Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Filosofia
  3. Retórica

Retórica

A retórica é a arte de falar bem. Ela é fundamental para constituir-se um discurso convincente e para estabelecer qualquer base filosófica racional.

A retórica é, basicamente, a arte de falar bem. Os filósofos gregos antigos denominavam, com a palavra techné, o que em latim foi traduzido pela palavra ars. Nesse sentido, a palavra arte tem uma equivalência com a palavra técnica, pois ambas dizem respeito a um modo de fazer algo. Assim sendo, a retórica enquanto técnica constitui um conjunto de regras que afirmam um modo de fazer ou um modo de operar (modus operandi) algo — a saber, de falar com eloquência, o que possibilita o entendimento e o convencimento.

Leia também: Filosofia Grega

O que é retórica?

Considerada uma arte, no sentido de ser uma técnica, a retórica é o ato de falar bem, de convencer e de ser eloquente, ou seja, de orquestrar as palavras de um modo que o emissor da fala transmita ao receptor um sentido preciso, organizado, consistente e, consequentemente, convincente.

A retórica é importante para a formação da civilização, pois sem o domínio da linguagem capaz de transmitir significados, não há formação de qualquer sociedade civil, visto que esta é formada e regimentada por meio de contratos.

Na Grécia Clássica, a retórica era utilizada no meio político, filosófico e jurídico. Nos dias atuais, a retórica continua fazendo parte do contexto de filósofos, políticos, juristas e advogados, mas faz parte também do cotidiano de professores, sacerdotes, bons vendedores e, em especial, daqueles que trabalham com a comunicação social.

Quando nos aprofundamos nos estudos sobre a retórica, podemos perceber que existem infinitas regras, concepções, tratados e associações que podem ajudar alguém a alcançar o sucesso por meio da arte de falar bem.

Os primeiros traços de preocupação com retórica encontram-se nas obras de Platão, em uma problematização acerca da retórica sofística e da necessidade de associação da retórica com a dialética, estabelecendo vínculos entre aquilo que é falado e a verdade essencial do mundo. Os sofistas, ao contrário de Platão, defendiam que a simples eloquência da fala seria suficiente, pois para eles, a retórica era apenas um instrumento de convencimento argumentativo.

Para Aristóteles, a retórica estava intimamente associada à lógica, pensamento que foi resgatado durante a filosofia escolástica pelos filósofos católicos. Na Idade Média, a retórica compunha, junto com a gramática e a lógica, o conjunto chamado de trívio. O trívio era composto pelas três artes da linguagem e, somado ao quadrívio (aritmética, geometria, Astronomia e Música), compunha as chamadas artes liberais.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Leia também: Ciência na Idade Média

Retórica e oratória

Os dois termos são semelhantes, mas não idênticos. No mundo antigo, rhêtorikê era a palavra grega utilizada para designar o que denominamos retórica. No latim, uma das traduções possíveis para rhêtorikê foi oratore, que hoje traduzimos para o português como oratória. Portanto, ambos os termos possuem significados semelhantes, mas hoje possuem diferenças semânticas significativas.

Enquanto retórica designa, para nós, a arte de falar bem, de maneira eloquente e precisa, com capacidade de convencer, a oratória significa falar em público. Falar em público pode ter a mesma finalidade de falar bem, portanto os termos podem ser associados, porém não há uma correspondência direta possível entre os dois termos hoje.

Retórica sofística e dialética

Platão acreditava que o processo dialético objetivava-se no aprofundamento na essência das coisas.
Platão acreditava que o processo dialético objetivava-se no aprofundamento na essência das coisas.

Platão, como discípulo de Sócrates, continua a busca de seu mestre por alcançar os conceitos essenciais que definiriam palavras como o bem, a justiça e a verdade. No entanto, Platão vai além e cria uma teoria do conhecimento baseada no alcance dos conceitos.

Assim sendo, seria tarefa do filósofo, e de quem mais almeja conhecer a verdade, buscar os conceitos com base em um processo dialético, formado pelo debate de opiniões contrárias e pela junção entre as capacidades do corpo físico e da realidade imaterial da mente para alcançar o conhecimento pleno. A retórica entraria como uma ferramenta necessária para que o entendimento linguístico fosse pleno e correto.

Os sofistas, adversários intelectuais de Platão e Sócrates, defendiam que não era necessário um conhecimento das essências, quando se tivesse à disposição os artifícios argumentativos da linguagem para convencer os interlocutores daquilo que se quisesse. É nesse sentido que o sofista Protágoras afirma que o homem é a medida de todas as coisas, ou seja, que é o próprio ser humano que define o que é verdade ou não com base de sua eloquência.

O diálogo Górgias, escrito por Platão (Górgias foi um dos sofistas mais bem sucedidos), evidencia a característica sofística de lidar apenas com as superfícies daquilo que é falado e descrito. Para Platão, enquanto o processo dialético, essencial para ter-se um conhecimento válido, buscava aprofundar-se nas essências das coisas, os sofistas buscavam apenas fazer com que as coisas aparentassem ser do modo que eles queriam por meio da retórica.

Leia também: O saber nas universidades medievais

Retórica para Aristóteles

Aristóteles associa a retórica e a lógica à composição da linguagem.
Aristóteles associa a retórica e a lógica à composição da linguagem.

Aristóteles foi o responsável pela sistematização do conhecimento filosófico, até então composto por um conjunto de conhecimentos de todas as ordens e todas as áreas. Em sua sistematização, o filósofo clássico distingue aquelas áreas que comporiam a formação da linguagem e da fala. Entre elas, estão a retórica e a lógica.

A lógica seria um instrumento do conhecimento, enquanto a retórica era um misto de capacidades para formar a fala eloquente, capaz de convencer, mas utilizando-se de fontes seguras do conhecimento, com base nos conceitos.

Acontece que, seguindo a análise aristotélica sobre a retórica enquanto instrumento jurídico, a arte da eloquência pode ser utilizada como um meio de persuadir sem ter a razão, burlando assim a moralidade que deve conter em um julgamento.

Assim, a retórica pode ser utilizada como um meio de passar uma boa impressão e convencer o júri com base em uma defesa que se utilize da boa retórica transmitindo a ideia de que o réu possui bons traços de caráter. Sobre isso, Roland Barthes afirma que os “traços de caráter que o tribuno deve mostrar ao auditório (pouco importa sua sinceridade), para causar boa impressão [...] são suas aparências”.|1|

Dependendo do meio em que se subscreve, a retórica pode ou não estar de acordo com os fatos, pois, segundo Aristóteles, ela tem um fator criativo que dá ao emissor a capacidade de elaborar sua própria visão e imprimir a sua intensão com o discurso. No entanto, a retórica deve sempre, segundo o escrito Retórica, de filósofo grego, estar de acordo com as formulações da lógica, caso contrário, não é possível qualquer efeito de convencimento, pois sem a forma lógica sequer pode-se ter entendimento daquilo que foi dito.

Notas

|1| BARTHES, Roland. A retórica antiga. In: COHEN, Jean et al. Pesquisas de retórica. Trad. de Leda Pinto Mafra Iruzun. Petrópolis: Vozes, 1975. p. 147-232, p. 203.

A retórica pode ser utilizada como instrumento de manipulação da opinião.
A retórica pode ser utilizada como instrumento de manipulação da opinião.
Publicado por: Francisco Porfírio
Assuntos relacionados
Mestre de Platão, Sócrates teria inaugurado o período antropológico da filosofia grega.
Sócrates
Clique aqui e fique por dentro da história de Sócrates, um dos maiores filósofos da Grécia Antiga.
Estátua de Platão, um dos maiores pensadores da Grécia Antiga.
Platão
Clique aqui para saber mais sobre Platão, um grande filósofo da Grécia antiga. Confira sua biografia, principais ideias, obras e algumas frases famosas!
Aristóteles, à esquerda, conversando com seu pupilo, Alexandre, imperador da Macedônia.
Aristóteles
Clique aqui e aprenda um pouco sobre Aristóteles, o grande filósofo grego que iniciou o Período Sistemático da Filosofia.
Lógica
Clique aqui para saber o que é lógica e a que ela aplica-se. Saiba também quem a criou e qual a sua influência no conhecimento humano.
O deus grego Apolo representa a idealização do homem, “a medida de todas as coisas” para Protágoras
Sofistas
Os sofistas: Conheça o que pensava Protágoras sobre a verdade e os deuses.