Whatsapp icon Whatsapp

JK x Fidel Castro

JK e Fidel: uma relação delicada frente ao contexto político de uma época.
JK e Fidel: uma relação delicada frente ao contexto político de uma época.

No momento em que a ilha de Cuba assistiu a deflagração de uma revolução, o resto do mundo abriu-se em preocupações. No continente americano, os governos instituídos se viram cercados pelo dilema entre aplaudir ou virar as costas para a reviravolta capitaneada por Fidel Castro e Ernesto “Che” Guevara. Aqui no Brasil, o presidente Juscelino Kubitscheck, governador desenvolvimentista e simpático aos EUA, sofreu esse mesmo dilema.

Inicialmente, a aproximação entre Brasil e Cuba aconteceu graças a dois fatores primordiais: os revolucionários cubanos não tinham postado claramente sua orientação política e o Brasil tinha interesses em estreitar relações de cooperação política e financeira com os países latino-americanos. Neste período, as nações latinas discutiam a revisão das políticas intervencionistas dos EUA e arquitetavam um projeto de cooperação econômica.

A Operação Pan-Americana (OPA) seria uma maneira de superar a situação de miséria dos países latino-americanos semelhante ao Plano Marshall, que recuperou a Europa após a Segunda Guerra. Enquanto os EUA olhavam com desconfiança a mobilização política dos latinos, os revolucionários cubanos viam com bons olhos o projeto cooperativista capitaneado pelo Brasil. Em uma reunião de líderes simpáticos à OPA, Fidel Castro aplaudiu a iniciativa e exigiu a criação de um fundo de investimento estadunidense de 30 bilhões de dólares.

Depois desta reunião, Fidel realizou uma visita ao Brasil que contou com uma reunião com o presidente Juscelino Kubitscheck. Neste encontro, amplamente coberto pelos órgãos de imprensa da época, Fidel salientou a posição de liderança da nação tupiniquim para que as amarras do subdesenvolvimento fossem superadas em toda a América. O clima amigável da visita, de fato, encobria as primeiras tensões com o governo brasileiro.

A embaixada do Brasil em Cuba, que anteriormente abrigava revolucionários, agora era refúgio dos perseguidos pelo regime de Fidel. Além disso, o acirramento nas relações entre Cuba e os EUA acabou deixando o Brasil em situação delicada em uma reunião da OEA. Ao não se postar contra os embargos econômicos dos EUA contra Cuba, o diplomata cubano Raúl Roa taxou as autoridades brasileiras como subservientes.

O governo cubano, que começara a receber apoio da União Soviética, passou a defender a oposição à perspectiva política e ideológica dos Estados Unidos. Uma segunda reunião preparatória da OPA, acontecida na Colômbia, ainda surgiu como uma nova oportunidade de reconciliação entre Brasil e Cuba. No entanto, o governo cubano se negava a apoiar qualquer nação aliada aos EUA.

A possibilidade conciliatória por meio da OPA acabou perdendo sua força durante o governo Kennedy. Se adiantando ao projeto integracionista da OPA, o governo de JFK lançou a chamada Aliança para o Progresso. O projeto era composto por uma política de ajuda emergencial que muito interessava as nações latino-americanas. Dessa maneira, a Operação Pan-Americana perderia seu espaço.

As relações instáveis entre JK e Fidel ganharam novo fôlego durante a administração de Jânio Quadros, que defendia uma política externa completamente autônoma. Novos diálogos com Cuba foram empreendidos em um contexto de total oposição aos EUA. A opção diplomática de Jânio acabou despertando a desconfiança de várias personalidades políticas brasileiras. Em tempos de Guerra Fria, essa aproximação bastava para que o termo “comunista” significasse um tipo de desqualificação política.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Publicado por Rainer Gonçalves Sousa
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

João Gilberto: um dos importantes compositores da Bossa Nova
Bossa Nova
Saiba mais das características, importância e principais figuras que marcaram a Bossa Nova.
A constituição de 1946 foi uma das principais conquistas do governo de Eurico Gaspar Dutra.
Constituição de 1946
Clique aqui e conheça o momento político no qual foi criada a Constituição de 1946!
Constituição de 1967: a nova carta que consolidou a perspectiva autoritária do regime militar.
Constituição de 1967
Constituição de 1967, Carta Constitucional de 1967, Ditadura Militar, o governo militar, censura, Atos Institucionais, regime de exceção, Ditadura no Brasil, Lei de Imprensa, Lei de Segurança Nacional, pena de morte.
República Velha
Clique no link e veja detalhes importantes sobre a República Velha, primeira fase da república no Brasil. Conheça as características e os presidentes desse período.
Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto: os presidentes militares que consolidaram a República.
República da Espada
Os governos que instalam o regime republicano no Brasil.
Tropicalismo
Conheça o tropicalismo, um dos principais movimentos artísticos do Brasil. Entenda as principais transformações socioculturais da segunda metade do século XX.
video icon
Filosofia
“Elogio da Loucura”, de Erasmo de Roterdã
Erasmo de Roterdã escreveu um dos livros mais influentes de nossa cultura moderna: “Elogio da Loucura”. Em tom satírico, Roterdã conseguiu tecer duras críticas à Igreja Católica. Confira a nossa aula sobre esse livro!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Videoaula Brasil Escola
Inglês
Genitive Case
É hora de aperfeiçoar sua gramática na Língua Inglesa. Assista!
video icon
Videoaula Brasil Escola
Sociologia
Democracia racial
Você sabe o que significa democracia racial? Clique e nós te ensinamos!
video icon
Tigres Asiáticos
Geografia
Tigres Asiáticos
Assista à nossa videoaula sobre os Tigres Asiáticos, e conheça as razões do desenvolvimento rápido desses territórios.