Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Idade Contemporânea
  4. Neocolonialismo na África e a Conferência de Berlim

Neocolonialismo na África e a Conferência de Berlim

Após a partilha da África na Conferência de Berlim, o neocolonialismo de nações europeias avançou por esse continente com o objetivo de explorar as possibilidades econômicas.

O neocolonialismo foi um ciclo imperialista que levou os países europeus a ocuparem a África e a Ásia, transformando esses territórios em suas colônias. A ocupação desses continentes aconteceu no processo de crescimento industrial vivenciado pela Europa após a Segunda Revolução Industrial, no século XIX. Os interesses das potências europeias pela África resultaram na realização da Conferência de Berlim, entre 1884-1885.

Segunda Revolução Industrial

A Europa do século XIX vivenciou transformações profundas possibilitadas pelo grande desenvolvimento tecnológico do período. Novas fontes de energia passaram a ser utilizadas, como a energia elétrica e o uso do petróleo para produção de combustível para os motores à combustão. Aconteceram ainda avanços na química e na produção de metais, nos meios de transportes e comunicação etc.

Esse desenvolvimento tecnológico resultou na Segunda Revolução Industrial, que possibilitou o crescimento das indústrias na Europa e o desenvolvimento dos países dentro de uma economia capitalista. Esse processo gerou uma demanda contínua por matérias-primas e uma grande necessidade por novos mercados consumidores que conseguissem absorver as mercadorias produzidas.

Assim, África, Ásia e Oceania transformaram-se em alvos dos países europeus, desejosos em implantar um sistema de exploração econômica intensa nessas regiões. O continente mais disputado foi o africano, onde uma série de potências europeias instalaram-se e criaram colônias exploratórias.

Partilha da África

Até a década de 1870, países europeus possuíam acordos econômicos com alguns reinos africanos e/ou controle parcial sobre algumas regiões. No entanto, a presença europeia na África tornou-se mais evidente a partir de três ações, que foram destacadas por Valter Roberto Silvério|1|:

  1. O interesse demonstrado pelo rei belga Leopoldo I (sucedido por seu filho Leopoldo II) no Congo (atual República Democrática do Congo) levou ao estabelecimento de uma associação para explorar esse território;

  2. Expedições portuguesas promoviam a ocupação de territórios no interior de Moçambique;

  3. Crescente presença francesa no Egito, Tunísia e Madagáscar.

A sucessão desses eventos desencadeou um grande interesse por territórios no continente africano por parte dos países europeus. A ocupação da África e as disputas por terras levaram os países europeus a organizarem a chamada Conferência de Berlim. Essa conferência, sugerida por Portugal, foi organizada pelo primeiro-ministro alemão Otto von Bismarck entre 1884-1885.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A conferência debateu questões relativas ao domínio belga sobre o Congo e à navegação dos rios Congo e Níger. Além disso, principalmente por ação do Reino Unido, foi estipulado que Portugal deveria abrir mão de suas demandas territoriais em relação a Angola e Moçambique. Por fim, o encontro dos países europeus organizou a ocupação de outros territórios. A Conferência de Berlim praticamente consolidou o domínio europeu sobre o continente africano.

Justificativas e resistência

A ocupação do continente africano pelas potências europeias foi justificada como uma missão civilizatória. As nações europeias argumentavam que levariam as benfeitorias da civilização ocidental: a modernidade tecnológica, o cristianismo e os conceitos de civilização que dariam fim à escravidão ainda existente em algumas partes da África.

Esse discurso, no entanto, era apenas um pretexto utilizado pelos países europeus para mascarar o real objetivo de impor um processo exploratório intenso sobre a África. A ocupação desse continente era também justificada a partir de teorias racistas muito comuns no século XIX.

Entre essas teorias racistas em voga, destacou-se o darwinismo social que, a partir de uma leitura incorreta da teoria da evolução das espécies de Charles Darwin, defendia a ideia da existência de “raças humanas superiores”. Assim, por meio dessa leitura deturpada das ideias de Darwin, muitos argumentavam que a missão de levar a “civilização” aos “selvagens” africanos era um fardo do homem branco.

A chegada dos europeus ao continente africano, no entanto, foi alvo de forte resistência em diferentes partes da África. Esses movimentos de resistência procuraram afastar a influência e/ou presença dos europeus. Porém, o poderio militar dos europeus levou esses movimentos de resistência à derrota. A presença europeia na África estendeu-se até meados do século XX.

|1| SILVÉRIO, Valter Roberto. Síntese da coleção História Geral da África: século XVI ao século XX. Brasília: UNESCO, MEC, UFSCar, 2013, p. 341.

Imagem retrata europeus aprisionando e escravizando africanos no século XIX
Imagem retrata europeus aprisionando e escravizando africanos no século XIX
Publicado por: Daniel Neves Silva
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios

Questão 1

Um evento considerado definidor para a ocupação neocolonialista do continente africano foi a Conferência de Berlim, organizada em 1884 e 1885. Essa conferência determinou algumas regras para a ocupação da África e foi organizada por:

a) Leopoldo II

b) Otto von Bismarck

c) Leopoldo I

d) Charles Darwin

e) Luís I de Portugal

Questão 2

O neocolonialismo no continente africano foi justificado pelos europeus como missão civilizatória para encobrir seus interesses econômicos nesse território. Além disso, o neocolonialismo era baseado em inúmeras teorias raciais do período, destacando-se entre elas o darwinismo social. Acerca do darwinismo social, podemos afirmar que:

a) partindo de uma leitura incorreta e racista da Teoria da Evolução das Espécies, de Charles Darwin, o darwinismo social defendia a existência de raças humanas naturalmente superiores às outras.

b) o darwinismo social partia do princípio de que a adoção do cristianismo pelos europeus tornava-os superiores aos povos pagãos.

c) partia de um determinismo geográfico, que afirmava que o clima típico dos trópicos justificava a “inferioridade” do desenvolvimento social dos povos da África.

d) reforçava a visão fraternal da época que reforçava os laços de igualdade entre europeus e africanos.

e) afirmava que um povo com o poder das armas modernas obrigatoriamente deveria impor seu domínio contra outros povos.

Mais Questões
Assuntos relacionados
A África enfrenta diversos conflitos de origem étnica, religiosa e territorial que são reflexos da colonização do continente.
Conflitos na África
Saiba mais sobre os conflitos na África, os quais estão diretamente relacionados com o processo de colonização e independência dos países africanos. A partilha desse continente foi feita de acordo com os interesses dos colonizadores, resultando em uma série de conflitos. Leia este texto e entenda mais sobre o assunto.
O imperialismo (XIX) é a principal causa da miséria econômica de países africanos e asiáticos atualmente
Darwinismo social e imperialismo no século XIX
Saiba como os europeus legitimaram, por meio do darwinismo social, o imperialismo no século XIX, dominando e conquistando os continentes africano e asiático.
Memorial com os nomes das vítimas tutsis do genocídio ruandês de 1994*
Guerra Civil em Ruanda
Entenda o que provocou a Guerra Civil em Ruanda, conflito que resultou no genocídio de milhares de tutsis em 1994.
A ação imperialista na Ásia contou com a participação de várias potências econômicas.
Imperialismo na Ásia
A dominação imperialista no mundo oriental.
Mahatma Gandhi foi uma das grandes personalidades da Índia no século XX*
Mahatma Gandhi
Clique no link e tenha acesso a informações e detalhes sobre a vida do conhecido ativista indiano Mahatma Gandhi.
Os movimentos de resistência africanos visavam expulsar os invasores europeus do continente
Movimentos de resistência ao neocolonialismo na África
Conheça alguns dos movimentos de resistência ao neocolonialismo que lutaram contra o domínio europeu na África a partir do século XIX.
Nelson Mandela
Clique aqui para ter acesso a detalhes importantes da história de vida de Nelson Mandela, ativista sul-africano que lutou contra o “apartheid”.
Ranavalona II foi rainha de Madagáscar de 1868 a 1883 e procurou garantir a soberania do país durante seu reinado*
Resistência ao neocolonialismo em Madagáscar
Saiba mais a respeito da imposição do neocolonialismo em Madagáscar e conheça as formas de resistência que lá surgiram.
Segunda Revolução Industrial
Saiba o que foi a Segunda Revolução Industrial e conheça suas principais invenções. Leia a respeito de suas causas, consequências e como o processo deu-se no Brasil.