Whatsapp icon Whatsapp

11 de junho — Dia da Marinha Brasileira

O Dia da Marinha Brasileira é comemorado em 11 de junho e serve como homenagem à Marinha, um dos ramos que formam as Forças Armadas do Brasil. A Marinha é responsável por garantir a segurança do litoral e dos rios brasileiros. A data escolhida é uma referência à Batalha Naval de Riachuelo, travada no dia 11 de junho de 1865.

Acesse também: 5 de junho – Dia Mundial do Meio Ambiente

Dia da Marinha Brasileira

O dia 11 de junho é a data em que se comemora o Dia da Marinha Brasileira, uma data comemorativa que visa à celebração da Marinha de nosso país. A Marinha é um dos três ramos que formam as Forças Armadas do Brasil, constituídas, além da Marinha, pelo Exército e Aeronáutica.

O Dia da Marinha Brasileira é celebrado em 11 de junho, uma homenagem à Batalha Naval de Riachuelo, travada em 1865. [1]
O Dia da Marinha Brasileira é celebrado em 11 de junho, uma homenagem à Batalha Naval de Riachuelo, travada em 1865. [1]

A Marinha tem como papel monitorar a costa brasileira e garantir a segurança dos mares e dos rios de nosso país. É papel da Marinha fazer a vigilância de nosso extenso litoral, bem como garantir que os rios de nosso país sejam seguros à navegação.

Todas as funções da Marinha brasileira são descritas no artigo 17 da Lei Complementar nº 97, de 9 de junho de 1999. Nessa lei consta|1|:

Art. 17. Cabe à Marinha, como atribuições subsidiárias particulares:

I – orientar e controlar a Marinha Mercante e suas atividades correlatas, no que interessa à defesa nacional;

II – prover a segurança da navegação aquaviária;

III – contribuir para a formulação e condução de políticas nacionais que digam respeito ao mar;

IV – implementar e fiscalizar o cumprimento de leis e regulamentos, no mar e nas águas interiores, em coordenação com outros órgãos do Poder Executivo, federal ou estadual, quando se fizer necessária, em razão de competências específicas.

V – cooperar com os órgãos federais, quando se fizer necessário, na repressão aos delitos de repercussão nacional ou internacional, quanto ao uso do mar, águas interiores e de áreas portuárias, na forma de apoio logístico, de inteligência, de comunicações e de instrução.

O item V foi adicionado em uma lei complementar posterior, a Lei Complementar nº 117, de 2 de setembro de 2004. A Marinha brasileira possui dezenas de embarcações, incluindo fragatas, corvetas, submarinos, veleiros, navios oceanográficos e navios-patrulha. Detém também helicópteros, além de aviões de ataque e transporte.

Acesse também: Guerra da Cisplatina, um dos primeiros conflitos em que a Marinha brasileira lutou

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Surgimento da Marinha

A Marinha brasileira surgiu em 1822, logo após a Independência do Brasil. A declaração de independência de nosso país marcou o início de um conflito com Portugal, sobretudo em províncias que não concordavam com a independência, como foram os casos da Bahia e da Cisplatina.

A Marinha brasileira surgiu em 1822 e atualmente possui diversas embarcações, como submarinos.[2]
A Marinha brasileira surgiu em 1822 e atualmente possui diversas embarcações, como submarinos.[2]

A criação de uma Marinha permitiria a ligação entre as províncias brasileiras. É importante lembrarmos que, no começo do século XIX, muitas regiões do Brasil só se ligavam à capital pela navegação. Sendo assim, era crucial para o sucesso da independência e para garantia da unificação territorial que uma Marinha surgisse.

Assim sendo, foi criado o Ministério da Marinha, como herança de uma prática realizada pelos portugueses. A primeira pessoa a assumir como ministro da Marinha do Brasil foi Luís da Cunha Moreira, militar brasileiro que fazia parte da Marinha portuguesa. A montagem da Marinha brasileira nesse período se deu com um grande número de mercenários portugueses e ingleses.

Considera-se que a primeira esquadra brasileira lançou-se ao mar em 14 de novembro de 1822, partindo em direção à Cisplatina, com o objetivo de consolidar a independência do Brasil naquela região. Em 4 de maio de 1823, a esquadra brasileira chegou à Bahia para lutar contra embarcações da Marinha portuguesa que estavam lá.

Nesse período de surgimento da Marinha brasileira, um personagem ingressou nessa corporação com apenas 15 anos: Joaquim Marques Lisboa. Ele é mais conhecido como Almirante Tamandaré e dedicou toda a sua vida à Marinha do Brasil. Atualmente, o Almirante Tamandaré é considerado o Patrono da Marinha brasileira.

Acesse também: Causas da Guerra do Paraguai

Batalha do Riachuelo

Vimos que o Dia da Marinha Brasileira é comemorado em 11 de junho, sendo esse dia uma referência a uma das grandes batalhas navais da história brasileira. Essa batalha foi a Batalha Naval de Riachuelo, travada no dia 11 de junho de 1865, durante a Guerra do Paraguai. Essa batalha ocorreu em um afluente do Rio Paraná, em Corrientes, província da Argentina.

A Guerra do Paraguai foi um conflito em que Brasil, Argentina e Uruguai lutaram contra o Paraguai entre 1864 e 1870. Esse conflito foi resultado das disputas de interesses entre as nações da Bacia Platina. Os principais pontos de atrito entre Paraguai e Brasil foram disputas fronteiriças que envolviam terras correspondentes ao Mato Grosso, o direito de navegação nos rios da Bacia Platina e a situação da política uruguaia na década de 1860.

O conflito se iniciou em dezembro de 1864, quando o Paraguai aprisionou uma embarcação brasileira que ia para o Mato Grosso (a navegação para o Mato Grosso, na época, passava por dentro do território paraguaio) e houve a invasão do Mato Grosso por tropas paraguaias. Os uruguaios aderiram ao conflito por serem aliados políticos do Brasil.

A entrada da Argentina no conflito se deu quando tropas paraguaias invadiram a província de Corrientes. O governo argentino não havia permitido que tropas paraguaias cruzassem o seu território para marchar até o Rio Grande do Sul, local onde houve combates entre brasileiros e paraguaios.

Corrientes, por sinal, foi palco da Batalha Naval de Riachuelo, batalha muito importante e que limitou consideravelmente o poder paraguaio pelos rios que cruzavam o país. Essa batalha resultou de uma decisão do ditador paraguaio, Solano López, que desejava expulsar as tropas brasileiras do Rio Paraná para garantir a passagem dos seus soldados por Corrientes.

A esquadra brasileira presente na região era constituída por nove embarcações e era liderada por Francisco Manuel Barroso da Silva, mais conhecido como Almirante Barroso. A esquadra paraguaia também era constituída por nove embarcações e era liderada pelo capitão Pedro Inácio Meza. A estratégia paraguaia incluía realizar um ataque de surpresa ao nascer do Sol no dia 11 de junho de 1865.

Os paraguaios não queriam destruir a frota brasileira, mas tomar algumas de suas embarcações. Isso aconteceria com a aproximação de madrugada, que pegaria a esquadra brasileira de surpresa, permitindo uma aproximação que resultaria na invasão das embarcações brasileiras e sua tomada após luta corporal entre os soldados.

No entanto, o ataque paraguaio deu errado de diversas maneiras. Primeiro porque o embarque foi feito às pressas e, segundo, porque as tropas paraguaias se atrasaram, o que anulou o fator mais importante do ataque paraguaio: o elemento surpresa. Pedro Inácio Meza poderia ter adiado o ataque para a manhã do dia 12 de junho, mas optou por não fazê-lo.

Acredita-se que isso aconteceu porque os comandantes paraguaios temiam consideravelmente as reações do ditador paraguaio, que não gostava de ser contrariado. Assim, mesmo não sendo a melhor escolha, Pedro Inácio Meza seguiu em frente.

O ataque se iniciou pela manhã e, em um primeiro momento, os paraguaios tiveram uma vantagem, pois conseguiram danificar três embarcações brasileiras. Na segunda parte da batalha, o Almirante Barroso mudou a estratégia utilizando a sua embarcação, Amazonas, para abalroá-la contra as embarcações paraguaias.

Nessa estratégia, quatro embarcações paraguaias foram destruídas, quatro fugiram bastante danificadas e uma embarcação inutilizada durante a batalha foi restaurada depois. Além disso, durante o ataque, os paraguaios perderam o capitão Meza e o tenente Ezequiel Robles. Como consequência da batalha, o Paraguai ficou isolado, perdendo seu acesso ao mar.

Notas

|1| Lei Complementar nº 97. Para acessar, clique aqui.

Créditos das imagens

[1] Joa Souza e Shutterstock

[2] A.PAES e Shutterstock

Publicado por Daniel Neves Silva

Artigos Relacionados

O Dia dos Namorados é comemorado anualmente no Brasil em 12 de junho
12 de Junho - Dia dos Namorados
Clique neste link do Mundo Educação e tenha acesso a detalhes sobre uma das datas comemorativas mais importantes do Brasil: o Dia dos Namorados. Entenda com nosso texto qual a origem histórica dessa data comemorativa e veja por que esse dia é comemorado em uma data diferente no Brasil.
Proteger o meio ambiente hoje é garantir recursos para as novas gerações
5 de Junho - Dia Mundial do Meio Ambiente
Entenda a importância do Dia Mundial do Meio Ambiente e saiba quando ele foi criado.
Com o Dia Internacional de Apoio às Vítimas de Tortura, a ONU pretende se solidarizar com as vítimas e fazer com que a prática seja extinta
Dia Internacional de Apoio às Vítimas de Tortura
Conheça os motivos que levaram a ONU a definir o 26 de junho como o Dia Internacional de Apoio às Vítimas de Tortura.
Ilustração do século XIX retrata combate travado entre as duas forças durante a Guerra do Paraguai
Guerra do Paraguai
Clique e conheça as causas e os principais acontecimentos da Guerra do Paraguai (1864-1870), evento que trouxe mudanças aos países envolvidos.
Deodoro da Fonseca assumiu a posição de liderança entre os militares insatisfeitos com o Império.
Questão Militar
O conflito entre os militares e as autoridades do Império Brasileiro.
Revolta da Armada
Acesse o site e veja quais foram as causas da Revolta da Armada. Acompanhe o desenvolvimento dessa revolta e as consequências para quem participou do levante.
Revolta da Chibata
Leia sobre a Revolta da Chibata. Saiba o que motivou esse motim e quem foi o líder dessa manifestação de origem popular. Veja como foi o desfecho desse conflito.
video icon
Português
Os sertões | Análise literária
Assista a nossa videoaula para conhecer um pouco mais de “Os sertões”, uma das obras mais importantes do escritor brasileiro Euclides da Cunha. Confira nossa análise!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
videoaula brasil escola
Química
Cinética química
Se ainda tem dúvidas quanto a velocidade das reações, essa videoaula é para você!
video icon
videoaula brasil escola
Português
Redação
Entenda como realizar argumento por causa e consequência com a nossa aula.
video icon
videoaula brasil escola
História
Crise de 1929
A quebra da bolsa de valores de Nova Iorque afetou não só os EUA, como o mundo. Entenda!