Whatsapp icon Whatsapp

Posto que e Eis que

Posto que e eis que são conjunções que assumiram outros valores com o passar do tempo
Posto que e eis que são conjunções que assumiram outros valores com o passar do tempo

Eis que estamos diante de duas expressões, amplamente difundidas nas situações comunicativas e passíveis de serem discutidas, tendo em vista alguns aspectos a elas pertinentes. Sabemos, pois, que a dinâmica da língua está condicionada, muitas vezes, a fatores semânticos, dada a ocorrência de uma determinada palavra originalmente possuir um significado, e com o passar do tempo ir recebendo outros.

Nesse sentido, cabe ressaltar que tal fato ocorreu com as expressões em questão, visto que de uma dada categoria de conjunções, passaram-se a outra, tornando-se perfeitamente aplicáveis, levando em consideração o contexto em que se encontrarem inseridas. Assim, no intuito de melhor ilustrarmos tal afirmação, partiremos do seguinte exemplo:

O discurso foi amplamente aplaudido, posto que agradou a todos.

A expressão “posto que”, tida em seu sentido original, representava um valor concessivo, demarcado pela ideia de contraste, oposição. Dessa forma, regia o subjuntivo e tinha como “parceiras” as conjunções: ainda que, mesmo que, por mais que, se bem que, embora, entre outras. No entanto, o tempo foi passando, passando, até que ela assumiu também a posição de conjunção explicativa e causal.

Assim sendo, voltemos ao exemplo anterior e constatemos que o discurso poderia ser assim manifestado, sem que houvesse alterações de significado, observe:    

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O discurso foi amplamente aplaudido, visto que/ uma vez que/ agradou a todos.

Outra ocorrência que bem ilustra o caso em questão é o fragmento pertencente a uma das criações de Vinícius de Morais, intitulada “Soneto de Fidelidade”:

[...]

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
(grifos nossos)
Mas que seja infinito enquanto dure.

Fonte: http://www.releituras.com/viniciusm_fidelidade.asp

A expressão “eis que”, por sua vez, originalmente constituída por uma ideia de tempo (quando), modernamente adquiriu um valor causal, expresso também pelas conjunções acima retratadas. Dessa forma, vejamos a evolução:

Estava andando pelo bosque e de repente eis que ele surgiu do nada. (... quando ele surgiu do nada)

Você deve repensar o que fez, eis que não tinha o direito de agir daquela forma. (visto que, uma vez que).

Publicado por Vânia Maria do Nascimento Duarte

Artigos Relacionados

As conjunções integrantes são demarcadas pelas palavras “que” e “se”
Conjunções integrantes
Representadas pelas palavras “que” e “se”, convidamo-lo(a) para conhecer as conjunções integrantes. Sabe como? Por meio de um clique!
Aspectos específicos demarcam as diferenças entre conjunção integrante e pronome relativo
Diferenças entre conjunção integrante e pronome relativo
Amplie ainda mais sua competência linguística, conhecendo as diferenças entre a conjunção integrante e o pronome relativo.
Levando em conta o contexto em que se inserem, as conjunções apresentam distintos sentidos
Distintos sentidos das conjunções
As conjunções podem adquirir sentidos distintos. Descubra por que isso ocorre, clicando aqui, neste espaço!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
videoaula brasil escola
Química
Cinética química
Se ainda tem dúvidas quanto a velocidade das reações, essa videoaula é para você!
video icon
videoaula brasil escola
Português
Redação
Entenda como realizar argumento por causa e consequência com a nossa aula.
video icon
videoaula brasil escola
História
Crise de 1929
A quebra da bolsa de valores de Nova Iorque afetou não só os EUA, como o mundo. Entenda!