Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Revolução Francesa
  4. Sans-culottes e as sociedades fraternais

Sans-culottes e as sociedades fraternais

Um dos grupos sociais mais atuantes nos acontecimentos da Revolução Francesa foram, sem dúvida, os sans-culottes. Eles eram assim chamados pelo fato de utilizarem calças compridas e largas, contrariamente aos ricos, que usavam calças curtas e apertadas até a altura do joelho, chamadas de culottes. Sans-culottes eram, então, os sem culottes. Mas de onde provinham os sans-culottes?

Os sans-culottes eram trabalhadores urbanos, pequenos comerciantes ou mesmo desempregados. Durante a Revolução passaram também a serem referidos aos grupos políticos mais radicais, constituindo a base de apoio dos políticos populares. Estes iriam implantar as políticas mais radicais a partir do aparelho de Estado, principalmente durante o período denominado de Terror, entre 1793-1795, liderado pelos jacobinos.

Mas, além da função de apoio aos jacobinos, os sans-culottes tinham práticas sociais distintas, que os caracterizariam como um grupo social que prezava pela igualdade entre os cidadãos. Os sans-culottes formaram, em 1790, a Sociedade Fraternal dos Patriotas de Ambos os Sexos e também a Sociedade dos Condeliers, que no ano seguinte passou a liderar o movimento, criando posteriormente um comitê central das sociedades com o intuito de coordenar as ações dos sans-culottes. Essas sociedades se formaram como resposta dos sans-culottes à exclusão da participação na vida política, decretada em dezembro de 1789, instituindo o voto censitário. Como não tinham propriedades e também não tinham capacidade de contratar assalariados, os sans-culottes não podiam votar. As associações foram a forma de organização política e social encontrada para que se colocassem ativamente dentro do processo de transformação social que foi a Revolução Francesa.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Com o crescimento das sociedades e da força social dos sans-culottes, leis de repressão e de organização às reuniões foram feitas, buscando controlar uma ação política e social mais ativa das camadas populares. As organizações em associações pressupunham uma nova forma de organização social tanto pela fraternidade e igualdade praticadas internamente quanto pelo papel conseguido pelas mulheres. Estas chegaram inclusive a formar sociedades próprias e autônomas que também foram reprimidas por representarem um grave perigo à dominação das classes superiores da sociedade.

Devido à sua força social, os sans-culottes conseguiram ser também protagonistas no processo revolucionário francês, radicalizando as ações de transformação social e sendo alvo das ações repressivas das classes dominantes quando estas voltaram a deter o poder.

* Crédito da Imagem: Deutsches Strumpf Museum

Os sans-culottes eram assim chamados pelo uso das calças compridas, diferentemente das vestimentas dos ricos.*
Os sans-culottes eram assim chamados pelo uso das calças compridas, diferentemente das vestimentas dos ricos.*
Publicado por: Tales dos Santos Pinto
Assuntos relacionados
Os sans-culottes e Robespierre: figuras centrais do cenário político composto durante a Convenção Nacional.
Convenção Nacional
O período de radicalização da Revolução Francesa.
Babeuf e Conspiração dos Iguais: último suspiro dos setores populares dentro da Revolução Francesa.
Diretório
O momento em que a burguesia reassume a Revolução Francesa.
Napoleão Bonaparte com os trajes de sua coroação como Imperador.*
Império Napoleônico e a consolidação burguesa
Com o Império Napoleônico, Bonaparte pretendeu dominar a Europa e difundir o poder da burguesia.
Luis XVI: o rei que vivenciou algumas das tensões que antecederam a Revolução Francesa.
Antecedentes da Revolução Francesa
Antecedentes da Revolução Francesa, Absolutismo, Antigo Regime, Iluminismo, Revolução Francesa, Guerra dos Sete Anos, Independência dos Estados Unidos, tributos, impostos, economia feudal, crise de abastecimento, processo revolucionário francês.
Utilizado para marcar o surgimento de uma nova era, o calendário revolucionário francês pretendia acabar com a influência cristã na marcação do tempo
Calendário revolucionário francês
O calendário revolucionário adotado pelos republicanos jacobinos extinguiu o calendário gregoriano e instaurou outro modo de contagem do tempo.