Gustave Flaubert

Gustave Flaubert nasceu em 12 de dezembro de 1821, em Rouen, cidade francesa. Com 14 anos de idade, apaixonou-se por uma mulher casada. Esse amor platônico serviu como inspiração para a sua obra Memórias de um louco. No entanto, sua obra-prima é Madame Bovary, romance que inaugurou o Realismo na França.

Nesse livro, é possível perceber características do estilo tais como a objetividade, o antirromantismo e a crítica sociopolítica. Mas, apesar de ser considerado hoje a principal obra do Realismo europeu, em sua época, o livro sofreu censura, foi considerado imoral, e seu autor foi processado, fato que só contribuiu para o sucesso da obra.

Veja também: Machado de Assis — autor que deu início ao Realismo no Brasil

Biografia de Gustave Flaubert

Gustave Flaubert, em fotografia de Étienne Carjat (1828-1906).
Gustave Flaubert, em fotografia de Étienne Carjat (1828-1906).

Gustave Flaubert é um escritor francês nascido em 12 de dezembro de 1821, na cidade de Rouen. Com 14 anos, apaixonou-se por Élisa Schlésinger (1810-1888), uma mulher casada a quem dedicou um amor platônico durante muitos anos e que serviu de inspiração para algumas de suas obras, como Memórias de um louco, de 1838.

O pai de Flaubert era médico, mas tinha a ambição de ter um filho advogado. Assim, por desejo dele, o autor iniciou a faculdade de Direito, na Universidade de Paris, em 1842. Porém, o jovem escritor tinha mais interesse na vida boêmia parisiense do que nos estudos, o que fez com que fosse mal nos exames.

Por volta de 1844, enfrentou alguns problemas de saúde, como alucinações, desmaios e ataques epiléticos. Então, mudou-se para Croisset — um povoado às margens do Rio Sena —, onde iniciou seu tratamento. Para complicar a situação, o pai do escritor morreu em 1846 e, nesse mesmo ano, faleceu também a irmã de Flaubert, ao dar à luz uma menina.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Entre 1849 e 1852, o romancista viajou ao Egito, Jerusalém, Constantinopla e Itália. Ao fim dessa viagem, ele se dedicou à escrita do romance Madame Bovary. Publicada em folhetim, no ano de 1856, essa obra provocou um grande escândalo, e seu autor teve que enfrentar um processo por imoralidade, do qual foi absolvido.

O fato acabou beneficiando o autor e seu livro, pois Madame Bovary foi um grande sucesso e se tornou a principal obra do Realismo mundial. Assim, dez anos depois, o escritor foi condecorado Cavaleiro da Ordem Nacional da Legião de Honra do governo francês. Mas, a partir de 1872, começou a enfrentar problemas financeiros e, no final da vida, manteve-se apenas com uma mesada de bibliotecário honorário da biblioteca Mazarine.

Morreu em 8 de maio de 1880, devido a uma hemorragia cerebral, e foi enterrado no Cemitério Monumental de Rouen. Deixou, no entanto, uma obra inacabadaBouvard e Pécuchet. Nesse livro, o autor ironiza a ciência ao evidenciar a grande ignorância e limitação humanas.

Leia também: Liev Tolstói — um dos escritores mais importantes da literatura ocidental

Estilo literário de Gustave Flaubert

Gustave Flaubert é o principal nome do Realismo francês. Assim, suas obras possuem características como:

  • antirromantismo;
  • ausência de idealizações;
  • objetividade;
  • análise dos comportamentos coletivos;
  • olhar crítico sobre a realidade sociopolítica;
  • fluxo de consciência;
  • análise psicológica;
  • crítica à elite burguesa;
  • temática do adultério.

Obras de Gustave Flaubert

Capa do livro Madame Bovary, de Gustave Flaubert, publicado pela editora L&PM. [1]
Capa do livro Madame Bovary, de Gustave Flaubert, publicado pela editora L&PM. [1]
  • Paixão e virtude (1837)
  • Memórias de um louco (1838)
  • Novembro (1842)
  • Madame Bovary (1857)
  • Salambô (1862)
  • A educação sentimental (1869)
  • As tentações de Santo Antão (1874)
  • Três contos (1877)
  • Bouvard e Pécuchet (1881)

Madame Bovary

O romance Madame Bovary é o principal representante do Realismo francês e mundial. A sua visão antirromântica chocou o(a) leitor(a) da época, acostumado(a) a histórias melodramáticas e de caráter idealizador. Assim, Emma Bovary entrou para a história da literatura como símbolo de insatisfação.

A publicação da obra escandalizou a sociedade da época devido à sua temática: o adultério. Uma mulher casada que se envolve amorosa e sexualmente com outros homens era uma personagem escandalosa demais para os padrões conservadores de meados do século XIX.

Emma é uma mulher romântica que, ao se casar com o médico Charles Bovary, não consegue encarar a realidade monótona do casamento burguês. Seu marido, um médico sem ambição, é incapaz de oferecer à esposa as aventuras de um livro romântico. Ela vive, então, uma vida tediosa e sem nenhum encantamento.

Charles não é comparável aos heróis românticos, é um ser humano medíocre, como a maioria daqueles de sua classe. Porém, Emma foi “educada” pela literatura romântica e não se mostra madura o bastante para aceitar a sua realidade. Isso acaba gerando em nós leitores(as) sentimentos contraditórios: desprezo pela fraqueza moral da personagem e compaixão pela sua infelicidade.

Após o casamento, Emma Bovary encontra a depressão. Portanto, os seus dois amantes são uma forma de ela buscar a felicidade prometida nos folhetins da época. Dessa maneira, a atitude da personagem não é, de fato, imoral, mas uma questão de sobrevivência — ao contrário do que pensava o Estado conservador da época, que processou Gustave Flaubert por imoralidade.

Emma Bovary, na verdade, tenta consertar um “erro” do destino, pois não pode aceitar da vida menos do que a felicidade impossível. Mas, para ela, essa felicidade não está em um casamento com um homem convencional nem na maternidade. Quando Berthe — a filha dos Bovary — nasce, a infelicidade de sua mãe só faz aumentar.

O primeiro amante de Emma Bovary é Léon Dupuis. Quando eles se conhecem, ela se apaixona. No entanto, o caso entre os dois só vai assumir características de adultério mais tarde, depois que seu romance com o segundo amanteRodolphe Boulanger — acaba. Isso porque Léon, não suportando mais a cidadezinha em que vivem, prefere tentar a sorte em Paris.

Já o relacionamento com Rodolphe provoca escândalo na cidade, pois os amantes não se preocupam em disfarçar o relacionamento. Apesar disso, Charles Bovary não fica sabendo do caso. Ao final, Rodolphe abandona Emma. Essa desilusão amorosa faz com que ela entre novamente em depressão.

A protagonista, então, faz mais uma tentativa de ser feliz quando reencontra Léon e inicia um caso com ele. Dessa vez, no entanto, é Emma quem se cansa do amante. Convencida de que não pode lutar contra a realidade, a esposa de Charles Bovary se mata. Só então, ele descobre que foi traído por ela.

Veja também: Dom Casmurro — romance psicológico do realismo brasileiro

Frases de Gustave Flaubert

A seguir vamos ler algumas frases irônicas de Gustave Flaubert, extraídas de seu Dicionário das ideias feitas, tradução de Cristina Murachco.

  • “‘Eu não sou ambicioso!’ quer dizer egoísta ou incapaz.”
  • “Antiguidades são sempre de fabricação moderna.”
  • “Uma aparência agradável é o mais seguro dos passaportes.”
  • “O que os artistas fazem não pode ser chamado de trabalho.”
  • “Deve-se ‘conhecer alguns autores’; é inútil saber os seus nomes.”
  • “Cirurgiões têm o coração duro: deve-se chamá-los de açougueiros.”
  • “Toda mulher deve cornear seu marido.”
  • “Se soubéssemos como é feito nosso corpo, não ousaríamos fazer um único movimento.”
  • “Tudo o que é antigo é desgastado pelo tempo, e tudo o que está desgastado é antigo.”
  • “Os outros têm deveres para conosco, mas não temos nenhum para com eles.”

Crédito da imagem

[1] L&PM (reprodução)

Publicado por: Warley Souza
Assuntos relacionados
Alexandre Dumas
Conheça o escritor francês e romântico Alexandre Dumas. Saiba quais são as principais características de suas obras e veja algumas frases do autor.
Aluísio Azevedo
Conheça a vida de Aluísio Azevedo, grande nome do Naturalismo brasileiro. Veja quais são as características de sua literatura e quais obras ele escreveu.
Fiódor Dostoiévski
Clique aqui e saiba quem foi Fiódor Dostoiévski, autor de “Crime e castigo”. Conheça as características literárias de suas obras. Leia algumas frases do autor.
George Orwell
Conheça a vida e a obra de George Orwell: principais fatos de sua biografia, suas obras mais representativas e algumas de suas frases impactantes.
Júlio Verne
Saiba quem é o escritor francês Júlio Verne. Veja quais são as características de suas principais obras e, além disso, conheça algumas frases do autor.
Machado de Assis é um dos maiores nomes da Literatura brasileira.
Machado de Assis
Saiba como Machado de Assis saiu de uma origem simples, tornando-se um grande autor, precursor do Realismo e criador da Academia Brasileira de Letras.
Machado de Assis
Machado de Assis e o realismo no Brasil
Como se desenvolveu o Realismo no Brasil e seu principal autor, Machado de Assis!
Parnasianismo
Entenda o contexto histórico em que surgiu o parnasianismo. Saiba quais são as características desse estilo, e conheça seus principais autores.
Raul Pompeia
Saiba quem é Raul Pompeia e conheça as obras desse autor. Veja também quais são suas características literárias.
Realismo no Brasil
Conheça o que foi o realismo no Brasil. Leia a respeito do contexto histórico, seus desdobramentos e quais foram os principais autores realistas brasileiros.
Victor Hugo
Conheça Victor Hugo, grande nome do romantismo francês. Conheça seu estilo literário, e veja quais obras ele escreveu. Leia algumas de suas frases.