Whatsapp icon Whatsapp

O fenômeno do Populismo na história política brasileira

Getúlio Vargas, exemplo claro da política populista no Brasil
Getúlio Vargas, exemplo claro da política populista no Brasil

A historiadora Maria Helena Capelato acredita que todos os presidentes que governaram o Brasil desde o Estado Novo até o Golpe Militar de 1964 seriam populistas. Esses governavam através de características populistas como o carisma, a demagogia, o assistencialismo, principalmente em relação aos trabalhadores e às camadas médias. Uma das preocupações dos governos populistas é dar à população a ideia de que ela agora está posicionada em uma situação de confiabilidade.

O populismo mostra a sua força em decorrência do fenômeno que atravessa tanto ideologias políticas de esquerda como de direita. Percebemos nesse contexto o quanto a configuração dele é transformadora e contraditória, portanto ambígua. Segundo, o sociólogo Francisco Weffort, “o populismo como “modelo de governo” sempre reage às pressões populares; ao mesmo tempo, como “política de massa”, procura levar e forjar suas verdadeiras intenções”. Isso quer dizer que ao mesmo tempo em que representa a democratização do estado, representa o autoritarismo.

Essa composição política, em um primeiro momento, não parece prejudicial. A Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) seriam, nesse contexto, estratégias populistas para cooptar o povo trabalhador. Assim, quem daria as cartas seria o governo e não os trabalhadores, mesmo com a CLT.

O significado do termo populismo é confuso em razão de suas contradições, que foram retratadas ao percebermos que tanto políticos de direita quanto de esquerda praticavam a mesma concepção populista de Vargas, como João Goulart e Leonel Brizola. Jânio Quadros, Carlos Lacerda, Ademar de Barros eram políticos contrários a Getúlio. Esses políticos faziam críticas ferrenhas ao nacionalismo exacerbado de Vargas, mas mesmo assim eram fieis adeptos às características populistas em suas estratégias políticas.

A contradição do populismo aconteceu porque as camadas populares não sabiam identificar que estavam sendo enganadas, e não tinham a noção do que realmente estava imbuído por de trás dessa configuração política. Nessa situação, o populismo causou a ausência dos partidos políticos e de programas de governo definidos e o País ficou na mão de políticos que possuíam a aprovação do povo, somente pelas suas características carismáticas, assistencialistas e demagogas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
Publicado por Lilian Maria Martins de Aguiar

Artigos Relacionados

Governo Dutra
Neste link você terá acesso aos principais eventos que caracterizaram o início da Quarta República Brasileira e do governo Dutra.
Governo Juscelino Kubitschek
Juscelino Kubitschek, Governo JK, Plano de Metas, Cinqüenta Anos em Cinco, construção de Brasília, UDN, PSD, PTB, industrialização, Sudene, Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste, eleições de 1960, Jânio Quadros, João Goulart.
video icon
Escrito"Matemática do Zero | Retas paralelas cortadas por uma transversal " em fundo azul.
Matemática do Zero
Matemática do Zero | Retas paralelas cortadas por uma transversal
Nessa aula veremos o que são retas paralelas cortadas por uma transversal. Além disso, veremos as porpriedades e nomencaltura dos ângulos formados nessas duas retas cortadas por uma transversal: alternos internos, alternos externos, colaterais internos e colaterais externos.