Elementos Artificiais

Glenn Seaborg, físico norte-americano que comandou uma equipe na descoberta do    . elemento  transurânico  plutônio
Glenn Seaborg, físico norte-americano que comandou uma equipe na descoberta do . elemento transurânico plutônio

Elementos Artificiais são átomos de elementos químicos não encontrados na superfície terrestre e que foram sintetizados, isto é, criados em laboratório.

Esses elementos possuem número atômico superior a 92, que é o número atômico do Urânio. Por isso foram denominados de elementos transurânicos.

Isto é possível por meio da fusão, ou colisão e junção, de núcleos atômicos. No entanto, esses elementos são muito instáveis e por isso se desintegram muito rapidamente, em questão de menos de 1 segundo. Isto ocorre porque possuem uma quantidade muito grande de partículas (nêutrons e prótons) no núcleo; assim, isso cria um desequilíbrio e o elemento se desintegra, originando outros núcleos de elementos mais estáveis, que possuem menos partículas no núcleo.

Em meados do final da década de 1930, a Universidade de Berkeley abrigou uma equipe que produziu vários elementos artificiais. Entre os descobertos está o netúnio (símbolo: Np, número atômico (Z) = 93). Ele recebeu esse nome em homenagem ao planeta netuno e foi obtido ao se bombardear um urânio-238, conforme a reação abaixo:

O urânio-238 é bombardeado por um feixe de nêutrons, formando o urânio-239, que se desintegra na formação do netúnio. Este, posteriormente, emite uma partícula beta e se transforma no plutônio.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O urânio-238 é bombardeado por um feixe de nêutrons, formando o urânio-239, que se desintegra na formação do netúnio. Este, posteriormente, emite uma partícula beta e se transforma no plutônio.

Outro elemento transurânico que recebeu o nome em homenagem a um planeta, e que foi descoberto no mesmo ano do netúnio (1940), foi o plutônio (Pu, Z= 94).

Os elementos posteriores ao férmio (Z=100) são chamados de transférmicos.

Até hoje a IUPAC (União Internacional da Química Pura e Aplicada) só reconheceu oficialmente até o elemento de número atômico 111. Há relatos de outros que foram identificados, como os de número atômico 112, 114, 116, 118 (ununúnio, ununquádio, ununhéxio e ununócrio).

Um exemplo de descoberta desse tipo, mas que a IUPAC ainda não reconheceu como tal, por precisar de mais confirmações, ocorreu em fevereiro de 2004, quando uma equipe de russos e norte-americanos disse ter descoberto os elementos de números atômicos 113 e 115 (ununtrium e ununpentium). O de número 113 foi conseguido por meio da colisão do cálcio-48 com o amerício-243. As análises indicaram que possivelmente ele se desintegrou após 10ms, e produziu o 113 que durou apenas 1,2s.

Por Jennifer Fogaça
Graduada em Química

Publicado por Jennifer Rocha Vargas Fogaça

Artigos Relacionados

Iodo na panela: Frutos do mar.
Iodo
Confira aqui a importância do iodo para o organismo e quais são os alimentos fontes desse mineral!
Metal Alcalino
Rubídio
Clique aqui e conheça as características e utilizações do rubídio!
Titânio (Ti)
Conheça o titânio, um elemento químico largamente utilizado para compor ligas metálicas. Veja suas propriedades, formas de obtenção e características.
Como os cientistas realizam descobertas atômicas?
Ununócio
Saiba como esse elemento foi sintetizado em laboratório.
video icon
História
II Guerra Mundial no Enem
Assista a nossa videoaula para conhecer os principais pontos da II Guerra Mundial que você precisa saber para o Enem. Confira também no nosso canal outras informações sobre a Idade Contemporânea.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Videoaula Brasil Escola
Guia de Profissões
Publicidade e Propaganda
Que tal conhecer um pouco mais sobre as funções de um publicitário?
video icon
Videoaula Brasil Escola
Inglês
Genitive Case
É hora de aperfeiçoar sua gramática na Língua Inglesa. Assista!
video icon
Videoaula Brasil Escola
Português
Preposições
Vamos aprender mais sobre essa classe conectiva de termos?