Figuras sonoras

As figuras sonoras são recursos muito utilizados em poemas e músicas e, por seu caráter expressivo, proporcionam ao leitor uma experiência sinestésica.

Na língua portuguesa existem determinadas figuras de estilo que combinam elementos sonoros e que são bastante utilizadas em textos, discursos e poemas. Essas figuras são representadas por fonemas com objetivos simbólicos e têm a intenção de soar agradavelmente aos nossos ouvidos.

Chamamos de figuras sonoras aquelas que estão relacionadas com os aspectos fonéticos e fonológicos das palavras. São elas: aliteração, assonância, paronomásia e onomatopeia.

A aliteração consiste na repetição de um fonema para sugerir acusticamente algo que temos em mente. Observe o exemplo no trecho da música “Ode ao rato”, de Chico Buarque:

(...) Rato
Rato que rói a roupa
Que rói a rapa do rei do morro
Que rói a roda do carro
Que rói o carro, que rói o ferro
Que rói o barro, rói o morro
Rato que rói o rato
Ra-rato, ra-rato
Roto que ri do roto
Que rói o farrapo
Do esfarra-rapado
Que mete a ripa, arranca rabo
Rato ruim
Rato que rói a rosa
Rói o riso da moça
E ruma rua arriba
Em sua rota de rato (...)”.

A assonância consiste na repetição proposital de sons vocálicos idênticos ou semelhantes. Observe o exemplo no poema Aos principais da Bahia chamados os Caramurus, de Gregório de Matos:

(...) A linha feminina é carimá

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Moqueca, pititinga, caruru

Mingau de puba, e vinho de caju

Pisado num pilão de Piraguá.(...)”

A paranomásia consiste no emprego de palavras parônimas, cuja sonoridade é semelhante, apesar de apresentarem significações diferentes. Observe o exemplo na música Qualquer coisa, de Caetano Veloso:

(...) Berro pelo aterro
Pelo desterro
Berro por seu berro
Pelo seu erro
Quero que você ganhe
Que você me apanhe.
Sou o seu bezerro
Gritando mamãe (...)”.

A onomatopeia consiste no emprego de um fonema em uma palavra com a intenção de descrever acusticamente um objeto pela ação que exprime, frequentemente traduzindo vozes dos animais ou os sons das coisas. Observe o exemplo no poema O relógio, de Vinicius de Moraes:

Passa, tempo, tic-tac
Tic-tac, passa, hora
Chega logo, tic-tac
Tic-tac, e vai-te embora
Passa, tempo
Bem depressa
Não atrasa
Não demora
Que já estou
Muito cansado
Já perdi
Toda a alegria
De fazer
Meu tic-tac
Dia e noite
Noite e dia
Tic-tac
Tic-tac
Dia e noite
Noite e dia.

O emprego das figuras sonoras tem como principal objetivo explorar a musicalidade presente nas palavras, especialmente quando essas se combinam a outras, produzindo efeito não apenas sonoro, mas também de sentido, despertando diferentes sensações no leitor ao conferir à palavra escrita um caráter sinestésico.

As figuras sonoras combinam os sons às palavras, provocando no leitor uma experiência auditiva extremamente agradável
As figuras sonoras combinam os sons às palavras, provocando no leitor uma experiência auditiva extremamente agradável
Publicado por: Luana Castro Alves Perez
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios

Questão 1

Leia o trecho da música Águas de março, de Tom Jobim, e marque a alternativa que corresponde à figura de linguagem que se destaca no trecho.

É pau, é pedra, é o fim do caminho”.

a) Aliteração

b) Pleonasmo

c) Onomatopeia

d) Assonância

e) Sinestesia

Questão 2

Em qual das alternativas há uma frase na qual predomina a figura de som onomatopeia?

a) O pé da cadeira quebrou de novo.

b) Nem acredito que encontrei o Totó, o meu melhor amigo.

c) A Tatá me ligou ontem para dizer que não viria.

d) Estava dormindo ainda quando ouvi: cocoricóóóóóó.

e) Minha irmã joga pingue-pongue na escola todos os dias.

Mais Questões
Assuntos relacionados
Tipos de efeitos de sentido na produção textual
Efeitos de sentido: duplo sentido, ambiguidade, ironia e humor
Aprenda o que são e para que servem os efeitos de sentidos, que podem ser construídos por meio de duplo sentido, ambiguidade, ironia e humor.
O uso da palavra “asa” é uma catacrese. Saiba mais no texto!
Catacrese
Conheça a catacrese, figura de linguagem que ocorre quando, na falta de um termo específico, utilizamos um outro por empréstimo a partir de uma semelhança de conceito. Amplie suas habilidades linguísticas por meio do estudo da manipulação da linguagem com o uso desse recurso estilístico que cria um efeito de sentido específico.
No exemplo acima, a palavra “mãos” representa as pessoas que concretizarão a obra. Esse recurso que toma a parte pelo todo é conhecido como metonímia
Metonímia
Conheça a metonímia, figura de linguagem que ocorre quando utilizamos uma palavra no lugar de outra, com a qual se relaciona. A metonímia ocorre quando empregamos o efeito pela causa, a matéria-prima pelo objeto, a parte pelo todo, o autor pela obra, o concreto pelo abstrato, a marca pelo produto etc.
A Hipérbole faz um exagero quando manipula o sentido das palavras
Hipérbole
Conheça a hipérbole, figura de linguagem que ocorre quando nos referimos a algo de modo exagerado. Esse recurso estilístico provoca alterações no campo dos significados (semântico), ou seja, há uma manipulação do sentido das palavras e das expressões. Saiba mais no texto!
A prosopopeia atribui características humanas a seres inanimados
Personificação (Prosopopeia)
Aprenda sobre a figura de linguagem chamada prosopopeia (também conhecida como personificação), que consiste em atribuir características humanas a seres inanimados ou irracionais. Saiba como esse recurso de estilo realiza a manipulação do campo semântico para que haja uma personificação a partir de expressões que remetam à figura humana.
Figuras de palavras ou semânticas
Conheça as figuras de palavras. Observe as diferenças existentes entre elas. Aumente a sua capacidade de expressão estilística ao dominar o uso delas.
Paronomásia
Aprenda o que é a paronomásia e como palavras parônimas são utilizadas nessa figura de linguagem. Veja exemplos e pratique com exercícios!
Figuras de Linguagem - Parte I
Definição, divisão, figuras de sintaxe e exemplos.
Figuras de Linguagem - Parte III
Figuras de pensamento: Definição, divisão e exemplos.