Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História do Brasil
  3. Brasil Colônia
  4. Renascimento Agrícola

Renascimento Agrícola

No estudo da economia colonial, muitas vezes temos a estranha impressão de que os negócios aqui estabelecidos apareceram de forma diacrônica. Em outros termos, aceitamos facilmente aquela antiga idéia de que a economia colonial viveu diferentes ciclos. Por fim, acabamos por acreditar que o auge e a crise do açúcar nordestino configuram um período que depois perdeu espaço para a extração aurífera dos séculos XVII e XVIII.

Geralmente ficamos perdidos com aquela impressão de que, por exemplo, a economia nordestina inexistia depois da crise do açúcar ou que o Centro-Oeste foi condenado à miséria com o escasseamento de suas reservas auríferas. No entanto, temos que levar em conta que a crise ou enfraquecimento não significou a queda de determinadas atividades agrícolas. O que acontece é que a ótica exploradora da colonização portuguesa enfraquecia por demais a colônia, na medida em que essa vivia em função das condições econômicas de seu mercado externo.

Outras atividades econômicas complementares eram limitadas ou impedidas por uma política que pouco se preocupava com as necessidades inerentes à própria população local. Dessa forma, o auge e a crise eram reflexos de uma economia desprovida de mecanismos que lhe fornecesse maior autonomia. Por isso, é importante frisar como a economia açucareira e outras atividades agrícolas também sofreram oscilações que podem ser mais bem observadas quando destacamos, ao longo do século XVIII, o fenômeno do chamado Renascimento Agrícola.

Esse período da economia colonial surgiu logo depois da euforia da economia aurífera e significou a exploração de outros ramos da economia. Durante o século XVIII, observamos que o advento da Revolução Industrial e o sensível crescimento populacional europeu abriram portas para o aumento no consumo de produtos tropicais. Além disso, as guerras de independência e a política lusitana de aclimatação de novos gêneros agrícolas favoreceram a diversificação da nossa economia.

Com o crescimento da indústria têxtil britânica, regiões do Maranhão, Pará, Goiás e Paraná tornaram-se um dos principais focos da plantação algodoeira mundial. Nesse mesmo período, as antigas plantações de açúcar do Nordeste reacenderam seu ritmo de produção. As guerras de independência do Haiti foram responsáveis pela anulação de um dos principais concorrentes dos senhores de engenho brasileiros.

Na região das minas, a anterior economia focada em ambientes urbanos cedeu espaço para o desenvolvimento da pecuária, o comércio dos laticínios e o cultivo de gêneros agrícolas. Foi nesse período que a tão presente tradição agro-pecuarista da região centro-sul desenvolveu-se. De forma geral, o renascimento agrícola abrangeu um período que vai das últimas décadas do século XVIII até a primeira metade do século XIX.

Essa ascensão de novas e antigas atividades econômicas enfraqueceu-se com a falta de um projeto que abrisse portas para o desenvolvimento de melhores técnicas de exploração e plantio. A grande disponibilidade de terras acabou incentivando um uso descontrolado das regiões férteis. Com isso, o abandono das regiões com solo desgastado, o uso das queimadas e o massivo sistema monocultor acabaram por retrair as novas atividades econômicas desse período.

Por Rainer Sousa
Mestre em História
Pecuária, uma das atividades desenvolvidas durante o renascimento agrícola.
Pecuária, uma das atividades desenvolvidas durante o renascimento agrícola.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assuntos relacionados
Representação da chegada do governador Tomé de Sousa à Bahia.
Governos gerais
Brasil Colônia, Administração Colonial, Colonização do Brasil, Governos Gerais, governador-geral, ouvidor-mor, capitão-mor, provedor-mor, Duarte da Costa, Tomé de Souza, Mem Sá, Invasão Francesa.
Quadro representando os jesuítas na catequização dos índios.
Jesuítas
História do Brasil, Brasil Colônia, Colonização do Brasil, Jesuítas, Ordem Jesuítica, Ordem de Jesus, catequização, ensino, educação, História da Educação no Brasil, reduções jesuíticas, atividades jesuíticas, primeiros colégios do Brasil, Guerras Guaraníticas, Marques de Pombal, expulsão dos jesuítas.
As Guerras Guaraníticas marcaram tragicamente o processo de redefinição dos limites coloniais.
Guerras Guaraníticas
O conflito que marcou a redefinição das fronteiras entre Portugal e Espanha.
Os holandeses desempenharam o papel de financiadores e intermediários na empresa açucareira lusitana.
Os holandeses e a economia açucareira
A participação da Holanda no desenvolvimento da economia açucareira no Brasil.
Os feitos de Calabar incitam um acalorado debate historiográfico.
Domingos Fernandes Calabar
Um das mais polêmicas figuras da história colonial brasileira.
Filipe II, o rei que uniu as coroas portuguesa e espanhola.
União Ibérica
União Ibérica, História do Brasil, Brasil Colônia, Dom Sebastião, Dom Henrique, Filipe II, dominação colonial, Restauração, Invasão Holandesa, Tratado de Madri, uti possidetis.
A batalha do Guararapes: o confronto entre os luso-pernambucanos e holandeses.
Insurreição Pernambucana
Invasões Holandesas, União Ibérica, Espanha, Companhia das Índias Orientais, Maurício de Nassau, guerras européias, cobrança das dívidas, Insurreição Pernambucana, Batalha das Tabocas, Batalha dos Guararapes, Campina da Taborda, indenização portuguesa.
Os motins do Maneta tomaram de assalto a cidade de Salvador.
Motins do Maneta
Motins do Mante, Motim do Maneta, Motim Patriota, Salvador, Rio de Janeiro, pacto colonial, Guerra de Sucessao Espanhola, João de Figueiredo da Costa, Manuel Dias Figueiras, René Duguay-Trouin, Domingos da Costa Guimarães, Luís Chafet, Domingos Gomes.
A escravidão no Brasil foi uma instituição cruel que existiu durante mais de 300 anos.
Escravidão no Brasil
Leia este texto e aprenda mais sobre a escravidão no Brasil. Veja sobre a origem dessa instituição, conheça os grupos escravizados e entenda como foi proibida.
As câmaras municipais: espaços de representação do poder local e da exclusão política no período colonial.
Câmaras Municipais
Uma instituição que revelou interessantes traços da política colonial.
As casas de fundição integravam o sistema de fiscalização e a cobrança da Coroa Portuguesa.
A fiscalização sobre a atividade mineradora
Os impostos e mecanismos metropolitanos utilizados no controle da mineração colonial.
A “brecha camponesa” contribuiu na diminuição dos conflitos entre escravos e senhores.
Brecha Camponesa
A prática que concedia pequenos lotes de terra aos escravos.