Whatsapp icon Whatsapp

Câmaras Municipais

As câmaras municipais: espaços de representação do poder local e da exclusão política no período colonial.
As câmaras municipais: espaços de representação do poder local e da exclusão política no período colonial.

A tomada definitiva de posse dos territórios coloniais no Brasil, a partir de 1530, exigiu que a Coroa Portuguesa tomasse ações que viabilizasse o controle do imenso espaço colonial. Ao longo do restante do século XVI, novos núcleos de povoamento apareciam e, com isso, as dificuldades em manter um sistema administrativo rígido obrigavam a tomada de outras ações. Dessa maneira, as primeiras câmaras municipais passaram a integrar os órgãos representantes da dominação lusitana.

As câmaras teriam a função de estabelecer um espaço de discussão política ligado diretamente às vilas e cidades. Apesar de aparentemente representar a autonomia política dos centros urbanos coloniais, as câmaras estavam subordinadas à intervenção do governador-geral. Contudo, os proprietários de terra, acostumados a ter suas vontades cumpridas pela população, acabavam ignorando as medidas que feriam seus interesses particulares.

As câmaras eram comumente formadas por três ou quatro vereadores e um juiz, que conduziam as atividades da casa. Entre outras questões, as câmaras discutiam a realização de obras públicas, a limpeza e conservação das vias públicas, a fiscalização das feiras e mercados e outros assuntos de natureza administrativa. Os recursos que sustentavam as câmaras eram usualmente obtidos através do aluguel de prédios públicos, o arrendamento de terras e a cobrança de impostos.

A participação nas discussões políticas da província era restrita a uma pequena parcela da população, qualificada como os “homens bons”. Na verdade, o homem bom era todo aquele indivíduo que não exercia algum tipo de trabalho braçal. Dessa maneira, somente os proprietários de terra tinham o direito ao voto. Outras figuras locais como comerciantes, camponeses, artesãos e, principalmente, os escravos eram mantidos afastados do ambiente político.

Com isso, podemos perceber que a insubordinação e a exclusão foram duas grandes marcas do cenário político dessa época. Ao longo de nossa História, o cumprimento das leis e a representatividade das instituições articularam os problemas e toda uma cultura política que ainda oferece alguns de seus traços no contexto contemporâneo. De fato, os casos de impunidade, exclusão, corrupção e clientelismo revelam uma intrigante faceta historicamente rearticulada em nossas instituições.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Publicado por Rainer Gonçalves Sousa
video icon
"Sistema Reprodutor Feminino" escrito sobre fundo azul ao lado da ilustração de um corpo feminino
Biologia
Sistema Reprodutor Feminino
Sobre os sistemas reprodutores, podemos concordar que o feminino apresenta uma organização muito mais simples se comparado com o masculino e podemos dizer que é perfeito. Um sistema responsável por produzir um gameta e acomodar todo o processo de desenvolvimento de um bebê só podia estar presente nas mulheres. O sistema reprodutor feminino é formado por órgãos internos e estruturas externas, e possui pouca relação com o sistema excretor.