Romance

Romance é um gênero textual que consiste em uma narrativa longa, escrita em prosa. Seu surgimento e popularidade remete ao século XVIII, quando ele tomou o lugar das epopeias (longas narrativas em verso).

Por tratar-se de uma narrativa, o romance possui uma ação, lugar onde ela ocorre, tempo em que ela acontece, personagens que a realizam, uma trama e um ponto de vista, isto é, a perspectiva do narrador.

Os tipos de romance são:

  • monofônico,

  • polifônico,

  • fechado,

  • aberto,

  • linear ou progressivo,

  • vertical ou analítico,

  • psicológico.

Leia também: Conto – gênero que se caracteriza principalmente por ser uma narrativa curta

Conceito de romance

Os romances consistem em narrativas longas que podem contar as mais diversas histórias.
Os romances consistem em narrativas longas que podem contar as mais diversas histórias.

Tudo indica que o termo “romance” tem origem na palavra “romanice, cujo significado está relacionado a qualquer obra escrita em romanço (língua falada nas regiões ocupadas pelos romanos). Porém, foi a partir do século XVIII que o termo “romance” começou a ser utilizado com a acepção que conhecemos hoje, isto é, uma narrativa longa, escrita em prosa. Portanto, o romance e o romantismo surgiram ao mesmo tempo e parece terem sido feitos um para o outro.

Ao contrário dos poemas épicos, o romance surgiu para representar pessoas comuns e ser o reflexo do povo. Dessa forma, é um gênero textual que, segundo o crítico Massaud Moisés, foi porta-voz das ambições, desejos e vaidades da burguesia em ascensão, além de servir como fuga da realidade. Era, então, um espelho idealizado dessa classe. Na atualidade, a burguesia não é mais a única classe a ser representada nas obras de autores e autoras contemporâneos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Principais características do romance

O romance é uma narrativa longa, escrita em prosa e possui a seguinte estrutura:

  • Ação: série de acontecimentos que se combinam para formar o enredo da obra.

  • Lugar: espaços físicos em que transcorre a ação.

  • Tempo: o “quando” da ação, as datas dos acontecimentos, ou mesmo a duração dos fatos narrados:

    - Tempo cronológico: a ação respeita o tempo físico, isto é, a sequência de segundos, minutos, horas, dias, semanas, meses, anos. Assim, o tempo transcorre com regularidade, com linearidade.

    - Tempo psicológico: não está relacionado ao espaço, mas ao interior, à mente das personagens. É, portanto, o tempo mental, do pensamento, em que presente, passado e futuro às vezes anulam-se.

  • Personagens: realizam a ação:

    - Personagem plana: comum e previsível.

    - Personagem redonda ou esférica: complexa e imprevisível.

  • Trama: a história narrada, o enredo.

  • Ponto de vista: foco narrativo, a perspectiva de quem narra:

    - Narrador personagem (em primeira pessoa): participa da história.

    - Narrador observador (em terceira pessoa): narra apenas o que ele observa.

    - Narrador onisciente ou onipresente (em terceira pessoa): possui total conhecimento dos fatos narrados e das personagens.

Leia também: Graciliano Ramos – autor que inovou a produção de romances regionais

Tipos de romance

  • Romance monofônico

O foco narrativo está sobre uma personagem, o protagonista:

“Aos dias difíceis, que tenho passado no correr dos tempos, sempre se sucederam dias repousantes, sem problemas, durante os quais todos os fantasmas se desvanecem e os velhos temas torturantes deixam a tona da consciência, [...].”

O amanuense Belmiro, de Cyro dos Anjos.

  • Romance polifônico

O foco narrativo está sobre várias personagens. Um exemplo é o romance Crônica da casa assassinada, de Lúcio Cardoso (1912-1968), que concede o protagonismo a várias personagens, como é possível verificar, por exemplo, nos primeiros cinco capítulos da obra:

  1. Diário de André (conclusão).

  2. Primeira carta de Nina a Valdo Menezes.

  3. Primeira narrativa do farmacêutico.

  4. Diário de Betty (I).

  5. Primeira narrativa do médico.

  • Romance fechado

O narrador fornece todas as informações, não deixa espaço (abertura) para a imaginação dos leitores:

“E só me resta chegar rapidamente ao desenlace desta narração singular com a qual tratei de conseguir que o leitor compartilhasse os medos escuros e as vagas conjecturas que ensombreceram, durante tantas semanas, nossas vidas e que concluíram de maneira tão trágica. Na manhã seguinte se levantou a névoa e a senhora Stapleton nos levou até o lugar onde ela e seu esposo tinham encontrado um caminho praticável para penetrar no pântano. [...]. Holmes afundou-se até a cintura ao sair do caminho para pegá-lo [um objeto escuro], e se não estivéssemos ali para ajudá-lo, nunca voltaria a colocar o pé em terra firme. O que levantou no ar foi uma bota velha de cor preta. “[...]” estava impresso no interior do couro.|1|

O cão dos Baskerville, de Arthur Conan Doyle.

O romance policial é um típico exemplo de romance fechado.
O romance policial é um típico exemplo de romance fechado.
  • Romance aberto

Nem tudo é expresso, o narrador deixa lacunas a serem preenchidas pelos leitores. Como, a misteriosa acusação que sofre Josef K., personagem do romance O processo, de Franz Kafka (1883-1924):

“Alguém devia ter caluniado Josef K., pois, sem que tivesse feito mal algum, ele foi detido certa manhã. A cozinheira da senhora Grubach, sua senhoria, que lhe trazia o café da manhã todos os dias bem cedo, por volta das oito horas, desta vez não aparecera.|2|

  • Romance linear ou progressivo

Os acontecimentos que formam o enredo são mais importantes do que a reflexão:

“O senhor Sherlock Holmes, que sempre se levantava muito tarde, exceto nas ocasiões nada raras em que não dormia por toda a noite, estava tomando o café. Eu, que me achava de pé perto da chaminé, agachei-me para pegar a bengala esquecida por nosso visitante da noite anterior. [...]. Era exatamente a classe de bengala que costumavam levar os antigos médicos de cabeceira: digna, sólida e que inspirava confiança.

— Vejamos, Watson, a que conclusões chega?|1|

O cão dos Baskerville, de Arthur Conan Doyle.

  • Romance vertical ou analítico

A ação é auxiliar, no contexto geral da obra, pois o principal objetivo é refletir sobre o impacto dessa ação nas personagens:

“Quaresma viveu lá, no manicômio, resignadamente, conversando com os seus companheiros, onde via ricos que se diziam pobres, pobres que se queriam ricos, sábios a maldizer da sabedoria, ignorantes a se proclamarem sábios; [...].

Saiu o major mais triste ainda do que vivera toda a vida. De todas as coisas tristes de ver, no mundo, a mais triste é a loucura; é a mais depressora e pungente.

Aquela continuação da nossa vida tal e qual, com um desarranjo imperceptível, mas profundo e quase sempre insondável, que a inutiliza inteiramente, faz pensar em alguma coisa mais forte que nós, que nos guia, que nos impele e em cujas mãos somos simples joguetes.”

Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto.

  • Romance psicológico

Está centrado no funcionamento da mente humana, nos pensamentos do narrador ou das personagens, na forma como eles entendem o mundo exterior. É caracterizado, portanto, pela análise psicológica e pelos fluxos de consciência. Assim, ao contrário do romance vertical ou analítico, ele não está condicionado à ação, pois a reflexão, a análise está voltada para o mundo íntimo, os sentimentos e memórias do narrador ou personagens:

“[...], primeiro porque travava conhecimento com a cunhada (e quem sabe por que meios, por que secretas afinidades conseguiria transformá-la numa aliada?), segundo porque, no íntimo, devia tramar alguma coisa contra os irmãos. Ah, essa raça de Meneses era bem minha conhecida. No entanto, de pé, procurava em vão imaginar por que aquela visita lhe causava um tão extraordinário prazer. Que secreta partida jogava ele, [...]?”

Crônica da casa assassinada, de Lúcio Cardoso.

Notas

|1| Tradução (de edição em espanhol) para o português: Warley Souza.

|2| Tradução de Marcelo Backes.   

Publicado por: Warley Souza
Assuntos relacionados
Gabriel García Márquez
Saiba quem foi Gabriel García Márquez, importante autor latino-americano. Leia detalhes de sua biografia, descubra suas principais obras e veja frases do autor.
Realismo mágico
Conheça o realismo mágico: suas características, seus autores e obras, além de sua manifestação na pintura e no cinema.
Tipos de narrador
Saiba mais sobre os tipos de narrador que costumam compor uma narrativa. Veja suas principais características e exemplos extraídos de obras nacionais e estrangeiras.
Julio Cortázar
Conheça a vida, a obra e frases marcantes de Julio Cortázar, escritor argentino que revolucionou o jeito de narrar na América Latina.
Epopeia
Entenda o que é a epopeia. Saiba qual é sua estrutura e que elementos compõem-na. Conheça as principais obras do gênero.
Edgar Allan Poe, Arthur Conan Doyle e Agatha Christie foram os grandes responsáveis pela popularização do Romance Policial
Romance Policial
Suspense, mistério e crimes: Mergulhe nas incríveis histórias do Romance Policial.
O Romance Urbano surgiu no início do século XIX, um período da Literatura brasileira que sucedeu o Condoreirismo e precedeu o Romance Indianista
Romance urbano
Leia este artigo e saiba tudo sobre o Romance Urbano, período da Literatura em que são retratados os costumes e valores da elite carioca.
O ato de narrar histórias remonta um passado histórico
Os elementos do texto narrativo
Conheça sobre a importância dos mesmos na construção do enredo
Revisão de um texto narrativo
O que você deve observar na hora de revisar sua narração!
Narração
Narração, os três tipos de foco narrativo, narrado-personagem, Narrador-observador, a estrutura do texto narrativo, apresentação, complicação, clímax e desfecho.
A comunicação sempre acontece por meio dos gêneros, seja nas mensagens de celular ou na elaboração de um simples bilhete
Gêneros textuais
Linguagem e comunicação: Conheça as características e a origem dos gêneros textuais.
Gêneros textuais
Conheça o conceito dos gêneros textuais e seus constituintes. Aprenda a diferenciar tipos de gêneros textuais e tenha um ótimo desempenho em suas avaliações.