Whatsapp icon Whatsapp

Elementos Artificiais

Glenn Seaborg, físico norte-americano que comandou uma equipe na descoberta do    . elemento  transurânico  plutônio
Glenn Seaborg, físico norte-americano que comandou uma equipe na descoberta do . elemento transurânico plutônio

Elementos Artificiais são átomos de elementos químicos não encontrados na superfície terrestre e que foram sintetizados, isto é, criados em laboratório.

Esses elementos possuem número atômico superior a 92, que é o número atômico do Urânio. Por isso foram denominados de elementos transurânicos.

Isto é possível por meio da fusão, ou colisão e junção, de núcleos atômicos. No entanto, esses elementos são muito instáveis e por isso se desintegram muito rapidamente, em questão de menos de 1 segundo. Isto ocorre porque possuem uma quantidade muito grande de partículas (nêutrons e prótons) no núcleo; assim, isso cria um desequilíbrio e o elemento se desintegra, originando outros núcleos de elementos mais estáveis, que possuem menos partículas no núcleo.

Em meados do final da década de 1930, a Universidade de Berkeley abrigou uma equipe que produziu vários elementos artificiais. Entre os descobertos está o netúnio (símbolo: Np, número atômico (Z) = 93). Ele recebeu esse nome em homenagem ao planeta netuno e foi obtido ao se bombardear um urânio-238, conforme a reação abaixo:

O urânio-238 é bombardeado por um feixe de nêutrons, formando o urânio-239, que se desintegra na formação do netúnio. Este, posteriormente, emite uma partícula beta e se transforma no plutônio.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O urânio-238 é bombardeado por um feixe de nêutrons, formando o urânio-239, que se desintegra na formação do netúnio. Este, posteriormente, emite uma partícula beta e se transforma no plutônio.

Outro elemento transurânico que recebeu o nome em homenagem a um planeta, e que foi descoberto no mesmo ano do netúnio (1940), foi o plutônio (Pu, Z= 94).

Os elementos posteriores ao férmio (Z=100) são chamados de transférmicos.

Até hoje a IUPAC (União Internacional da Química Pura e Aplicada) só reconheceu oficialmente até o elemento de número atômico 111. Há relatos de outros que foram identificados, como os de número atômico 112, 114, 116, 118 (ununúnio, ununquádio, ununhéxio e ununócrio).

Um exemplo de descoberta desse tipo, mas que a IUPAC ainda não reconheceu como tal, por precisar de mais confirmações, ocorreu em fevereiro de 2004, quando uma equipe de russos e norte-americanos disse ter descoberto os elementos de números atômicos 113 e 115 (ununtrium e ununpentium). O de número 113 foi conseguido por meio da colisão do cálcio-48 com o amerício-243. As análises indicaram que possivelmente ele se desintegrou após 10ms, e produziu o 113 que durou apenas 1,2s.

Por Jennifer Fogaça
Graduada em Química

Publicado por Jennifer Rocha Vargas Fogaça

Artigos Relacionados

Iodo na panela: Frutos do mar.
Iodo
Confira aqui a importância do iodo para o organismo e quais são os alimentos fontes desse mineral!
Metal Alcalino
Rubídio
Clique aqui e conheça as características e utilizações do rubídio!
Titânio (Ti)
Conheça o titânio, um elemento químico largamente utilizado para compor ligas metálicas. Veja suas propriedades, formas de obtenção e características.
Como os cientistas realizam descobertas atômicas?
Ununócio
Saiba como esse elemento foi sintetizado em laboratório.
video icon
Sociologia
O que é Estado Democrático de Direito?
Nesta aula aprenderemos que o Estado Democrático de Direito é uma forma de Estado em que a soberania popular é fundamental. Venha entender o conceito e por que compreendê-lo bem é tão importante!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Sigmund Freud
Filosofia
Sigmund Freud
Nessa videoaula você conhecerá mais sobre a vida e estudos do "pai" da psicanálise.
video icon
Thumb Brasil Escola
Literatura
Realismo fantástico
Trazemos uma análise sobre realismo fantástico. Assista já!
video icon
Thumb Brasil Escola
Química
Funções orgânicas
Tire um tempo para entender melhor o que são as amidas