Tratado de Latrão

O Tratado de Latrão, um acordo assinado em 1929 entre o Reino da Itália e a Santa Sé, colocou fim a uma rivalidade que existia entre os dois lados há décadas.

O que foi o Tratado de Latrão?

O Tratado de Latrão foi um documento assinado entre o Reino da Itália e a Santa (Igreja Católica) em 1929. Conduzido por Benito Mussolini e pelo papa Pio XI, o acordo colocou fim à Questão Romana e ao desentendimento que existia entre o governo italiano e a Igreja Católica desde a segunda metade do século XIX. Com a assinatura desse tratado, surgiu o Estado da Cidade do Vaticano.

Questão Romana

O Tratado de Latrão foi um acordo extremamente importante tanto para o Reino da Itália quanto para a Igreja Católica e garantiu muito prestígio para o regime fascista de Benito Mussolini. Para que possamos compreender a importância estratégica desse trabalho, é fundamental que entendamos a Questão Romana.

A partir da década de 1850, iniciou-se na Península Itálica um processo conhecido como Unificação Italiana. Esse movimento foi liderado pelo Reino de Piemonte-Sardenha e consistiu na formação e consolidação do Estado-nação da Itália mediante a junção dos reinos que existiam na península.

Pouco a pouco, Piemonte-Sardenha, governado pelo rei Vitor Emanuel II, foi conquistando os reinos na Península Itálica e acrescentando-os aos seus domínios. Em 1861, o Reino da Itália foi oficialmente criado. Em 1870, o processo de unificação já estava praticamente concluído, mas faltava ainda conquistar os Estados Papais e a principal cidade da região: Roma.

Até então, essas conquistas não tinham acontecido porque a região era protegida por tropas francesas enviadas por Napoleão III, imperador da França. Em 1870, no entanto, com o início da Guerra Franco-Prussiana, o imperador francês foi obrigado a retirar as tropas francesas dos Estados Papais.

Com a saída das tropas de Napoleão, os Estados Papais foram invadidos pelo Reino da Itália, que agregou ao seu reinado as terras dominadas pela Igreja Católica, incluindo Roma – que se tornou capital da Itália. Na época, o rei italiano tentou negociar com o papa Pio IX condições que garantiriam a soberania da Santa Sé, mas a proposta foi negada pelo papa. Com isso, iniciou-se um desentendimento que se estendeu por quase 60 anos.

As relações entre o Reino da Itália e a Santa Sé eram tão ruins que o papa IX, além de não reconhecer a legitimidade do Reino da Itália, excomungou o rei italiano e proibiu, no começo do século XX, os fiéis católicos de concorrerem a cargos públicos no governo italiano. As negociações entre os dois lados só foram retomadas, secretamente, durante a década de 1920.

Acesse também: Conheça a origem dos grupos que surgiram inspirados no nazismo alemão

Criação do Vaticano

Papa Pio XI
A assinatura do Tratado de Latrão aconteceu durante o pontificado de Pio XI.*

Na década de 1920, as relações entre o Reino da Itália e a Santa Sé ainda eram ruins. O desentendimento entre os dois lados desgastava os governos italianos, criando muitos problemas para a Itália, até mesmo em questões relacionadas à diplomacia internacional.

Por conta disso, Benito Mussolini – líder do fascismo e primeiro-ministro da Itália desde 1922 – sabia a importância de reatar as relações com a Igreja Católica. Além disso, um acordo com a Santa Sé também seria interessante porque traria renome e prestígio para seu governo. Sendo assim, o líder italiano procurou melhorar as relações com a Igreja Católica.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A postura de Mussolini fez com que o papa Pio XI demonstrasse abertura para negociar com o governo italiano, mas, para isso, exigiu que as negociações acontecessem diretamente entre as duas partes. A receptividade do papa animou Mussolini, e, em agosto de 1926, os dois lados iniciaram os acordos.

A Santa Sé nomeou Francesco Pacelli como seu representante nas negociações, enquanto que Mussolini nomeou Domenico Barone para representar o governo italiano. Francesco Pacelli era membro de uma família italiana que servia aos papas há décadas, e Domenico Barone era o advogado do governo.

As negociações estenderam-se por mais de dois anos e, durante alguns momentos, pareceram que estavam fadadas ao fracasso. Apesar dos altos e baixos, o Tratado de Latrão foi assinado em 11 de fevereiro de 1929, na Sala dos Papas, localizada no Palácio de Latrão. Na ocasião, Benito Mussolini e Pietro Gasparri, secretário da Santa Sé, assinaram o documento ratificando o acordo entre as partes.

O Tratado de Latrão era um documento composto por três partes, cada uma delas abordando um assunto específico.

  • Primeira parte: garantia a criação e a soberania do Estado da Cidade do Vaticano, estabelecendo seus limites territoriais. Além disso, impedia a Itália de interferir nos assuntos internos do Vaticano.

  • Segunda parte: determinava questões referentes às relações entre Itália e o Vaticano, determinava o ensino do catolicismo como matéria obrigatória nas escolas secundárias e garantia a ação de grupos católicos no território italiano.

  • Terceira parte: estipulava um acordo financeiro em que o governo italiano deveria indenizar a Santa Sé por todos os territórios cedidos pelos Estados Papais. O valor estipulado, de acordo com atualização de 2013, foi de um bilhão de dólares1.

A assinatura do Tratado de Latrão foi comemorada em toda a Itália, por membros da Igreja Católica, do Partido Fascista e por cidadãos comuns. O acordo colocou fim a um desentendimento de décadas e garantiu um incremento considerável da reputação de Benito Mussolini e do regime fascista da Itália.


Com a fundação do Estado da Cidade do Vaticano, a bandeira do Vaticano foi criada.

Com o Tratado de Latrão, a Igreja Católica aproximou-se oficialmente do fascismo, uma vez que o próprio papa passou a afirmar que Mussolini era um homem “enviado pela Providência”. Como parte da repercussão, os jornais italianos esgotaram vendas de edições que traziam informações sobre o acordo, e missas especiais foram realizadas na Itália. Entre as pessoas comuns, o grande apelo do tratado foi possibilitar ao cidadão a autoafirmação como italiano e católico.

Papas depois do Tratado de Latrão

O Tratado de Latrão foi assinado em fevereiro de 1929, durante o pontificado de Pio XI. A partir de então, os papas, que já eram autoridades religiosas no catolicismo, passaram a ser também autoridades temporais dentro do território do Vaticano. Desde o tratado, a Igreja Católica possuiu oito papas, incluindo o papa Pio XI:

  1. Pio XI (1922-1939)

  2. Pio XII (1939-1958)

  3. São João XXIII (1958-1963)

  4. Paulo VI (1963-1978)

  5. João Paulo I (1978)

  6. João Paulo II (1978-2005)

  7. Bento XVI (2005-2013)

  8. Francisco (2013-)

________________________
1 KERTZER, David I. O Papa e Mussolini: a conexão secreta entre Pio XI e a ascensão do fascismo na Europa. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2017, pp. 132-133.

*Créditos da imagem: Catwalker e Shutterstock

Com o Tratado de Latrão, assinado em 1929, ficou ratificada a criação de um Estado para a Igreja Católica: o Estado da Cidade do Vaticano.
Com o Tratado de Latrão, assinado em 1929, ficou ratificada a criação de um Estado para a Igreja Católica: o Estado da Cidade do Vaticano.
Publicado por: Daniel Neves Silva
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Lista de Exercícios

Questão 1

O Tratado de Latrão, oficialmente assinado em 11 de fevereiro de 1929, ratificou a criação de qual nação?

a) San Marino

b) Andorra

c) Vaticano

d) Liechtenstein

e) Luxemburgo

Questão 2

A disputa no campo diplomático existente entre a Santa Sé (Igreja Católica) e o Reino da Itália ficou conhecida como

a) Questão Religiosa.

b) Questão Papal.

c) Cisma do Ocidente.

d) Questão Romana.

e) Questão Italiana.

Mais Questões
Assuntos relacionados
António Salazar foi o líder da ditadura conhecida como Estado Novo. Governou Portugal, de 1933 a 1968, e foi afastado por problemas de saúde.*
Salazarismo
Acesse este texto e conheça o salazarismo, regime ditatorial e conservador que governou Portugal durante quatro décadas. Saiba como se iniciou e como se encerrou.
Benito Mussolini foi o líder do Partido Nacional Fascista e assumiu o governo italiano em 1922.*
Fascismo
Clique para entender o que é fascismo de forma clara e fácil. Conheça aqui a história desse movimento, as características do fascismo, o que é neofascismo e também a história de ascensão do fascismo italiano, comandado por Benito Mussolini. Veja aqui o que deve ser levado em consideração ao classificar um governo como fascista.
Cavour e Garibaldi: personagens da unificação italiana munidos de diferentes concepções políticas.
Unificação Italiana
Unificação Italiana, Piemonte, Sardenha, Estados Pontifícios, Reino das Duas Sicílias, rei Carlos Alberto, Risorgimento, Jovem Itália, Giuseppe Garibaldi, camisas vermelhas, Vitor Emanuel II, Napoleão III, Benito Mussolini, Tratado de Latrão.
O rei Guilherme I, da Prússia (à direita, em primeiro plano), e seus generais
Guerra Franco-Prussiana
Entenda como ocorreu a Guerra Franco-Prussiana (1870-1871) e os efeitos provocados por ela.
Francisco Franco governou a Espanha por trinta e nove anos *
Francisco Franco
Saiba quem foi Francisco Franco e qual era a sua ligação com as causas da Guerra Civil Espanhola.
Selo croata de 1943 com o retrato do líder Ustasha Ante Pavelic *
Ustase e o Estado fantoche da Croácia (1941-1945)
Clique aqui e aprenda a respeito da criação do Estado Independente da Croácia e saiba em que ideais baseava-se o partido de extrema-direita Ustase.