Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Idade Média
  4. Império Bizantino

Império Bizantino

O Império Bizantino, também conhecido como Império Romano do Oriente, foi um dos mais longos e mais importantes impérios da história.

  • O que foi o Império Bizantino?

O Império Bizantino, que também ficou conhecido como Império Romano do Oriente, foi uma das organizações políticas mais importantes e duradouras do mundo antigo e medieval, já que durou de 395 a 1453 d.C. A história do império bizantino começou com a fundação da cidade de Constantinopla sobre o que havia sido até então Bizâncio – uma antiga colônia grega, fundada em 657 a.C. O fundador de Constantinopla, Constantino, o Grande, filho de Constâncio Cloro, foi aclamado um dos imperadores romanos em julho de 306 d.C., após a morte de seu pai, Constâncio Cloro.

  • Divisão do Império Romano e guerras civis

Nessa época, toda a extensão do Império Romano estava vulnerável ao ataque de bárbaros do Norte e também de povos do Oriente, como a dinastia sassânida da Pérsia. No ano de 285, o imperador Diocleciano dividiu o império em duas partes, a oriental e a ocidental. Cada parte passaria a ser governada por duas autoridades, um Augustus e um Caesar (sucessor automático do primeiro), tendo o império, portanto, quatro chefes de Estado. Constâncio Cloro era um dos césares e governava as regiões da Hispânia, Gália e Britânia. Quando um césar morria, sucedia-o geralmente o herdeiro de sangue. Foi o que ocorreu em 306, com Constantino ascendendo ao poder na parte Ocidental.

Entretanto, o então Augustus da mesma parte, Maxêncio, declarou-se único imperador, desautorizando Constantino. Isso levou à primeira leva de guerras civis que marcaria os anos seguintes. Constantino venceu Maxêncio em outubro de 312, na batalha de Mílvio. Foi nessa ocasião que os soldados de Constantino apareceram com o símbolo da cruz e das letras gregas “Chi” e “Rô” (iniciais de Christos) em seus escudos. O uso desses símbolos nessa batalha tem a ver com o famoso sonho que Constantino teria tido, no qual Cristo apareceu a ele e lhe disse que com aquele sinal (a Cruz) ele venceria. O fato é que o jovem césar venceu e apossou-se da cidade de Roma. No ano seguinte, publicou o Édito de Milão, que declarava oficialmente a tolerância a qualquer credo religioso – uma forma de inibir qualquer perseguição aos cristãos.

O lado oriental do Império, a essa altura, havia sido unificado pelo cunhado de Constantino, Licínio. Todavia, já em 314 os dois imperadores tiveram seu primeiro conflito, do qual Constantino saiu com importantes vantagens, como a posse de regiões como a Macedônia e a Grécia. As rusgas entre um e outro imperador duraram dez anos até que, em 324, Constantino subjugou definitivamente Licínio na Batalha de Crisópolis.

  • Constantinopla, a “Nova Roma”

Com a vitória sobre Licínio, Constantino conseguiu novamente reunificar as duas partes do Império Romano, divididas por Diocleciano. Mas, apesar de teoricamente dar continuidade ao legado tradicional latino (incluindo seus aspectos culturais e institucionais), Constantino anunciava também elementos novos. O principal desses elementos era a fundação de uma nova capital imperial no Oriente.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A fundação de uma nova capital tinha um papel estratégico, já que havia uma pressão enorme das hordas de bárbaros sobre a velha Roma, e outras cidades do Ocidente também poderiam ser alvos fáceis desses ataques. Mas havia também um elemento de inauguração de uma nova era. A cidade escolhida foi Bizâncio, onde confluíam as tradições intelectuais helenísticas – em que o grego era o idioma principal – e as tradições institucionais romanas. Além disso, estar situada na Anatólia (Ásia Menor), um dos berços da expansão cristã primitiva, fazia de Bizâncio um lugar para dar seguimento a uma espécie de “política cristã” com os bispos da Igreja – que já possuíam autoridade intelectual e espiritual bastante forte à época.

Bizâncio foi, de 326 a 331, inteiramente reformada e preparada para ser a “nova Roma”. Ao fim dessa preparação, foi renomeada, passando a se chamar Constantinopla, em homenagem ao imperador.

Constantino faleceu em 337. Sucedeu-o seu filho, Constantino II, e a este se seguiram mais seis imperadores até a ascensão de Teodósio I, que finalmente tornou o Cristianismo a religião oficial do Império Bizantino por meio de um decreto, em 380. Em 391, o paganismo foi completamente proibido nas extensões do Império Romano. Com a morte de Teodósio, em 395, o Império foi novamente dividido. Seus dois filhos, Arcádio e Honório, ficaram cada um com uma parte, a Oriental e a Ocidental, respectivamente.

  • Desenvolvimento do Império Bizantino

Nos séculos seguintes, o Império Bizantino, concentrado apenas na parte oriental dos antigos domínios romanos, acabou por desenvolver alguns elementos que lhe seriam característicos e o distinguiriam da tradição ocidental. Entre esses elementos, estavam: 1) a oficialização da língua grega em detrimento do latim; e 2) o cesaropapismo, isto é, a convergência do poder político e do poder espiritual na pessoa do imperador.

Entre os grandes imperadores que o Império Bizantino teve, Justiniano foi um dos mais célebres. Foi esse imperador que, durante o século VI, confrontou os persas sassânidas a Oeste, conseguindo retomar pontos importantes do império; lutou contra a heresia ariana (que tinha muita força política dentre do império), ergueu o templo da Hagia (Santa) Sofia – até hoje de pé, na atual Istambul; solidificou as instituições imperiais, entre outros pontos.

O Império Bizantino também entrou em diversos conflitos com os cristãos ocidentais – como foi o caso da Quarta Cruzada – e contra os muçulmanos, que passaram a empreender uma agressiva expansão a partir do século VII. Foram esses últimos que, em 1453, sob o comando do sultão Mehmet II, conseguiram subjugar Constantinopla e dar fim ao Império Bizantino.

NOTAS

[1] CLINE, E. H.; GRAHAM, M. W. Impérios Antigos: da Mesopotâmia à origem do Islã. São Paulo: Madras, 2012. p. 370.

Constantino I foi o fundador do Império Bizantino
Constantino I foi o fundador do Império Bizantino
Publicado por: Cláudio Fernandes
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios

Questão 1

(UFES) Segundo a crença dos cristãos de Bizâncio, os ícones (imagens pintadas ou esculpidas de Cristo, da Virgem e dos Santos) constituíam a “revelação da eternidade no tempo, a comprovação da própria encarnação, a lembrança de que Deus tinha se revelado ao homem e por isso era possível representá-lo de forma visível.”

(Franco Jr., H. e Andrade Filho, R. O. O IMPÉRIO BIZANTINO. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 27).

Apesar da extrema difusão da adoração dos ícones no Império Bizantino, o imperador Leão III, em 726, condenou tal prática por idolatria, desencadeando assim a chamada “crise iconoclasta”.

Dentre os fatores que motivaram a ação de Leão III, podemos citar o (a):

a) intolerância da corte imperial para com os habitantes da Ásia Menor, região onde o culto aos ícones servia de pretexto para a aglutinação de povos que pretendiam se emancipar.

b) necessidade de conter a proliferação de culto às imagens, num contexto de reaproximação da Sé de Roma com o imperador bizantino, uma vez que o papado se posicionava contra a instituição dos ícones e exigia a sua erradicação.

c) tentativa de mirar as bases políticas de apoio à sua irmã, Teodora, a qual, valendo-se do prestígio de que gozava junto aos altos dignitários da Igreja Bizantina, aspirava secretamente a sagrar-se imperatriz.

d) aproximação do imperador, por meio do califado de Damasco, com o credo islâmico que, recuperando os princípios originais do monoteísmo judaico-cristão, condenava a materialização da essência sagrada da divindade em pedaços de pano ou madeira.

e) descontentamento imperial com o crescente prestígio e riqueza dos mosteiros (principais possuidores e fabricantes de ícones), que atraíam para o serviço monástico numerosos jovens, impedindo-os, com isso, de contribuírem para o Estado na qualidade de soldados, marinheiros e camponeses.

Questão 2

(Unesp) A Civilização Bizantina floresceu na Idade Média, deixando em muitas regiões da Ásia e da Europa testemunhos de sua irradiação cultural. Assinale importante e preponderante contribuição artística bizantina que se difundiu expressando forte destinação religiosa:

a) Adornos de bronze e cobre.

b) Aquedutos e esgotos.

c) Telhados de beirais recurvos.

d) Mosaicos coloridos e cúpulas arredondadas.

e) Vias calçadas com artefatos de couro.

Mais Questões
Assuntos relacionados
Carlos Magno empreendeu ações políticas que marcaram o auge do Reino dos Francos.
Reino dos Francos
Império Romano do Ocidente, Clóvis, Igreja Católica, reis indolentes, major domus, prefeito do palácio, Batalha de Poitiers, Pepino, o Breve; Patrimônio de São Pedro, Carlos Magno, missi dominici, marqueses, duques, Tratado de Verdun, Carlos, o Calvo; Luís, o Germânico; Lotário, capetíngios, normandos, magiares e árabes.
A Querela das Investiduras: disputas entre o poder monárquico e clerical.
Querela das Investiduras
Querela das Investiduras, Questão das Investiduras, Ordem de Cluny, Colégio dos Cardeais, cesaropapaismo, Nicolau II, Gregório VII, Concordata de Worms, poder clerical, poder nobiliárquico.
As terras de um feudo eram costumeiramente divididas em diferentes mansos.
A divisão das terras feudais
Clique aqui e compreenda como era realizada a divisão das terras feudais!
Clero, nobreza e campesinato: a tríade fundamental da sociedade feudal.
A Sociedade Feudal
A organização social da Europa durante a Idade Média.
Escultura em relevo do imperador Teodósio assistindo a uma disputa no Hipódromo de Constantinopla
Revolta de Nika
Saiba o que foi e os motivos que levaram à ocorrência da Revolta de Nika em Constantinopla.
Alta Idade Média
Clique e acesse para saber mais detalhes da Alta Idade Média. Entenda como a queda do Império Romano deu início a esse período e veja suas características.
Baixo-relevo romano mostrando uma batalha. Povo marcadamente bélico, os romanos tiveram nos guerreiros bárbaros seus principais algozes
As invasões bárbaras e a queda de Roma
As invasões bárbaras levaram à desintegração do Império Romano do Ocidente e à constituição das características do mundo medieval.
Islamismo, uma fé que unificou o mundo árabe.
Mundo Árabe
Islamismo, História Árabe, muçulmanos, Maomé, expansão do Mundo Árabe, Hégira, Meca, politeísmo, beduínos, comerciantes, Alcorão, comércio árabe, Jihad, Guerra Santa, califado, dinastia omíada, xiitas, sunitas.
Império Romano
Veja como o Império Romano expandiu seu território pela Europa até o Oriente Médio. Acompanhe o desenrolar das sucessivas crises que lavaram o império ocidental ao fim.
A invasão dos Hérulos decretou o fim do Império Romano, em 476.
Crise do Império Romano
Roma Antiga, Império Romano, Crise do Império Romano, Crise do Escravismo, Cristianização de Roma, retração comercial, sistema de arrendamento, invasões bárbaras, tetrarquia, Diocleciano, Constantino, divisão do Império Romano, hérulos, fim do império romano, Idade Média.
Júlio César: um dos mais poderosos generais de toda história do Império Romano.
O militarismo romano
As feições do exército responsável pela formação do poderoso Império Romano.
A tortura era considerada pelos inquisidores como uma forma de se buscar a confissão do pecador.
Inquisição
A perseguição da Igreja contra aqueles que não seguiam seus preceitos.
Antiga capital do Império Romano do Oriente, Constantinopla (atual Istambul, capital da Turquia)
Surgimento de Constantinopla
Veja aqui mais sobre a história do surgimento da cidade de Constantinopla e a política de divisão do Império Romano realizada pelo imperador Teodósio.