Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Revolução Francesa
  4. Calendário revolucionário francês

Calendário revolucionário francês

Com a instauração da República através da formação da Convenção Nacional em 20 de setembro de 1792 e, principalmente, depois da chegada dos jacobinos ao poder, em 2 de julho de 1793, a Revolução Francesa se radicalizou, buscando transformar completamente a sociedade francesa.  Uma das medidas usadas para empreender essa transformação profunda foi a criação de um novo calendário, diferente do calendário gregoriano, símbolo do cristianismo e do Antigo Regime Monárquico que havia sido extinto. Ele foi adotado a partir de 1793, mas seu início marcaria a data de 22 de setembro de 1792, dia da instauração da República.

O objetivo era iniciar a marcação de uma nova era de ruptura com as tradições cristãs e mais próxima ao racionalismo burguês. O ano I, iniciado em 1792, era o ano da adoção da Constituição que havia instituído o sufrágio universal, a democratização.

A elaboração do calendário foi obra do matemático Gilbert Romme, que manteve a divisão do ano em 12 meses, mas com profundas alterações nas demais marcações. Os meses seriam compostos por trinta dias, divididos em semanas de 10 dias, que foram chamadas de decêndios. Os dias eram numerados de um a dez, recebendo os seguintes nomes: primidi, duodi, tridi, quartidi, quintidi, sextidi, septidi, octidi, nonidi e décadi. Posteriormente, cada dia receberia um nome específico, retirado de elementos da natureza como plantas, animais, pedras etc. A quantidade de dias dentro desses meses somava 360 dias. E havia ainda a defasagem entre o tempo do calendário e o tempo dos movimentos da terra e dos demais astros celestes. Para isso instituiu-se cinco dias de feriados, os dias dos sans-culottes, mantendo ainda a utilização do dia bissexto a cada quatro anos.

A marcação do tempo dentro de um dia também foi alterada com o estabelecimento do dia de 10 horas, contando cada hora com 100 minutos e cada minuto com 100 segundos. Pode-se perceber que a base do cálculo era a numeração decimal.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Para a denominação dos meses, os revolucionários pediram que o poeta Fabre d’Eglantine criasse uma nova denominação para cada um deles. Sua inspiração foi encontrada na referência às estações do ano, ficando da seguinte forma o calendário:

Outono

Vindimiário (vendémiaire, remetendo à colheita da uva): 22 de setembro a 21 de outubro;

Brumário (brumaire, remetendo às brumas, aos nevoeiros): 22 de outubro a 20 de novembro;

Frimário (frimaire, remetendo às geadas): 21 de novembro a 20 de dezembro.

Inverno

Nivoso (nivôse, remetendo à neve): 21 de dezembro a 19 de janeiro;

Pluvioso (pluviôse, remetendo às chuvas): 20 de janeiro a 18 de fevereiro;

Ventoso (ventôse, remetendo aos ventos): 19 de fevereiro a 20 de março.

Primavera

Germinal (germinal, remetendo à germinação): 21 de março a 19 de abril;

Florial (floréal, remetendo às flores): 20 de abril a 19 de maio;

Prairial (prairial, remetendo aos prados): 20 de maio a 18 de junho.

Verão

Messidor (messidor, remetendo às colheitas): 19 de junho a 18 de julho;

Termidor (thermidor, remetendo ao calor): 19 de julho a 17 de agosto;

Frutidor (fructidor, remetendo ao fruto, à frutificação.): 18 de agosto a 20 de setembro.

Os dias dos sans-culottes seriam entre 17 de setembro e 21 de setembro.

Este calendário eliminou ainda os feriados religiosos, bem como os domingos utilizados pelos cristãos como dia de adoração a Deus. O resultado foi a oposição da população ao calendário, já que a sua maioria era cristã. Com a chegada de Napoleão ao poder, foram ordenados o fim da utilização do calendário revolucionário e a volta do calendário gregoriano a partir de 31 de dezembro de 1805. O calendário revolucionário francês seria reutilizado somente nos dois meses de vigência da Comuna de Paris, em 1871.

Utilizado para marcar o surgimento de uma nova era, o calendário revolucionário francês pretendia acabar com a influência cristã na marcação do tempo
Utilizado para marcar o surgimento de uma nova era, o calendário revolucionário francês pretendia acabar com a influência cristã na marcação do tempo
Publicado por: Tales dos Santos Pinto
Assuntos relacionados
Babeuf e Conspiração dos Iguais: último suspiro dos setores populares dentro da Revolução Francesa.
Diretório
O momento em que a burguesia reassume a Revolução Francesa.
Os sans-culottes eram assim chamados pelo uso das calças compridas, diferentemente das vestimentas dos ricos.*
Sans-culottes e as sociedades fraternais
Saiba quem foram os sans-culottes e como se organizaram durante a Revolução Francesa com o objetivo de transformar a ordem da sociedade.
Luis XVI: o rei que vivenciou algumas das tensões que antecederam a Revolução Francesa.
Antecedentes da Revolução Francesa
Antecedentes da Revolução Francesa, Absolutismo, Antigo Regime, Iluminismo, Revolução Francesa, Guerra dos Sete Anos, Independência dos Estados Unidos, tributos, impostos, economia feudal, crise de abastecimento, processo revolucionário francês.
Os sans-culottes e Robespierre: figuras centrais do cenário político composto durante a Convenção Nacional.
Convenção Nacional
O período de radicalização da Revolução Francesa.
Bonaparte representado em um selo. As conquistas napoleônicas marcaram o apogeu e o declínio do Império francês sob seu comando
Conquistas napoleônicas: Ascensão e Queda
As conquistas napoleônicas marcaram a expansão do Império francês após a consolidação da Revolução Francesa.