Whatsapp icon Whatsapp

Regência Trina Provisória

A Regência Trina Provisória assumiu o governo brasileiro após a abdicação de D. Pedro I.
A Regência Trina Provisória assumiu o governo brasileiro após a abdicação de D. Pedro I.

Na madrugada de 7 de abril de 1831, Dom Pedro I abandonou o governo brasileiro ao não mais suportar as pressões políticas que se acumulavam contra sua figura. Por consequência, seu filho mais velho, Dom Pedro de Alcântara, deveria assumir o trono brasileiro. Contudo, tendo apenas cinco anos de idade na época, o jovem monarca não acumulava as condições mínimas para o exercício do cargo.

Mediante esse tipo de situação, a constituição de 1824 previa que, até o imperador alcançar os dezoitos anos, um parente mais próximo, maior de vinte e cinco anos, teria o direito de assumir o cargo na função de regente. Contudo, não havendo esse parente, o Estado brasileiro acabou assumido por uma regência trina nomeada pela Assembleia Geral, sendo que o mais velho ocupava a condição de presidente.

A partir desse momento, pela primeira vez, personagens políticas do país assumiam o controle direto do governo. Sem tempo hábil para responder à atitude inesperada do imperador, os membros do poder legislativo rapidamente indicaram os senadores José Joaquim Carneiro de Campos, Nicolau Pereira de Campos Vergueiro e o brigadeiro Francisco de Lima e Silva para formarem a Regência Trina Provisória.

Depois de empossados, as autoridades dessa primeira regência expulsaram todos os estrangeiros do Exército, extinguiu o exercício Poder Moderador temporariamente e anistiou todos os presos políticos do país. Além disso, os regentes determinaram a reintegração de todos os ministros brasileiros que haviam sido demitidos por D. Pedro I um pouco antes de sua abdicação.

Esse conjunto de medidas procurava suavizar toda a agitação política da época. Com o fim do recesso dos parlamentares, uma nova eleição indireta realizaria a escolha dos membros da chamada Regência Trina Permanente. Já nesse pleito, observamos a formação das principais tendências ou grupos políticos que teriam espaço ao longo de toda a regência.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Publicado por Rainer Gonçalves Sousa

Artigos Relacionados

Com o golpe da maioridade, d. Pedro II tornou-se imperador do Brasil, em 1840, com apenas 14 anos. Seu reinado se estendeu até 1889.
Golpe da Maioridade
Acesse o texto e entenda o que foi o Golpe da Maioridade. Veja o contexto do Brasil no Período Regencial, e saiba os motivos que levaram a esse acontecimento.
Guerra dos Farrapos
Acesse e veja detalhes sobre a Guerra dos Farrapos. Entenda o contexto que levou os gaúchos a rebelarem-se e qual foi o percurso da guerra até seu desfecho.
A instalação do Período Regencial determinou a consolidação de novas tendências políticas no Brasil.
O cenário político do Período Regencial
As facções que dominaram o cenário político nacional com o fim do Primeiro Reinado.
O Regente Feijó em tela do artista Oscar Pereira da Silva (1865-1939)
Regência Una de Diogo Feijó (1835-1837)
Conheça mais sobre a Regência Una de Feijó clicando aqui.
video icon
História
Primavera dos Povos
Assista a nossa videoaula para entender o que foi a Primavera dos Povos (1848). Confira também no nosso canal outras informações sobre a Idade Contemporânea.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Videoaula Brasil Escola
Inglês
Genitive Case
É hora de aperfeiçoar sua gramática na Língua Inglesa. Assista!
video icon
Videoaula Brasil Escola
Sociologia
Democracia racial
Você sabe o que significa democracia racial? Clique e nós te ensinamos!
video icon
Tigres Asiáticos
Geografia
Tigres Asiáticos
Assista à nossa videoaula sobre os Tigres Asiáticos, e conheça as razões do desenvolvimento rápido desses territórios.