Whatsapp icon Whatsapp

Regência Trina Provisória

A Regência Trina Provisória assumiu o governo brasileiro após a abdicação de D. Pedro I.
A Regência Trina Provisória assumiu o governo brasileiro após a abdicação de D. Pedro I.

Na madrugada de 7 de abril de 1831, Dom Pedro I abandonou o governo brasileiro ao não mais suportar as pressões políticas que se acumulavam contra sua figura. Por consequência, seu filho mais velho, Dom Pedro de Alcântara, deveria assumir o trono brasileiro. Contudo, tendo apenas cinco anos de idade na época, o jovem monarca não acumulava as condições mínimas para o exercício do cargo.

Mediante esse tipo de situação, a constituição de 1824 previa que, até o imperador alcançar os dezoitos anos, um parente mais próximo, maior de vinte e cinco anos, teria o direito de assumir o cargo na função de regente. Contudo, não havendo esse parente, o Estado brasileiro acabou assumido por uma regência trina nomeada pela Assembleia Geral, sendo que o mais velho ocupava a condição de presidente.

A partir desse momento, pela primeira vez, personagens políticas do país assumiam o controle direto do governo. Sem tempo hábil para responder à atitude inesperada do imperador, os membros do poder legislativo rapidamente indicaram os senadores José Joaquim Carneiro de Campos, Nicolau Pereira de Campos Vergueiro e o brigadeiro Francisco de Lima e Silva para formarem a Regência Trina Provisória.

Depois de empossados, as autoridades dessa primeira regência expulsaram todos os estrangeiros do Exército, extinguiu o exercício Poder Moderador temporariamente e anistiou todos os presos políticos do país. Além disso, os regentes determinaram a reintegração de todos os ministros brasileiros que haviam sido demitidos por D. Pedro I um pouco antes de sua abdicação.

Esse conjunto de medidas procurava suavizar toda a agitação política da época. Com o fim do recesso dos parlamentares, uma nova eleição indireta realizaria a escolha dos membros da chamada Regência Trina Permanente. Já nesse pleito, observamos a formação das principais tendências ou grupos políticos que teriam espaço ao longo de toda a regência.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Publicado por Rainer Gonçalves Sousa

Artigos Relacionados

Com o golpe da maioridade, d. Pedro II tornou-se imperador do Brasil, em 1840, com apenas 14 anos. Seu reinado se estendeu até 1889.
Golpe da Maioridade
Acesse o texto e entenda o que foi o Golpe da Maioridade. Veja o contexto do Brasil no Período Regencial, e saiba os motivos que levaram a esse acontecimento.
Guerra dos Farrapos
Acesse e veja detalhes sobre a Guerra dos Farrapos. Entenda o contexto que levou os gaúchos a rebelarem-se e qual foi o percurso da guerra até seu desfecho.
A instalação do Período Regencial determinou a consolidação de novas tendências políticas no Brasil.
O cenário político do Período Regencial
As facções que dominaram o cenário político nacional com o fim do Primeiro Reinado.
O Regente Feijó em tela do artista Oscar Pereira da Silva (1865-1939)
Regência Una de Diogo Feijó (1835-1837)
Conheça mais sobre a Regência Una de Feijó clicando aqui.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Sigmund Freud
Filosofia
Sigmund Freud
Nessa videoaula você conhecerá mais sobre a vida e estudos do "pai" da psicanálise.
video icon
Thumb Brasil Escola
Literatura
Realismo fantástico
Trazemos uma análise sobre realismo fantástico. Assista já!
video icon
Thumb Brasil Escola
Química
Funções orgânicas
Tire um tempo para entender melhor o que são as amidas