Martinho Lutero

Martinho Lutero foi um monge alemão do século XVI que desencadeou a Reforma Protestante na Europa.

  • Quem foi Martinho Lutero?

Martinho Lutero, nascido em Eisleben, Alemanha, em 1483, foi um monge católico alemão pertencente à ordem dos agostinianos. A partir de 1515, Lutero começou a contestar sistematicamente algumas das principais concepções da Igreja Católica. Tais contestações chegaram ao ápice em 1517, quando o monge afixou 95 teses nas paredes da igreja do Castelo de Wittenberg. O conteúdo dessas teses dizia respeito ao tema das indulgências. Esse gesto de Lutero, que deu início à Reforma Protestante, mudou a história religiosa e política da Europa.

  • Começo da vida religiosa

Lutero ingressou no convento dos agostinianos, em Erfurt, em 1505, aos 22 dois anos. Foi aí que o jovem de Eisleben dedicou-se intensamente aos estudos teológicos e filosóficos e também à meditação e à oração. Mais que um atendimento à vocação religiosa, Lutero também buscava solução para suas inquietações pessoais. Entretanto, sua formação teve de ser completada no centro do poder político da Igreja: Roma.

Lutero foi para Roma em 1510. Lá entrou em contato com uma Igreja contaminada pelo legado da família Borgia, isto é, permeada pela corrupção e pelos negócios inescrupulosos com a nobreza e os reis. Um dos Borgia havia sido papa, Rodrigo Borgia, sob o título de Papa Alexandre VI, estabelecendo conexões profundas entre as autoridades civis e a Igreja.

Um dos problemas que estavam na raiz da corrupção de parte do clero era a questão da venda de indulgência, que foi o principal alvo de Lutero.

  • Críticas às indulgências

Bom, o ponto principal da crítica de Lutero é a questão das indulgências. Mas o que é indulgência? O catecismo da Igreja Católica define indulgência como “a remissão, perante Deus, da pena temporal devida aos pecados cuja culpa já foi apagada; remissão que o fiel devidamente disposto obtém em certas e determinadas condições pela ação da Igreja que, enquanto dispensadora da redenção, distribui e aplica, por sua autoridade, o tesouro das satisfações de Cristo e dos Santos” (Catecismo da Igreja Católica, n. 1471).

A indulgência, como se vê, é um recurso oferecido pela Igreja ao fiel que praticou algum pecado passível de absolvição ou remissão aqui na Terra. Em troca da absolvição da Igreja, o fiel deve fazer obras e penitências, como o jejum.

Ocorre que na transição da Idade Média para a Idade Moderna, tornou-se frequente o uso das indulgências como “moeda de troca” entre nobres e o clero. Muitos nobres, para estabelecer boas relações com o poder da Igreja, cediam terras ou promoviam obras diversas para Roma e, em troca, recebiam as indulgências.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Em 1517, Lutero, já residindo em Wittenberg, deu início a uma série de discussões com autoridades teológicas da Igreja após afixar nas paredes da igreja do Castelo dessa mesma cidade 95 teses. Todas abordavam direta ou indiretamente o tema das indulgências. Nos anos seguintes, Lutero passou a debater não apenas a questão das indulgências, mas também outros temas teológicos. O Papa Leão X propôs ao monge alemão que se retratasse para não ser excomungado, mas Lutero não voltou atrás e, em 1521, sua excomunhão foi declarada.

  • Exílio no Castelo de Wartburg e trabalhos intelectuais

As divergências com a Igreja e a excomunhão geraram grande repercussão na Alemanha. Lutero, no entanto, recebeu um salvo-conduto do imperador Carlos V para que pudesse retornar em paz e seguro para Wittenberg, já que muitos queriam prendê-lo ou matá-lo. No caminho de volta, ele sofreu um sequestro. Cinco homens encapuzados conduziram-no ao Castelo de Wartburg, pertencente a Frederico III, o sábio, protetor de Lutero desde 1511 e fundador da Universidade de Wittenberg. O sequestro teve como objetivo preservar Lutero de eventuais ataques.

Lutero permaneceu nesse castelo até 1522, onde desenvolveu uma série de trabalhos intelectuais, incluindo a tradução da bíblia do latim para o alemão.

  • O caso dos anabatistas

Em 1524, estourou nos domínios dos principados alemães as revoltas camponesas, influenciadas pela seita herética dos anabatistas. Os anabatistas, que recebiam esse nome por se recusarem a se batizar, liderados por Thomas Muntzer, tinham certa afinidade com as teses luteranas, mas defendiam a radicalização política e a revolta contra a alta nobreza (para mais informações sobre as reivindicações dos anabatistas, acesse aqui). Essa postura dos anabatistas desencadeou uma série de batalhas nos principados alemães. Lutero, na ocasião, posicionou-se contra os revoltosos e a favor dos príncipes.

  • Morte

Lutero faleceu na mesma cidade em que nasceu, Eisleben, em 18 de novembro de 1546. A causa mais provável de sua morte é apoplexia, ainda que alguns de seus biógrafos levantem a hipótese do suicídio.

Martinho Lutero foi o precursor da Reforma Protestante
Martinho Lutero foi o precursor da Reforma Protestante
Publicado por: Cláudio Fernandes
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
Guerra dos Trinta Anos
Clique no link e veja como as disputas religiosas motivaram a Guerra dos Trinta Anos. Acompanhe os períodos da guerra, os principais países em disputa e como acabou.
Detalhe do teto da Capela Sistina, pintado por Michelangelo Buonarroti
Renascimento Cultural
Conheça as principais características do Renascimento Cultural e o que ele significou para a Idade Moderna.
A Reforma Luterana promoveu a criação de uma nova denominação cristã na Europa.
Reforma Luterana
Reforma Protestante, Martinho Lutero, Luteranismo, Wittenberg, Sacro Império Germânico, papa Leão X, Dieta de Worms, Wartburg, anabatistas, Filipe Melanchthon, 95 teses, Paz de Augsburg.
O absolutismo defendia a centralização do poder político pelas mãos do rei.
Absolutismo
O sistema político que defende uma estrutura de poder centralizada.
À esquerda, pintura medieval em formato plano; à direita, pintura renascentista com abordagens a partir do perspectivismo (profundidade, racionalidade
Renascimento e utopias
Saiba mais sobre o Renascimento e como os pensadores e a sociedade renascentista permaneceram permeados por utopias que eram criadas como forma de fuga do mundo.
Anabatistas e a igualdade social
Pregando a igualdade social, os anabatistas se revoltaram contra a nobreza e foram duramente reprimidos. Saiba mais!
Gravura de Thomas Müntzer (1488-1525)
Thomas Müntzer e a Reforma Protestante
Conheça os posicionamentos religiosos de Thomas Müntzer e sua participação nas lutas dos camponeses alemães no século XVI.