Trata-se de ou tratam-se de?

Antes de compreendermos acerca das peculiaridades linguísticas que demarcam o assunto em questão, ativemos nossos conhecimentos, mas sem antes analisarmos os enunciados que seguem:

Trata-se de questões polêmicas.

Tratam-se de questões polêmicas.

Falando em conhecimentos linguísticos, o princípio de que o verbo concorda com o sujeito sempre tende a preponderar em situações tidas como recorrentes, o que nos motiva a acreditar - numa primeira instância- numa adequação advinda do primeiro enunciado, haja vista que se trata de uma expressão pluralizada = “questões polêmicas”. No entanto, resta-nos afirmar que nem sempre as acepções de que dispomos acerca dos fatos que norteiam a língua devem ser concebidas como estáticas – dadas as exceções, as particularidades atribuídas aos fatos gramaticais de uma forma geral.

Nesse sentido, repensemos um pouco mais acerca do fato posto em cheque, enfatizando, sobretudo, algumas questões voltadas para a sintaxe. Assim, o primeiro passo é analisarmos a transitividade do verbo tratar (tomada no contexto em pauta), no qual um questionamento emerge com fluidez: trata-se de quê? De questões polêmicas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Eis então que nos aproximamos do chamado complemento do verbo – o que nos permite afirmar que se trata de um objeto indireto, em virtude da presença da preposição.  Dessa forma, retomemos alguns conceitos voltados para os tipos de sujeito, o qual nos apresenta a seguinte assertiva como um de seus pressupostos:

O sujeito se conceitua como indeterminado em uma das ocorrências, o verbo se apresenta na terceira pessoa do singular acompanhado do “se”, sendo essa partícula concebida como índice de indeterminação do sujeito.  Dessa forma, eis a questão: Por que flexionarmos a forma verbal, já que se trata de um verbo transitivo indireto?

Em face dessa realidade linguística, cabe afirmar que em se tratando do padrão formal da linguagem, a expressão considerada correta se define pela primeira alternativa, ou seja: TRATA-SE de questões polêmicas.

Trata-se de ou tratam-se de representam um dos muitos questionamentos linguísticos
Trata-se de ou tratam-se de representam um dos muitos questionamentos linguísticos
Publicado por: Vânia Maria do Nascimento Duarte
Assuntos relacionados
Tinham ou tinha?
Considerações sobre o uso do verbo “ter” e seus derivados.
Haja vista deve ser sempre empregada de forma invariável
Haja vista ou haja visto?
Haja vista ou haja visto: embora representem expressões usuais, apenas a primeira considera-se como adequada.
Tivesse e estivesse: uma forma pertence ao verbo estar; e a outra, ao verbo ter
Tivesse e estivesse
“Tivesse” pertence ao verbo ter; e “estivesse”, ao verbo estar.
“Dar-mos” e “darmos” são palavras que divergem quanto ao significado: aquela se refere à junção entre o pronome oblíquo “me” e o artigo masculino plur
Dar-mos e Darmos
Dar-mos se refere à junção entre o pronome oblíquo “me” e o artigo masculino plural “os”; e darmos, à forma infinitiva flexionada.