Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Idade Contemporânea
  4. Guerra Franco-Prussiana

Guerra Franco-Prussiana

A Guerra Franco-Prussiana, que transcorreu entre os anos de 1870 a 1871, foi um dos mais importantes conflitos do século XIX e contribuiu para a formação do Império Alemão.

Um dos conflitos mais importantes do século XIX foi a Guerra Franco-Prussiana, que se desenrolou entre os anos de 1870 e 1871. Essa guerra, como o próprio nome indica, foi travada entre o Império Francês e o Reino da Prússia, governados, à época, por Napoleão III e Guilherme I, que tinha como primeiro-ministro Otto von Bismark, respetivamente. A Guerra Franco-Prussiana estava permeada pela atmosfera do Nacionalismo, ideologia política que levou à formação dos grandes impérios do século XIX, como o inglês, o francês, o italiano, o alemão, o japonês e o americano. Portanto, para compreendermos essa guerra, é necessário que saibamos como ela está relacionada com a formação do Império Alemão.

O Império Nacional Alemão formou-se ao longo da década de 1860 por meio de sucessivos conflitos e manobras diplomáticas comandados pelo primeiro-ministro da Prússia, Otto von Bismarck. Esse processo ficou conhecido como Unificação Alemã. A Guerra Franco-Prussiana pode ser entendida, grosso modo, como o “ponto final” da unificação da Alemanha, pois foi nessa guerra que a Prússia teve que se unir a todos os principados alemães (que, junto dela, formariam a nação alemã) para combater o Império Francês. Bismarck incitou essa guerra prevendo as suas consequências. Uma dessas consequências seria a unidade alemã e a criação do II Reich (Segundo Império), do qual ele seria o chanceler e Guilherme I, o imperador.

Napoleão III, da França, também tinha interesses em promover uma guerra contra a Prússia e seus aliados, acreditando que poderia vencer o conflito porque seus oficiais eram mais experientes e mais bem treinados que os germânicos. Os prussianos possuíam um exército modernizado, apesar de jovem – modernização essa que acompanhava o próprio desenvolvimento da indústria e da infraestrutura no país, principalmente no que se refere às linhas férreas, que fora realizado programaticamente por Bismarck. O modo como o exército prussiano deslocava-se (rápido e preciso) comprometeu, aos poucos, a experiente defesa francesa, como aponta o historiador Armando Vidigal:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

[...] A Alemanha, graças ao cuidadoso planejamento e esmerada organização do sistema de transporte, especialmente ferroviário, pôde colocar 3 exércitos em posição – cerca de 380 mil homens – em 18 dias. Por outro lado, na França, a confusão foi enorme: unidades chegaram ao front e sem meios de transporte, e os atrasos foram frequentes. Quando Napoleão III juntou-se ao Exército em Metz, a 28 de julho, nenhum corpo estava em condições de dar início às operações. Em consequência, perdeu-se a vantagem inicial que seria da França, com maior proporção de tropas profissionais e melhores armas portáteis. A vantagem alemã era numérica – além dos prussianos, contava com tropas de outros Estados da Confederação (inclusive da Saxônia e do Hesse) e também dos Estados do Sul (Bavária, Württemberg e Baden) –, além da superioridade da artilharia, em organização e mobilidade.[1]

A guerra, que teve início em julho de 1870, gerou sucessivas derrotas francesas. Em agosto, Napoleão III já havia sido capturado pelas tropas prussianas. O general francês Trochu ainda tentou comandar uma resistência a partir de um governo provisório, mas Paris foi cercada pelos prussianos em 19 de setembro. A resistência ocorreu até o dia 28 de janeiro de 1871. Nesse dia, foi assinado o armistício da França por Adolphe Thiers.

Ainda em 1871 foi assinado o Tratado de Frankfurt, que previa uma indenização de 1 bilhão de francos a ser paga pela França ao Império Alemão, bem como a concessão dos terrenos de Alsácia e Lorena. A fragilidade política da França naquele ano acabou gerando a chamada “Comuna de Paris”, uma das primeiras experiências comunistas da história.

NOTAS

[1] VIDIGAL, Armando. “Guerras da Unificação Alemã”. In: MAGNOLI, Demétrio (org.). História das Guerras. São Paulo: Contexto, 2013. p. 310.

O rei Guilherme I, da Prússia (à direita, em primeiro plano), e seus generais
O rei Guilherme I, da Prússia (à direita, em primeiro plano), e seus generais
Publicado por: Cláudio Fernandes
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Lista de Exercícios

Questão 1

(UFRS) Leia os itens abaixo que se referem a possíveis resultados imediatos da guerra Franco-Prussiana de 1870.

 

I- A ocupação imperialista da Argélia pela França.

II- A fundação da Internacional pelos nacional-socialistas da Áustria.

III- O fim do II Império Francês de Luís Bonaparte e a instauração do II Reich.

 

Quais estão corretas?

a) Apenas I.

b) Apenas II.

c) Apenas III.

d) Apenas I e III.

e) I, II e III.

Questão 2

Podemos dizer que, do ponto de vista político, a Guerra Franco-Prussiana:

 

a) possibilitou a união dos tronos austríaco e prussiano.

b) fortaleceu o Império Francês, redobrando o prestígio de Napoleão III.

c) desencadeou a Primeira Guerra Mundial.
d) fortaleceu os Estados alemães recém-unificados e possibilitou a criação do II Reich.

e) Não houve nenhuma repercussão para o Império Francês.  

Mais Questões
Assuntos relacionados
Frederico II, rei da Prússia, foi um dos principais envolvidos na Guerra dos Sete Anos
Guerra dos Sete Anos
Entenda o que foi e que importância teve a Guerra dos Sete Anos, que nasceu de uma rivalidade entre o Império Austríaco e o Reino da Prússia.
Pintura da visão panorâmica de Paris, em 1900, durante a “Exposição Universal”
Belle Époque
Você sabe o que é Belle Époque? Conheça o período da história ocidental que se situou entre a Guerra Franco-Prussiana e a Grande Guerra de 1914.
Com o Tratado de Latrão, assinado em 1929, ficou ratificada a criação de um Estado para a Igreja Católica: o Estado da Cidade do Vaticano.
Tratado de Latrão
Clique neste link e tenha acesso a este texto que traz informações a respeito do Tratado de Latrão, um acordo assinado entre o Reino da Itália e a Santa Sé que garantiu o surgimento do Estado da Cidade do Vaticano. Entenda por que esse tratado foi tão importante e quais foram os termos estabelecidos nele.
Cavour e Garibaldi: personagens da unificação italiana munidos de diferentes concepções políticas.
Unificação Italiana
Unificação Italiana, Piemonte, Sardenha, Estados Pontifícios, Reino das Duas Sicílias, rei Carlos Alberto, Risorgimento, Jovem Itália, Giuseppe Garibaldi, camisas vermelhas, Vitor Emanuel II, Napoleão III, Benito Mussolini, Tratado de Latrão.
Otto Von Bismarck: peça fundamental para que a unificação dos estados alemães acontecesse.
A Unificação Alemã
O processo histórico que deu origem ao Segundo Reich.
As bandeiras das nações contemporâneas simbolizam, em termos gerais, a história da formação de cada uma dessas nações
Nacionalismo
Conheça as características principais do Nacionalismo e fique sabendo também em que contexto ele desenvolveu-se!