Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Idade Moderna
  4. Formação das Monarquias Nacionais

Formação das Monarquias Nacionais

O processo de formação das monarquias nacionais européias remonta uma série de mudanças que se iniciaram durante a Baixa Idade Média. De fato, o processo de consolidação das monarquias foi um dos mais evidentes sinais das transformações que assinalavam a crise do sistema feudal e a construção do sistema capitalista, legitimado pela nascente classe burguesa. No entanto, mesmo a surgir nesse contexto de mudança, as monarquias não simbolizavam necessariamente a crise do poder nobiliárquico.

Nesse sentido, a constituição das monarquias pode ser compreendida enquanto um processo que conseguiu atender simultaneamente os interesses dos nobres e dos burgueses. Por um lado, a formação das monarquias conseguiu conter as diversas revoltas camponesas que marcaram os finais da Idade Média com a reafirmação da propriedade feudal. Por outro, essas mesmas monarquias implantaram um processo de padronização fiscal e monetário que atendia a demanda econômica da classe burguesa.

Por isso, podemos notar que o Estado Monárquico buscava preservar algumas tradições medievais e criar novos mecanismos de organização política. Nesse novo contexto, o poder local dos senhores feudais foi suprimido em favor da autoridade real. No entanto, os nobres ainda preservaram alguns importantes privilégios, principalmente no que se refere à isenção no pagamento de impostos. Somente os burgueses e a classe campesina estavam sujeitas às cobranças de taxa.

Grande parte dos impostos arrecadados era utilizada para organizar os exércitos responsáveis pela contensão dos conflitos internos e a defesa dos interesses políticos da nação contra os demais estados estrangeiros. Nesse sentido, percebemos que a Europa moderna foi marcada por intensos conflitos aonde o controle por territórios instalou sucessivos episódios de guerra. A partir dessa nova demanda, exércitos permanentes foram formados sem a intervenção personalista da classe nobiliárquica.

No campo econômico as atividades comerciais tinham papel fundamental no enriquecimento e consolidação da autoridade real. Por isso, diversos reis ficaram preocupados em adotar medidas que protegessem a economia contra a entrada de produtos estrangeiros (protecionismo) e conquistar áreas de exploração colonial, principalmente, no continente americano. Dessa forma, podemos ver que o Estado Absolutista teve grande papel no desenvolvimento da economia mercantil.

O rei, sendo a expressão máxima desse tipo de governo, contou não só com auxílio dos grupos sociais burgueses e nobiliárquicos. Tendo a Europa preservado uma forte religiosidade, foi de fundamental importância que a Igreja reafirmasse a consolidação dessa nova autoridade por meio de justificativas ligadas à vigente fé cristã. Nesse sentido, o rei era muitas vezes representado e idealizado como um representante dos anseios divinos para com a Nação.

Sendo esse um processo histórico que permeou toda a Europa Ocidental, a ascensão das autoridades monárquicas foi claramente observada entre os séculos XII e XV. Entre os principais representantes dessa nova experiência política podemos destacar a formação das monarquias em Portugal, na Espanha, na Inglaterra e na França. O auge desse tipo de governo foi vivido entre os séculos XVI e XVII, mas logo foi desestabilizado pelas críticas e revoluções liberais iniciadas no século seguinte.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
O processo de formação das Monarquias Nacionais atribuiu novas feições à Europa.
O processo de formação das Monarquias Nacionais atribuiu novas feições à Europa.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
A coroação de Guilherme de Orange marcou o desfecho da Revolução Inglesa.
Revolução Inglesa
Revolução Inglesa, Revoluções Burguesas, Henrique VIII, Anglicanismo, Elizabeth I, desenvolvimento da burguesia inglesa, Carlos I, Jaime I, Oliver Cromwell, Atos de Navegação, restauração monárquica, Revolução Gloriosa, Jaime II, Guilherme de Orange, Declaração de Direitos.
Guerra dos Trinta Anos
Clique no link e veja como as disputas religiosas motivaram a Guerra dos Trinta Anos. Acompanhe os períodos da guerra, os principais países em disputa e como acabou.
Com a Revolução Gloriosa, Maria Stuart, filha de Jaime II, foi coroada rainha da Inglaterra.
Revolução Gloriosa
Clique e acesse este texto para ter informações sobre a Revolução Gloriosa, a primeira revolução burguesa da história e que marcou a queda da dinastia Stuart.
Oliver Cromwell e Carlos I morto, tela de Paul Delaroche (1797-1856)
Cromwell e a Revolução Puritana Inglesa
A Revolução Puritana foi o processo histórico que garantiu a consolidação da revolução burguesa na Inglaterra.
O rei de Portugal, Manuel I, foi o responsável pela medida de manter à força em território lusitano os cristãos-novos
Cristãos-novos
Saiba quem foram os cristãos-novos, por que recebiam esse nome e que tipo de perseguição sofreram em terreno português durante a Idade Moderna.
A Família Real inglesa é uma das famílias reais mais tradicionais e um símbolo das monarquias no mundo todo.*
Monarquia
Clique aqui para saber mais a respeito da forma de governo mais antiga que existe atualmente: a monarquia. Conheça os modelos e as características das monarquias.
O capitalismo começou a se expandir ao fim da Idade Média, criando inúmeras instituições, como os bancos
Capitalismo e seu desenvolvimento
Conheça as principais características do capitalismo e como ele se desenvolveu em sua história.
A saída de Portugal era apenas o primeiro passo de uma desafiadora aventura.
A aventura das grandes navegações
Os infortúnios e rotinas que marcaram essa aventura histórica.