Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Gramática
  3. Estrutura e formação das palavras
  4. O estudo morfossintático das palavras

O estudo morfossintático das palavras

Durante toda nossa trajetória enquanto seres aprendizes, passamos por determinadas etapas que norteiam a prática da educação formal.

No que se restringe às disciplinas da grade curricular, mais especificamente à Língua Portuguesa, apreendemos os conteúdos direcionados a cada série de uma forma específica. Como por exemplo, no 6º ano estudamos todas as classes gramaticais, e nos anos seguintes, a ênfase é para a sintaxe e toda a sua complexidade de temas.

Quando adentramos no ensino médio, começa uma fase revisional de tudo aquilo que já travamos contato durante as séries anteriores.

E é justamente nesse período que nos deparamos com a chamada Morfossintaxe. Ela nada mais é, que a junção da Morfologia, a qual estuda as palavras de acordo com sua classe gramatical, e a Sintaxe, onde o estudo centra-se na posição desempenhada pelas palavras em meio ao contexto linguístico.

Diante disso, torna-se essencial nos inteirarmos completamente sobre o assunto, pois o mesmo é muito requisitado em provas de vestibulares e concursos de uma forma geral.

Ao falarmos sobre morfossintaxe, devemos levar em consideração que uma mesma palavra analisada sob a ótica morfológica pode assumir diversificadas funções quando analisada de acordo com a sintaxe.

Com o objetivo de assimilarmos nossos conhecimentos de uma forma mais contundente, analisaremos as seguintes orações:

O conhecimento é essencial a todos.

Logo, analisando o vocábulo “conhecimento” de acordo com a classe morfológica, estamos diante de um substantivo abstrato.

Sintaticamente, o mesmo poderá exercer papéis divergentes. Observe:

Nessa oração ele é sujeito simples, por tratar-se de apenas um núcleo.

Já em:

Devemos priorizar o conhecimento, a palavra “conhecimento” funciona como objeto direto, pois o verbo priorizar é transitivo, e, consequentemente, requer um complemento.

Os alunos necessitam de conhecimento para obter bons resultados. Nesse exemplo, o vocábulo exerce a função de objeto direto como sendo um complemento do verbo necessitar, que, via de regra, exige a presença de uma preposição.

Gostaria que você saciasse a minha ânsia por conhecimentos. A palavra ”conhecimento” completa o sentido de um nome - o substantivo “ânsia”, portanto, trata-se de um complemento nominal.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
Publicado por: Vânia Maria do Nascimento Duarte
Assuntos relacionados
Vogal temática, vogal de ligação e desinências nominais constituem os morfemas e se distinguem entre si
Vogal Temática, Vogal de Ligação e Desinências Nominais
Entre a vogal temática, vogal de ligação e desinências nominais há diferenças. Deseja conhecê-las? Então não deixe de clicar e conferir!
Os substantivos podem exercer diferentes funções sintáticas
Funções sintáticas dos substantivos
Aprenda quais sãos as funções sintáticas exercidas pelo substantivo na posição de núcleo do sintagma nominal.
Estrutura das palavras
Conceitos básicos e classificação dos morfemas.
Processo de formação das palavras
Derivação? Sufixação? Como realmente isso se dá?
As abreviaturas dos internautas remontam um passado histórico
A origem das abreviaturas
Tal prática não é exclusividade dos tempos atuais. Em apenas um clique, descubra o porquê!
As abreviaturas de horas se relacionam a pressupostos específicos
Abreviatura de horas
As abreviaturas de horas seguem alguns pressupostos específicos, tendo em vista os fatos que norteiam a língua.