Whatsapp icon Whatsapp

Dom Casmurro

Dom Casmurro, a obra mais conhecida de Machado de Assis, é um romance psicológico e realista. Ele foi publicado, pela primeira vez, em 1899 e teve diversas adaptações.
Machado de Assis, escritor de Dom Casmurro.
Machado de Assis, em 1864, com 25 anos de idade.

Dom Casmurro, a obra mais conhecida do escritor Machado de Assis, conta a história de Bentinho e Capitu, que, apaixonados na adolescência, têm que enfrentar um obstáculo à realização de seus anseios amorosos, pois a mãe de Bentinho, D. Glória, fez uma promessa de que seu filho seria padre. Assim, no seminário, Bentinho conhece Escobar, que se torna seu melhor amigo e encontra uma solução para o problema.

O livro, de 1899, é um romance psicológico do realismo brasileiro, com narrador em primeira pessoa. A trama atinge seu ponto alto quando, finalmente casado com Capitu, Bentinho começa a suspeitar que ela teve um relacionamento extraconjugal com Escobar. Desse modo, a obra, de caráter antirromântico, apresenta, de forma irônica, uma crítica à burguesia carioca do século XIX, de forma a mostrar a vida como ela é, sem retoques.

Leia também: Carolina Maria de Jesus – uma das primeiras autoras negras publicadas no Brasil

Análise da obra Dom Casmurro

Capa do livro Dom Casmurro, de Machado de Assis, publicado pela editora L&PM.
Capa do livro Dom Casmurro, de Machado de Assis, publicado pela editora L&PM.[1]

→ Resumo de Dom Casmurro

A obra começa com o narrador já velho, em um trem da Central. Ali, ele conhece um jovem poeta, que acaba recitando alguns versos. Mas pelo fato de o narrador fechar os olhos “três ou quatro vezes”, o rapaz se ofende e lhe dá o apelido de Dom Casmurro. O narrador, então, decide dar esse título (a princípio, provisório) para o seu livro:

“Também não achei melhor título para a minha narração; se não tiver outro daqui até ao fim do livro, vai este mesmo”.

Assim, com o objetivo de “atar as duas pontas da vida, e restaurar na velhice a adolescência”, Bentinho, o narrador, conta a sua história. Volta aos seus quinze anos, quando é vizinho de Capitu, uma menina de catorze anos. Ao perceber a proximidade entre os adolescentes, José Dias, um agregado da família, sugere a D. Glória, mãe de Bentinho, que já é hora de enviar o rapaz para o seminário, uma vez que a mãe do adolescente fez a promessa de que ele seria padre.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

José Dias não gosta do pai de Capitu, o Pádua, empregado de uma repartição pública. Aliás, foi o agregado que lhe deu o apelido de Tartaruga, pois ele era “um homem baixo e grosso, pernas e braços curtos, costas abauladas”. A falta de simpatia pelo pai se estende também para a filha, que, segundo José Dias, tem olhos “de cigana oblíqua e dissimulada”. Mas Bentinho se apaixona por Capitu, como previa o agregado. E o jovem casal começa a buscar uma maneira de não cumprir a promessa de D. Glória.

Porém, D. Glória faz com que o filho cumpra a promessa, e ele vai para o seminário. Ali, conhece Ezequiel de Sousa Escobar, que se torna o seu melhor amigo e confidente. É Escobar quem tem a solução para o problema de Bentinho: em vez do filho, D. Glória deve fazer padre “algum mocinho órfão”. Dessa maneira, Bentinho, finalmente, consegue sair do seminário.

Bentinho vai estudar Direito e se forma bacharel aos 22 anos. Então, ele se casa com Capitu. O início do casamento é só felicidade. No entanto, o casal não consegue ter filhos, e Bentinho quer muito ser pai. Escobar, casado com Sancha, já tem uma filha. Finalmente Capitu engravida e dá à luz Ezequiel, assim batizado em homenagem ao melhor amigo de seu pai.

O menino Ezequiel tem o hábito, a habilidade ou o “defeitozinho”, segundo seu pai, de imitar as pessoas, imita “os gestos, os modos, as atitudes; imita prima Justina, imita José Dias; já lhe achei até um jeito dos pés de Escobar e dos olhos...”. Contudo, a felicidade conjugal termina quando Escobar morre afogado. Em seu enterro, Bentinho começa a suspeitar de uma traição:

“Enfim, chegou a hora da encomendação e da partida. Sancha quis despedir-se do marido, e o desespero daquele lance consternou a todos. Muitos homens choravam também, as mulheres todas. Só Capitu, amparando a viúva, parecia vencer-se a si mesma. Consolava a outra, queria arrancá-la dali. A confusão era geral. No meio dela, Capitu olhou alguns instantes para o cadáver tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas...

As minhas cessaram logo. Fiquei a ver as dela; Capitu enxugou-as depressa, olhando a furto para a gente que estava na sala. Redobrou de carícias para a amiga, e quis levá-la; mas o cadáver parece que a retinha também. Momento houve em que os olhos de Capitu fitaram o defunto, quais os da viúva, sem o pranto nem palavras desta, mas grandes e abertos, como a vaga do mar lá fora, como se quisesse tragar também o nadador da manhã.”

Bentinho começa a ver semelhanças entre seu filho e o defunto Escobar; são semelhantes os olhos, as feições, o rosto, o corpo inteiro, segundo o narrador, de forma que “Escobar vinha assim surgindo da sepultura, [...] para se sentar comigo à mesa, receber-me na escada, beijar-me no gabinete de manhã, ou pedir-me à noite a bênção do costume”.

Bentinho, então, pensa em matar Capitu e seu filho. Entretanto, decide cometer suicídio. Coloca veneno no próprio café, mas o menino Ezequiel entra no gabinete. Então, Bentinho tem o impulso de fazer o filho beber o café envenenado, mas, antes de lhe dar o café, desiste. E, por fim, joga na cara de Capitu que o filho não é dele. Ela nega e, diante da insinuação de que teve um caso com Escobar, ironiza: “— Pois até os defuntos! Nem os mortos escapam aos seus ciúmes!”.

O casamento está acabado, mas é século XIX, e eles precisam manter as aparências. A solução encontrada por Bentinho é viajar para a Europa com esposa e filho, mas voltar sozinho:

“Ao cabo de alguns meses, Capitu começara a escrever-me cartas, a que respondi com brevidade e sequidão. As dela eram submissas, sem ódio, acaso afetuosas, e para o fim saudosas; pedia-me que a fosse ver. Embarquei um ano depois, mas não a procurei, e repeti a viagem com o mesmo resultado. Na volta, os que se lembravam dela, queriam notícias, e eu dava-lhes, como se acabasse de viver com ela; naturalmente as viagens eram feitas com o intuito de simular isto mesmo, e enganar a opinião. Um dia, finalmente...”

Assim, grande parte da obra aparenta ser um romance romântico, isto é, apresenta um casal apaixonado, um obstáculo a vencer e a realização amorosa, simbolizada pelo casamento. No entanto, o narrador continua a história e mostra a realidade do casamento burguês, a partir da narrativa do ciumento Bentinho, em quem a leitora e o leitor devem ou não confiar.

Veja também: Raul Pompeia – grande nome do naturalismo brasileiro

→ Personagens

  • Bento Santiago ou Bentinho: narrador da história.

  • Capitolina ou Capitu: esposa de Bentinho.

  • José Dias: um agregado da família de Bentinho.

  • D. Maria da Glória Fernandes Santiago ou D. Glória: mãe de Bentinho.

  • Tio Cosme: irmão de D. Glória.

  • Pádua: pai de Capitu.

  • D. Fortunata: esposa de Pádua e mãe de Capitu.

  • Prima Justina: prima de D. Glória.

  • Ezequiel de Sousa Escobar ou Escobar: melhor amigo de Bentinho.

  • Sancha: esposa de Escobar.

  • Ezequiel A. de Santiago ou Ezequiel: filho de Bentinho e Capitu.

  • Capituzinha: filha de Escobar e Sancha.

→ Tempo

A história se passa no século XIX, e o narrador aponta somente estas seguintes datas:

  • 1857 — Bentinho tem quinze anos;

  • 1865 — casamento de Bentinho e Capitu;

  • 1871 — morte de Escobar.

→ Espaço

O lugar da narrativa é a cidade do Rio de Janeiro.

  • Rua de Matacavalos, no centro da cidade, onde fica a casa da família de Bentinho.

  • Bairro da Tijuca, onde Bentinho e Capitu passam a lua de mel.

  • Bairro da Glória, onde o casal Bentinho e Capitu moram.

  • Bairro de Andaraí, no qual Escobar e Sancha moram.

  • Engenho Novo, bairro em que Bentinho passa a velhice.

Leia também: José de Alencar – maior nome da prosa do romantismo brasileiro

Características de Dom Casmurro

  • Estilo literário: realismo.

  • Gênero literário: narrativo.

  • Tipo de narrativa: romance.

  • Tipo de romance:

  • monofônico: foco narrativo sobre uma personagem;

  • psicológico: centrado nos pensamentos do narrador, no seu mundo íntimo, em seus sentimentos e memórias; e

  • aberto: nem tudo é expresso, a leitora e o leitor devem preencher as lacunas.

  • Tipo de narrador: narrador personagem, ou seja, em primeira pessoa.

  • Tipo de personagens: redondas, esféricas ou complexas.

  • Tempo da narrativa: sobressai o cronológico.

  • Temática: adultério.

  • Número de capítulos: 148.

Adaptações de Dom Casmurro

  • Capitu (1968) — longa-metragem de Paulo César Saraceni (1932-2012).

  • Dom Casmurro (1992) — ópera de Orlando Codá (1949-1996) e Ronaldo Miranda.

  • Capitu — canção de Luiz Tatit.

  • Amor de Capitu (1998) — romance de Fernando Sabino (1923-2004).

  • Capitu (1999) — peça teatral de Marcus Vinícius Faustini.

  • Criador e criatura: o encontro de Machado e Capitu (2002) — peça teatral de Flávio Aguiar e Ariclê Perez (1943-2006), com direção de Bibi Ferreira (1922-2019).

  • Dom (2003) — longa-metragem de Moacyr Góes.

  • Capitu (2008) — minissérie de Luiz Fernando Carvalho.

  • Dom Casmurro (2012) — história em quadrinhos de Felipe Greco e Mario Cau.

  • As sombras de Dom Casmurro (2016) — peça teatral de Toni Brandão.

Machado de Assis

Machado de Assis (ou Joaquim Maria Machado de Assis) nasceu em 21 de junho de 1839 e faleceu em 29 de setembro de 1908. O escritor é o principal representante do realismo brasileiro, além de ser um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Nasceu no Morro do Livramento, no Rio de Janeiro, e era filho de um pintor de paredes negro e de uma lavadeira portuguesa branca.

Frequentou a escola regular por pouco tempo e não ingressou em uma universidade. Autodidata, tornou-se um dos maiores escritores da literatura brasileira e o principal escritor negro brasileiro do século XIX, além de trabalhar no funcionalismo público, mas, antes, trabalhou como tipógrafo e revisor de textos. Além disso, escrevia para os jornais da época e publicou romances, contos, crônicas, poesias e também textos teatrais.

O autor iniciou sua carreira literária como escritor romântico, fase em que estão presentes obras como A mão e a luva (1874) e Helena (1876). Mas, em 1881, inaugurou o realismo no Brasil, com a publicação de Memórias póstumas de Brás Cubas. Assim, à sua fase realista também pertencem os romances Quincas Borba (1891) e Dom Casmurro (1899). Para saber mais sobre esse importante autor da literatura brasileira, leia: Machado de Assis.

Estilo literário de Machado de Assis

A obra Dom Casmurro pertence à fase realista de Machado de Assis. Portanto, apresenta as seguintes características:

  • antirromantismo;

  • objetividade;

  • análise psicológica;

  • crítica à burguesia;

  • valorização do presente;

  • fluxo de consciência;

  • ausência de idealizações;

  • racionalismo;

  • ironia;

  • crítica social.

Crédito da imagem

[1] L&PM Editores (reprodução) 

Publicado por Warley Souza
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

Machado de Assis
Saiba como Machado de Assis saiu de uma origem simples, tornando-se um grande autor, precursor do Realismo e criador da Academia Brasileira de Letras.
Machado de Assis e o realismo no Brasil
Como se desenvolveu o Realismo no Brasil e seu principal autor, Machado de Assis!
Memórias Póstumas de Brás Cubas
Acesse para conferir um resumo dos principais pontos de Memórias Póstumas de Brás Cubas. Veja o contexto histórico da obra, assim como seu foco narrativo.
Poesia de Machado de Assis
Os versos do Bruxo do Cosme Velho: Clique e conheça a poesia de Machado de Assis.
Realismo
Acesse para saber o que foi o Realismo. Conheça as principais características do movimento, seu contexto histórico, os maiores autores desse estilo e suas obras.
Realismo no Brasil
Conheça o que foi o realismo no Brasil. Leia a respeito do contexto histórico, seus desdobramentos e quais foram os principais autores realistas brasileiros.
video icon
Texto"Matemática do Zero | Congruência de triângulos" em fundo azul.
Matemática do Zero
Matemática do Zero | Congruência de triângulos
Nessa aula veremos que para dois triângulos serem congruentes, os seus lados homólogos e os ângulos correspondentes devem ser congruentes. Porém, ao invés de analisar os três lados e os três ângulos, veremos que é necessário analisar apenas alguns casos de congruência de triângulos: LAL (Lado, Ângulo, Lado), LLL (Lado, Lado, Lado), ALA (Ângulo, Lado, Ângulo) e LAAo (Lado, Ângulo, Ângulo Oposto).