance fundador do realismo brasileiro

Poemas de Guimarães Rosa

Vamos ler, a seguir, dois poemas de João Guimarães Rosa, do livro Ave, palavra, assinados com o heterônimo de Soares Guiamar.

No poema “Ou... Ou”, o eu lírico fala de uma moça e de um moço. Ela vê o moço passar, mas o moço não vê a moça, pois vem de outro lugar. O eu lírico indica que eles têm afinidades, mas como o moço não vê a moça, o encontro não pode realizar-se. O poema termina com o questionamento: foi o moço que passou depressa ou as coisas na vida que acontecem devagar? O que sugere que o encontro não ocorreu porque ainda não era hora:

A moça atrás da vidraça

espia o moço passar.

O moço nem viu a moça,

ele é de outro lugar.

O que a moça quer ouvir

o moço sabe contar:

ah, se ele a visse agora,

bem que havia de parar.

Atrás da vidraça, a moça

deixa o peito suspirar.

O moço passou depressa,

ou a vida vai devagar?

Já no poema “Os três burricos”, o eu lírico é um burrico, mas, paradoxalmente, ao mesmo tempo é três. Ele segue por caminhos difíceis, “estradas de montanha”, e não sabe se volta. Na antítese “Muito é o nada nesta vida”, ele intensifica o vazio existencial desse burrico que é ele. Dos três burricos que havia em um só, dois morreram. Podemos entender tais burricos como facetas do eu lírico ou períodos vividos por ele, o que se comprova no verso “e um morto eu de cada lado”.

O eu lírico afirma que eles se foram, mas ainda estão com ele, que os carrega. Daí podemos entender por que ele é um burrico, pois carrega um fardo, as memórias. Por fim, a estrada termina, ele chega ao seu destino: a morte, seja a de um ser, seja a de um tempo. Por isso ele diz que três vezes ele chegou, ou seja, morreu três vezes, uma morte para cada burrico, apesar de o eu lírico não dar a certeza da morte, já que, na penúltima estrofe, ele diz “que não morreu”, mas, na estrofe seguinte, fala que é “morto o que vivo está”.

Por estradas de montanha

vou: os três burricos que sou.

Será que alguém me acompanha?

Também não sei se é uma ida

ao inverso: se regresso.

Muito é o nada nesta vida.

E, dos três, que eram eu mesmo

ora pois, morreram dois;

fiquei só, andando a esmo.

Mortos, mas, vindo comigo

a pesar. E carregar

a ambos é o meu castigo?

Pois a estrada por onde eu ia

findou. Agora, onde estou?

Já cheguei, e não sabia?

Três vezes terei chegado

eu — o só, que não morreu

e um morto eu de cada lado.

Sendo bem isso, ou então

será: morto o que vivo está.

E os vivos, que longe vão?

Leia também: Poemas de João Cabral de Melo Neto

Academia Brasileira de Letras

João Guimarães Rosa foi o terceiro ocupante da Cadeira 2, da Academia Brasileira de Letras, antes ocupada por João Neves da Fontoura (1887-1963). Foi eleito em 8 de agosto de 1963.

A seguir, alguns trechos de seu discurso de posse, que, em grande parte, homenageia o seu antecessor João Neves da Fontoura:

Cordisburgo era pequenina terra sertaneja, trás montanhas, no meio de Minas Gerais. Só quase lugar, mas tão de repente bonito: lá se desencerra a Gruta do Maquiné, milmaravilha, a das Fadas; e o próprio campo, com vasqueiros cochos de sal ao gado bravo, entre gentis morros ou sob o demais de estrelas, falava-se antes: “os pastos da Vista Alegre”. Santo, um “Padre Mestre”, o Padre João de Santo Antônio, que recorria atarefado a região como missionário voluntário, além de trazer ao raro povo das grotas toda sorte de assistência e ajuda, esbarrou ali, para realumbrar-se e conceber o que tenha talvez sido seu único gesto desengajado, gratuito. Tomando da inspiração da paisagem a loci opportunitas, declarou-se a erguer ao Sagrado Coração de Jesus um templo naquele mistério geográfico. Fê-lo e fez-se o arraial, a que o fundador chamou “O Burgo do Coração”. Só quase coração — pois onde chuva e sol e o claro do ar e o enquadro cedo revelam ser o espaço do mundo primeiro que tudo aberto ao supraordenado: influem, quando menos, uma noção mágica do universo.

Mas, por “Cordisburgo”, igual, verve no sério-lúdico de instantes, me tratava, ele, chefe e o amigo meu, João Neves da Fontoura. — “Vamos ver o que diz Cordisburgo…” — com o riso arroucado, quente, dirigindo-se nem reto a mim, senão feito a escrutar sua presente sempre cidade natal, “no coração do Rio Grande do Sul”. [...].

De fim a fundo. Digo, conto o que de João Neves da Fontoura, por afortunada aproximação, me foi dado colher — o transordinário na experiência humana ordinária, ideia e impressão, singelo testemunho simples, do ato ao fato — na memória mais sentida. Para tanto, terei de à-pauta citar-me. Embora. No que refiro, subrefiro-me. Não para a seus ombros aprontar minha biografia, isto é, retocar minha caricatura. Não eu, mas mim. Inábil redutor, secundarum partium, comparsa, mera pessoa de alusão, e há de haver que necessária. O espelho não porfia brilhar nem ser; mas, por de-fim, para usação, bem tem de relustrar-se. Direi.

[...]

Talvez, também, o recado melhor, dele ouvi, quase in extremis: — “Gosto de você mais pelo que você é, do que pelo que você fez por mim...” Posso calá-lo? Não, porque sincero sei: exata estaria, sim, a recíproca, tanto a ele eu tivesse dito. E porque deve ser esta a comprovação certa de toda verdadeira amizade — impreterida a justiça, na medida afetuosa. Acredito. Nem creio destoante ou mal assentado, numa solene inauguração de acadêmico, sem nota de despondência, algum conteúdo de testamento. Giremos a perspectiva.

Ainda talvez mais que eu, ele vos agradeceria minha presença aqui, aonde desejei vir — para o ver “claro e quieto” que Machado de Assis inculca. Só não cismando, há-de-o, que em sua mesma vereda, a subseguir, orgulhoso e transido, o elenco destes que ganharam vida difícil, trabalharam sem repouso e hora por hora renderam-se à intimação interna — escolha ou chamado. Eles, Neves da Fontoura, Álvares de Azevedo, o que morreu moço, poento de poesia. Coelho Neto, amoroso pastor da turbamulta das palavras. Tenho-os comigo. Pois não descendemos dos mortos?

[...]

Mas — o que é um pormenor de ausência. Faz diferença? “Choras os que não devias chorar. O homem desperto nem pelos mortos nem pelos vivos se enluta” — Krishna instrui Arjuna, no Bhágavad Gita. A gente morre é para provar que viveu. Só o epitáfio é fórmula lapidar. Elogio que vale, em si, perfeito único, sumário: JOÃO NEVES DA FONTOURA.

Alegremo-nos, suspensas ingentes lâmpadas. E: “Sobe a luz sobre o justo e dá-se ao teso coração alegria!” — desfere então o salmo. As pessoas não morrem, ficam encantadas.

Tal discurso foi proferido em 16 de novembro de 1967, três dias antes da morte de João Guimarães Rosa.

Leia também: 1o de maio — Dia da Literatura Brasileira.

Frases de João Guimarães Rosa

Destacamos algumas frases do autor, retiradas de entrevista realizada pelo jornalista português Arnaldo Saraiva, em 24 de novembro de 1966:

“Gosto muito do [povo] português, sobretudo da sua integridade afetiva.”

“O brasileiro também é gente muito boa, mas é mais superficial, é mais areia, enquanto o português é mais pedra.”

“Eu tenho ainda uma costela portuguesa.”

“Quando escrevo, não penso na literatura: penso em capturar coisas vivas.”

“Escrever, para mim, é como um ato religioso.”

E também frases do livro Ave, palavra:

“Amar é a gente querer se abraçar com um pássaro que voa.”

“O passarinho na gaiola pensa que uma árvore e o céu o prendem.”

“Toda vida humana é destino em estado impuro.”

“Também os defeitos dos outros são horríveis espelhos.”

“A queda do Homem persiste, como a das cachoeiras.”

“Saudade é ser, depois de ter.”

“Só as pessoas não morrem: tornam a ficar encantadas.”

Crédito da imagem

[1] Nova Fronteira|Ediouro (Reprodução)    

Publicado por: Warley Souza
Assuntos relacionados
José Saramago
Saiba mais sobre a vida e a obra de José Saramago: os livros que publicou, os adaptados para o cinema, as características de sua literatura e algumas frases famosas.
Jorge Amado
Clique aqui e conheça o escritor Jorge Amado. Entenda suas características literárias e saiba quais obras escreveu. Leia algumas frases do autor.
Prosa
O que define um texto como prosa? O que é prosa literária e prosa não literária, e o que é prosa poética? Aprenda mais sobre essa forma textual!
Capa do livro “O lustre”. Ed. Relógio D'água, 2012. A prosa intimista de Clarice Lispector inaugurou um novo tipo de expressão literária
A prosa intimista de Clarice Lispector
Conheça um pouco mais sobre a prosa intimista de Clarice Lispector.
A linguagem literária pode ser encontrada em diversos gêneros: poemas, crônicas, contos, entre outros que permitam a liberdade criativa
Linguagem literária
Literatura e Arte: Conheça os principais elementos encontrados na composição da linguagem literária.
Modernismo
Entenda o contexto histórico do modernismo. Conheça as características desse movimento. Saiba quais são seus principais autores e obras.
Graciliano Ramos
Clique aqui e conheça a vida e a obra de Graciliano Ramos, escritor que ambientou no sertão nordestino os dramas e as tensões universais da vida humana.