Whatsapp icon Whatsapp

Renascimento e utopias

À esquerda, pintura medieval em formato plano; à direita, pintura renascentista com abordagens a partir do perspectivismo (profundidade, racionalidade
À esquerda, pintura medieval em formato plano; à direita, pintura renascentista com abordagens a partir do perspectivismo (profundidade, racionalidade

Sempre que fazemos referência ao movimento renascentista (séculos XV e XVI), perpetuamos a visão de que a Idade Média estava associada ao atraso; e o Renascimento, ao progresso. Esse entendimento atravessou séculos e influenciou a mentalidade moderna e contemporânea sobre o medievo europeu.

Dentro dessa perspectiva pessimista sobre a Idade Média, muitos estudiosos defenderam a ideia de que o Renascimento representou uma total ruptura com a Idade Média. Os renascentistas continuaram produzindo obras de arte com temas da religiosidade medieval, mas revalorizaram a cultura greco-romana: a filosofia, as artes, a racionalidade, a ciência, etc. Entretanto, renovaram na aplicação de outras técnicas, nas artes e na arquitetura, valorizando os princípios matemáticos (profundidade, racionalidade, perspectiva) em contraposição a uma pintura plana e sem perspectivas, aplicada na Idade Média.

O Renascimento cultural, artístico e científico trouxe um cenário de mudanças em relação ao mundo medieval. Os comércios e as cidades cresceram e prosperaram. Entretanto, ao analisarmos o contexto histórico em que surgiu o movimento renascentista, veremos que o mundo medieval era repleto de um sentimento de insegurança, provocado pelas infindáveis guerras e conflitos que ocorriam na Europa.

A fome, as epidemias e as guerras (muitas permanentes durante a Idade Média) levaram o homem medieval a buscar na religiosidade formas de escapar do mundo. A partir de então surgiram diversas utopias (na religião, na literatura), que idealizavam a sociedade pretendida pela população, conduzida por leis diferentes da dura realidade cotidiana. Essas utopias conduziam o tempo presente a partir de uma reflexão e análise pautada no pessimismo, enquanto o tempo futuro era repleto de esperanças.

A visão utópica do mundo continuou sendo uma prática dos homens contemporâneos até os renascentistas modernos. Segundo o historiador francês Fernand Braudel, as sociedades são permeadas por mentalidades, que são perpassadas pelo tempo da longa duração, em que tudo se move mais lento. O indivíduo e a sociedade não modificam seus valores morais, éticos e culturais de um ano para outro, ou de um dia para o outro. Para a sociedade modificar sua mentalidade são necessários séculos (tempo da longa duração). Portanto, dentro dessa perspectiva da longa duração de Braudel, podemos compreender por que o homem renascentista continuou produzindo utopias.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O humanista Thomas Morus, com o seu livro Utopia, é um exemplo concreto da demora na mudança das mentalidades. O escritor produziu um ensaio famoso em que construiu um mundo fantástico, onde as injustiças sociais não ocorreriam com ninguém. Morus descreveu a vida numa ilha, na qual tudo era dividido igualitariamente entre a população, um local sem opressão e onde todos viveriam confortavelmente. Dessa maneira, a sociedade renascentista criou espaços imaginários terrestres em que a vida seria vivida sem opressões, somente com diversão, música e abundância de alimentos.

Outra utopia produzida no período do Renascimento foi a criação da fonte da juventude, no século XVI. Segundo essa utopia, os velhos e doentes eram conduzidos até a citada fonte, e, após um rápido mergulho, as pessoas saíam da fonte jovens e alegres.

Enquanto a elite intelectual produzia suas utopias, as camadas populares também o fizeram. A visão do mundo utópico mais interessante produzida pelos artesãos e camponeses foi a representação do país da fartura, chamado de ‘terra de cocanha’, local imaginário, onde a população estaria isenta de trabalho.

Na ‘terra da cocanha’, a população viveria no ócio, no lazer e com prazer
Na ‘terra da cocanha’, a população viveria no ócio, no lazer e com prazer

A ‘terra da cocanha’ foi um local que representou os desejos dos homens pobres do Renascimento, uma fuga ao árduo cotidiano. A ‘cocanha’ era a compensação da realidade de fome e pobreza vivida pela população pobre. Nessa terra prevaleceria o luxo e a abundância de alimentos. Portanto, o homem renascentista ainda não havia rompido os laços definitivos com o homem do medievo.

Publicado por Leandro Carvalho
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

A saída de Portugal era apenas o primeiro passo de uma desafiadora aventura.
A aventura das grandes navegações
Os infortúnios e rotinas que marcaram essa aventura histórica.
Para os fisiocratas, como Quesnay, a terra era a gênese de toda riqueza produzida.
Fisiocracia
As diretrizes de uma importante teoria econômica do pensamento iluminista.
Martinho Lutero foi o precursor da Reforma Protestante
Martinho Lutero
Saiba quem foi Martinho Lutero e quais impactos seu pensamento produziu no mundo a partir da Reforma Protestante.
Os holandeses desenvolveram atividades mercantis de natureza comercial e industrial.
Mercantilismo Holandês
Clique aqui e conheça as características do mercantilismo holandês!
O Reino do Congo teve importante participação no desenvolvimento do tráfico de escravos.
O Reino do Congo
Uma das mais complexas civilizações africanas do período moderno.
Detalhe do teto da Capela Sistina, pintado por Michelangelo Buonarroti
Renascimento Cultural
Conheça as principais características do Renascimento Cultural e o que ele significou para a Idade Moderna.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
videoaula brasil escola
Química
Cinética química
Se ainda tem dúvidas quanto a velocidade das reações, essa videoaula é para você!
video icon
videoaula brasil escola
Português
Redação
Entenda como realizar argumento por causa e consequência com a nossa aula.
video icon
videoaula brasil escola
História
Crise de 1929
A quebra da bolsa de valores de Nova Iorque afetou não só os EUA, como o mundo. Entenda!