Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Revolução Francesa
  4. A crítica de Edmund Burke à Revolução Francesa

A crítica de Edmund Burke à Revolução Francesa

A crítica de Edmund Burke à Revolução Francesa foi uma das mais pontuais e continua sendo uma das mais importantes e atuais para o entendimento desse acontecimento.

A Revolução Francesa é comumente entendida como o evento histórico que inaugurou a Idade Contemporânea. Sua importância enquanto acontecimento histórico é incontestável. Entretanto, entre os contemporâneos desse acontecimento, havia muitas discordâncias e críticas à radicalização dos revolucionários franceses. Uma das críticas principais era a de Edmund Burke.

O filósofo irlandês Edmund Burke (1729-1797) notabilizou-se pelo seu ensaio Reflections On the Revolution In France (Reflexões sobre a Revolução na França), publicado em 1790, no qual desferiu duras críticas à revolução que havia se desencadeado na França em 1789 e, até então, prosseguia. Desde a época da publicação do referido ensaio, Burke foi alvo tanto de detrações quanto de elogios. É considerado, hoje, um dos pais do conservadorismo político moderno.

Ao deparar-se com os acontecimentos que se desencadearam em 1789, na França, Burke percebeu que aquela revolução não era do mesmo teor das que aconteceram na Inglaterra e nos Estados Unidos décadas antes. A Revolução Francesa, para Burke, era mais do que uma revolução política, era uma revolução de caráter total, de rompimento brusco e violento com os antigos costumes e com a tradição. As transformações políticas nos Estados Unidos e na Inglaterra objetivavam um retorno à ordem e ao equilíbrio político. Na França, o modelo tornou-se progressivamente radical; característica que impeliria, segundo Burke, esse país ao caos e à violência de proporções ainda maiores.

O pensamento de Burke divergiu muito de iluministas como Rousseau. Enquanto Rousseau manteve uma visão romântica da natureza humana e uma linha política progressista, Burke possuía uma compreensão tradicional da natureza humana, calcada na tradição cristã, e uma perspectiva política terminantemente conservadora. Em dada medida, Burke previu o que aconteceria na “fase do Terror” da revolução, sobretudo no ano de 1793. Ainda que suas considerações tivessem sido publicadas em 1790, Burke conseguiu intuir os meandros nos quais a radicalização francesa chegaria. Ele intuiu, inclusive, a perseguição aos nobres e aos reis antes mesmo que os revolucionários passassem a fazer o uso indiscriminado da guilhotina.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Burke acusava os franceses de terem deformado a imaginação moral. Para ele, a imaginação moral fundava a consciência prática que capacita o ser humano ao juízo e à intuição do que é razoável. Era dessa característica que vinha a capacidade do ser humano de compadecer-se do próximo. O que a Revolução francesa promovia, segundo o pensador irlandês, era a minuciosa destruição dessa capacidade. Fica claro, no texto abaixo, o seu pesar a respeito dos rumos que a revolução tomava como um todo:

“É impossível estimar a perda que resulta da supressão dos antigos costumes e regras de vida. A partir desse momento não há bússola que nos guie, nem temos meios de saber a qual porto nos dirigimos. A Europa, considerada em seu conjunto, estava sem dúvida em uma situação florescente quando a Revolução Francesa foi consumada. Quanto daquela prosperidade não se deveu ao espírito de nossos costumes e opiniões antigas não é fácil dizer; mas, como tais causas não podem ter sido indiferentes a seus efeitos, deve-se presumir que, no todo, tiveram uma ação benfazeja” (Burke, Edmund. Reflexões sobre a Revolução em França [1790]. Brasília: ed. UnB, 1982p.102).

O filósofo irlandês Edmund Burke foi um dos mais contundentes críticos da Revolução Francesa
O filósofo irlandês Edmund Burke foi um dos mais contundentes críticos da Revolução Francesa
Publicado por: Cláudio Fernandes
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
A reunião no Salão da Péla e a Queda da Bastilha: dois momentos cruciais da Revolução Francesa.
Crise pré-Revolução Francesa
Entenda a crise que deu espaço para o desenrolar da Revolução Francesa!
Contrariando a tradição absolutista, Napoleão não foi coroado pelo papa, mas se autocoroou
Napoleão Bonaparte
Saiba quem foi Napoleão Bonaparte e os motivos pelos quais sua figura é tão importante.
Ideologia
Entenda um pouco mais sobre o que é ideologia, quais os seus tipos, sua função e sua concepção, conforme Karl Marx, um dos maiores teóricos da sociologia.
A coroação de Guilherme de Orange marcou o desfecho da Revolução Inglesa.
Revolução Inglesa
Revolução Inglesa, Revoluções Burguesas, Henrique VIII, Anglicanismo, Elizabeth I, desenvolvimento da burguesia inglesa, Carlos I, Jaime I, Oliver Cromwell, Atos de Navegação, restauração monárquica, Revolução Gloriosa, Jaime II, Guilherme de Orange, Declaração de Direitos.