Constituição de 1967

A chegada dos militares ao poder no ano de 1964 promoveu uma série de mudanças no cenário político brasileiro. Em um primeiro momento, os novos representantes instalados no governo priorizavam a contenção das oposições políticas por meio de Atos Institucionais que ignoravam completamente as diretrizes estabelecidas pela Constituição de 1946. Dessa forma, os novos elementos que chegavam ao poder buscaram empreender ações que dessem uma feição oficial ao governo militar.

Em 1966, um novo projeto criou uma constituição que incorporava todas as decisões arbitrariamente impostas pelos Atos Institucionais e decretos criados desde o governo de Castelo Branco. Somente nesse primeiro governo saíram cerca de 190 decretos aprovados sem o aparato da lei ou a aprovação do Poder Legislativo. Inicialmente, o projeto da constituição oferecido pelo ministro da Justiça, Carlos Medeiros Silva, foi duramente criticado, inclusive por políticos ligados ao governo.

Dessa forma, em 12 de dezembro de 1966, o Ato Institucional n° 4 realizava a convocação extraordinária dos membros do Congresso Nacional para a discussão e aprovação de uma nova constituição. A aparente medida de natureza democrática escamoteava uma vindoura ação autoritária do governo que, em 24 de janeiro de 1967, aprovou uma nova constituição sem considerar boa parte das emendas oferecidas pelos congressistas.

A nova constituição foi adotada a partir de 15 de março de 1967, mesma data em que o presidente Castello Branco passava a faixa presidencial para o general Arthur Costa e Silva. A Constituição de 1967 ampliou as atribuições do Poder Executivo e enfraqueceu o princípio federativo ao reduzir a autonomia política dos Estados e municípios. Apesar dos visíveis traços centralizadores, o novo presidente declarou que a carta era “moderna, viva e adequada".

Entre outras ações, a constituição responsabilizava diretamente o Executivo sobre questões que envolviam a administração pública e a segurança nacional. Nesse último aspecto, o regime militar compreendia que essa segurança envolvia qualquer tipo de ação que fosse contra a visão política e social do país. Seguindo tal conceito, o governo empreendeu a criação de mecanismos capazes de controlar os meios de comunicação e qualquer outra manifestação ligada à vida cultural do país por meio da criação da Lei de Imprensa e da Lei de Segurança Nacional.

Com relação às eleições presidenciais, a nova ordem buscou oferecer uma aparência democrática onde o Congresso seria responsável por decidir que ocuparia o posto máximo do governo. Contudo, esse seria um mecanismo superficial que teria a função de acobertar o poder de decisão dos altos escalões militares que resolviam o problema da sucessão presidencial. Na verdade, o Congresso apenas confirmava uma decisão interna previamente definida pelos militares.

Vigorando durante todo o restante do regime, a constituição de 1967 era o dispositivo máximo responsável por trazer ao campo da legalidade todos os atos de natureza antidemocrática. Paralelamente, o novo texto jurídico ainda contou com a decretação do Ato Institucional n° 5, que ampliava os já tão dilatados poderes políticos dos militares. Esta constituição ficou vigente até 1988, quando os congressistas voltaram a discutir outra constituição.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
Constituição de 1967: a nova carta que consolidou a perspectiva autoritária do regime militar.
Constituição de 1967: a nova carta que consolidou a perspectiva autoritária do regime militar.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
Na imagem, temos o presidente Jânio Quadros (à esquerda de terno escuro)*
Governo Jânio Quadros
O que você sabe sobre o governo de Jânio Quadros, presidente do Brasil durante um curto período? A partir deste texto veja detalhes sobre a situação do Brasil após o fim do governo JK, assim como os motivos que explicam a vitória de Jânio Quadros na eleição de 1960 e sua renúncia em agosto de 1961.
O texto da Constituição de 1988 foi elaborado pela Assembleia Constituinte que se reuniu em 1987
Assembleia Constituinte de 1987
Fique sabendo como ocorreu a formação da Assembleia Constituinte de 1987 e a importância que ela teve para a consolidação da democracia no Brasil.
25 de março – Dia da Constituição
Acesse este texto e conheça o Dia da Constituição. Veja o contexto de outorga da primeira Constituição do Brasil, e saiba quantas Constituições o país teve.
Eurico Gaspar Dutra foi o primeiro presidente da Quarta República e governou o Brasil de 1946 a 1951*
Governo Dutra
Neste link você terá acesso aos principais eventos que caracterizaram o início da Quarta República Brasileira e do governo Dutra.
JK e Fidel: uma relação delicada frente ao contexto político de uma época.
JK x Fidel Castro
Fidel Castro, Ernesto “Che” Guevara, Revolução Cubana, Juscelino Kubitscheck, Operação Pan-Americana, OPA, Aliança para o Progresso, governo Kennedy, Jânio Quadros, principio de autodeterminação.
Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto: os presidentes militares que consolidaram a República.
República da Espada
Os governos que instalam o regime republicano no Brasil.
A literatura é uma importante ferramenta nos estudos históricos
Chacina dos Nove em Goiás no séc. XX
Veja o que foi a Chacina dos Nove, um dos conflitos que marcaram o combate ao coronelismo efetuado pelo Estado brasileiro no séc. XX.
As Ligas Camponesas
Lutando contra as péssimas condições de vida e pela reforma agrária, os trabalhadores rurais do Nordeste criaram as Ligas Camponesas na década de 1950.