Whatsapp icon Whatsapp

Os holandeses e a economia açucareira

Os holandeses desempenharam o papel de financiadores e intermediários na empresa açucareira lusitana.
Os holandeses desempenharam o papel de financiadores e intermediários na empresa açucareira lusitana.

Durante as primeiras décadas do período colonial, os portugueses decidiram viabilizar a exploração do espaço colonial com o desenvolvimento da exploração açucareira. A escolha por esse produto se deu, inicialmente, em função da possibilidade de comercialização com o amplo mercado consumidor europeu e as condições climáticas que favoreciam seu plantio no Brasil. Além disso, o domínio português sobre algumas eficientes técnicas de plantio também influíram nesta mesma decisão.

Contudo, apesar de tantas vantagens apresentadas pelo desenvolvimento dessa atividade, a produção açucareira exigia uma complexa infraestrutura que envolvia o uso de grandes propriedades, a farta disponibilidade de mão de obra, manutenção de pastos para animais de tração, extração de madeira e a construção de instalações apropriadas para o beneficiamento da cana-de-açúcar. De fato, a empresa colonial exigia um alto investimento.

Não tendo todo o capital exigido para o negócio, Portugal contou com o auxílio de banqueiros europeus que financiavam uma considerável parte deste empreendimento. Dentre esses financiadores se destacavam os banqueiros holandeses, que, com o passar do tempo, passaram também a intermediar a negociação do produto em diferentes pontos da Europa. Assumindo o papel de atravessadores, acabavam abocanhando uma considerável parcela dos lucros.

O expressivo papel desempenhado pelos holandeses na consolidação da empresa açucareira foi de grande importância para a expansão da classe mercantil daquele país. Além disso, o ritmo de exploração e desenvolvimento dos centros de produção no Brasil provavelmente não teria alcançado o mesmo ritmo sem essa mesma participação do capital holandês. Apesar do bom relacionamento comercial que se desenvolvia entre Portugal e Holanda, essa parceria tomou outros rumos no final do século XVI.

Nesse período, os reinos ibéricos passaram por diversas transformações. Em 1578, o trono português ficou vago mediante a existência de um herdeiro que pudesse assumir o cargo. Com isso, o rei espanhol Filipe II, neto do rei português Dom Manuel I, reivindicou o governo de Portugal, provocando a unificação das coroas portuguesa e espanhola. Mas afinal, de que maneira essa nova configuração política afetou a participação holandesa na exploração do açúcar?

Historicamente, o processo de formação do Estado holandês se desenvolveu entre diversos confrontos contra o domínio político dos espanhóis naquela região. De fato, em 1579 – um ano antes da unificação dos reinos ibéricos – os holandeses proclamaram a sua independência em relação ao trono espanhol. No ano seguinte, quando a Espanha assumiu o governo de Portugal, a Holanda perdeu automaticamente todos os direitos de participação na exploração da economia açucareira.

Dessa maneira, buscando reverter os prejuízos que a retaliação dos espanhóis causava à economia do país, os holandeses decidiram organizar expedições para promover a invasão das terras brasileiras. Tentando inicialmente ocupar a Bahia e depois se fixando na região de Pernambuco, a Holanda passou a controlar diretamente a empresa açucareira no Brasil entre os séculos XVI e XVII.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Publicado por Rainer Gonçalves Sousa
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

Motins do Maneta
Motins do Mante, Motim do Maneta, Motim Patriota, Salvador, Rio de Janeiro, pacto colonial, Guerra de Sucessao Espanhola, João de Figueiredo da Costa, Manuel Dias Figueiras, René Duguay-Trouin, Domingos da Costa Guimarães, Luís Chafet, Domingos Gomes.
Renascimento Agrícola
História Colonial, Brasil Colônia, História Econômica do Brasil, Renascimento Agrícola, cana-de-açúcar, algodão, Revolução industrial, pecuária, Inglaterra, técnicas rudimentares, uso indiscriminado do solo.