Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Biologia
  3. Ecologia
  4. Comunicação em Anfíbios Anuros (Sapos, Rãs e Pererecas)

Comunicação em Anfíbios Anuros (Sapos, Rãs e Pererecas)

Você já ouviu um sapo coaxar?
 
O coaxo dos anfíbios anuros, em termos científicos, é chamado de vocalização. Na grande maioria das vezes, é o macho quem vocaliza e esta é uma forma de defender territórios e atrair fêmeas e, principalmente quanto à primeira, é também uma forma de economizar energia.
 
Como é sabido, os anfíbios são ditos animais de sangue frio, o que significa em termos mais simples que a temperatura corporal deles depende do ambiente no qual estão. Este é, inclusive, um dos fatores que contribuem para que estes animais cantem, na maioria das vezes, após o pôr-do-sol, quando a temperatura está mais amena e a umidade aumenta.
 
Como forma de evitar gastos excessivos de energia em, por exemplo, combate com outros machos por territórios ou fêmeas, o indivíduo vocaliza. A vocalização dá “dicas” para outro macho quanto ao seu tamanho e, ligado à isso, à sua força e, possivelmente à idade. Isso significa que este superou muitas das adversidades do ambiente e conseguiu sobreviver até então - o que significa, também, que este é um oponente forte e que em um combate físico, possivelmente, será o vencedor.
 
Assim sendo, uma disputa vocal gasta menos energia do que uma disputa física e um indivíduo menos capaz pode, simplesmente, ceder e buscar outro território (ou fêmea).
 
Em relação à atração de fêmeas, a vocalização dá as mesmas “dicas”: fornecem informações acerca de suas condições físicas, indicando à possível parceira que poderá ser um bom reprodutor (ou não), fornecendo filhotes mais fortes e saudáveis. Uma vez que uma fêmea só pode ter seus gametas fecundados por um único macho, esta procurará o macho mais apto para ser o pai de seus futuros filhotes – e a vocalização permite com que ela o encontre mais facilmente.
 
Portanto, quando ouvir um anuro cantar, lembre-se que não se trata de uma simples algazarra sonora e sim uma grande estratégia ecológica!

Por Mariana Araguaia
Graduada em Biologia
Perereca Dendropsophus nanus vocalizando. Fotografia: Fabrício Hiroiuki Oda.
Perereca Dendropsophus nanus vocalizando. Fotografia: Fabrício Hiroiuki Oda.
Publicado por: Mariana Araguaia de Castro Sá Lima
Assuntos relacionados
Vegetação formada por palmeiras.
Campos
A caracterização de um ecossistema com variações fitológicas tanto no Norte quanto no Sul.
As categorias taxonômicas: reino, filo, classe, ordem, família, gênero e espécie, com ênfase no gênero Canis.
Biodiversidade e Classificação
A nomenclatura binária e a ordenação dos organismos em táxons.
Nerium oleander (espirradeira), planta usada em ornamentação.
Defesa dos Vegetais
As toxinas vegetais e o hábito alimentar dos animais herbívoros.
Pavões machos de caudas maiores são mais atrativos às fêmeas, garantindo seu sucesso reprodutivo.
Seleção sexual
Conheça aspectos relacionados a este caso especial de seleção natural.
Na imagem, podemos observar uma relação de comensalismo entre as rêmoras e o tubarão
Comensalismo, uma relação ecológica interespecífica
Veja qual é a relação ecológica que ocorre entre tubarões e rêmoras.
Durante o desenvolvimento do anuro, parte do ciclo de vida ocorre na água
Metamorfose em anfíbios
Compreenda como ocorre a metamorfose em anfíbios e aprenda as diferenças entre a fase larval e a fase adulta desse grupo.
Tucano-de-bico-verde: animal onívoro que desempenha diversos papéis nas cadeias alimentares.
Teia alimentar
Conheça aspectos deste conjunto de cadeias alimentares.
Sociedade dos cupins
Saiba mais sobre os cupins, insetos sociais que vivem no interior do solo e da madeira.
Na imagem, podemos ver um exemplo de protocooperação entre uma ave e um animal
Relações ecológicas interespecíficas
As relações ecológicas interespecíficas são classificadas em harmônicas e desarmônicas dependendo do tipo de relação que as espécies estabelecem entre si.