Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Geografia
  3. Geografia humana do Brasil
  4. UPP – Unidade de Polícia Pacificadora

UPP – Unidade de Polícia Pacificadora

UPP, Unidade de Polícia Pacificadora, é uma ação pública de combate e controle do tráfico de drogas nas favelas e comunidades cariocas.

UPP é a sigla para Unidade de Polícia Pacificadora e faz parte de uma política implementada pelo Governo do Rio de Janeiro, a partir do ano de 2008, com o objetivo de combater e desarticular o crime organizado do tráfico de drogas nas comunidades e favelas do referido estado. A ação é resultante de uma estratégia tomada em conjunto pelas esferas municipal, estadual e federal do poder público, além de contar também com o apoio e fiscalização de ONGs e entidades civis organizadas.

As áreas consideradas como “potenciais” para a instalação de UPPs são aquelas que possuem elevados índices de pobreza e miséria, além de baixa infraestrutura, baixo nível médio de escolaridade, elevado índice de informalidade trabalhista e, principalmente, que abriguem grupos criminosos armados e organizados.

As ocupações geralmente são realizadas por meio de intervenção da polícia militar do Rio de Janeiro, que, dependendo das condições de resistência oferecidas pelos grupos criminosos, pode contar com a ajuda do BOPE (Batalhão de Operações Policiais Especiais do Rio de Janeiro) e até mesmo das Forças Armadas. Cada UPP instalada está automaticamente vinculada ao batalhão mais próximo da Polícia Militar.

Unidade de Polícia Pacificadora da Rocinha, Rio de Janeiro *
Unidade de Polícia Pacificadora da Rocinha, Rio de Janeiro *

A organização das ações militares através das Unidades de Polícia Pacificadora não é a primeira política pública de ocupação de morros e favelas cariocas, uma vez que esse tipo de atividade já era exercido pelo Grupo de Policiamento de Áreas Especiais. A principal inovação é que, com as UPPs, pela primeira vez esse trabalho é feito em larga escala, com a instalação de postos específicos e com a adoção dos princípios da “Polícia Comunitária”, que objetiva o contato e a vivência solidária dos policiais com a população, a fim de garantir a esta maiores perspectivas de segurança e condições de vida.

Por esse motivo, após a instalação de uma UPP, a sequência do trabalho é a organização de uma UPP Social, que nada mais é do que uma extensão dos serviços militares para outras áreas além da segurança pública, com serviços comunitários a fim de garantir à população das comunidades acesso a elementos sociais básicos, como deslocamento, educação e saúde.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Apesar de todas essas preocupações, a instalação de UPPs costuma ser alvo de contestações por parte de cientistas sociais, da população e de uma pequena parte da imprensa. Essas críticas geralmente estão associadas a denúncias de abusos policiais, como a tortura de civis em busca de informações, invasões ilegais e agressivas a domicílios que não possuem relação com o tráfico, além de outras práticas consideradas abusivas, como a cobrança de pedágios nas entradas das comunidades. O caso mais emblemático foi o do desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza, em que há acusações de que o indivíduo teria sido assassinado por policiais militares.

No início de 2014, multiplicaram-se os ataques organizados pelo tráfico de drogas às UPPs de várias comunidades do Rio de Janeiro, o que demonstra que a instalação dessas unidades revela um amplo embate entre a milícia estatal e o poder paralelo. Até o momento, três policiais militares foram mortos no morro da Penha e outro policial foi executado no Complexo do Alemão. Além disso, houve ataques a tiros na Rocinha, além do incendiamento das unidades de Manguinhos e de Lins de Vasconcelos.

Até o presente momento, foram construídas 36 Unidades de Polícia Pacificadora, que contemplam 185 comunidades e abrangem uma população de 540.532 de pessoas, segundo dados oficiais do Governo do Rio de Janeiro. A UPP mais populosa é a da Rocinha, com mais de 70 mil habitantes. A UPP que possui a maior área territorial é a da Cidade de Deus, com 2.095.959 m².

 

* Créditos da Imagem: Ratão Diniz

UPP, ação pública de atuação militar sobre áreas controladas pelo tráfico
UPP, ação pública de atuação militar sobre áreas controladas pelo tráfico
Publicado por: Rodolfo F. Alves Pena
Assuntos relacionados
Habitação encontrada no mundo subdesenvolvido.
Países subdesenvolvidos e os problemas sociais
Países subdesenvolvidos e os problemas sociais, As causas do subdesenvolvimento e os problemas sociais, Países subdesenvolvidos e os problemas sociais e a globalização, O subdesenvolvimento e a baixa renda, O subdesenvolvimento e o baixo nível de escolaridade, O subdesenvolvimento e as precárias condições de moradia, O subdesenvolvimento e a subnutrição.
As favelas estão presentes em diversas cidades brasileiras.
Problemas relacionados à moradia no Brasil
As condições da habitação no país.
Problemas sociais nas cidades do Brasil
Os principais problemas sociais presentes nas cidades brasileiras.
Localização do Rio de Janeiro no mapa do Brasil
Rio de Janeiro
Características do estado com a segunda maior densidade demográfica do Brasil.
Vista da favela da Rocinha, a maior do Brasil segundo o IBGE
Favelização
O processo de favelização, suas causas e consequências.
Favela paulista: uma expressão do subdesenvolvimento no espaço geográfico
O que é subdesenvolvimento?
O subdesenvolvimento, seus conceitos, suas causas e características.