Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Física
  3. Física Moderna
  4. A relatividade proposta por Einstein

A relatividade proposta por Einstein

Em 1905, além do trabalho em que propôs a explicação para o efeito fotoelétrico, Albert Einstein publicou Sobre a Eletrodinâmica dos Corpos em Movimento, obra na qual estabeleceu as bases para uma nova e revolucionária Mecânica, que se mostraria mais abrangente que a newtoniana.

Na época, muito se discutia e se investigava sobre a natureza da luz e a sua propagação, bem como sobre a possibilidade de existência de um meio sutil (no qual se propagaria a luz), o qual se denominou “éter”. O éter permearia todo o universo, abrindo a possibilidade para a existência de um referencial privilegiado, absoluto, em função do qual fosse possível estudar e descrever, em princípio, todos os movimentos.

No ano de 1881, Michelson não encontrou nenhuma evidência experimental para apoiar a hipótese da existência do éter. Várias repetições do experimento viriam a ser feitas entre 1881 e 1930, todas com resultado negativo.

No ano de 1898, Jules Henri Poincaré expôs suas insatisfações e dúvidas em um artigo sobre a medida do tempo, no qual escreveu que a simultaneidade de dois eventos ou a ordem de sua sucessão e a igualdade de dois intervalos de tempo devem ser definidas de tal modo que as afirmações das leis naturais sejam tão simples quanto possível. Em 1904, Poincaré apontava que relógios, em diferentes sistemas de referência, devem manter o que podemos chamar de tempo local, mas nenhum observador pode saber se ele próprio está em repouso ou em movimento absoluto.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Finalmente, em 1905, dias antes da entrega do trabalho de Einstein, Poincaré atacou a possibilidade de se demonstrar um movimento absoluto, bem como a possibilidade de existência de um referencial absoluto. Em uma abordagem completamente diferente da de Poincaré, Einstein descartou a necessidade do éter; estabeleceu que o tempo e o espaço não são absolutos; e indicou, como constante fundamental da natureza, a velocidade de propagação da luz no vácuo.

Os postulados

A nova mecânica einsteiniana, mais tarde conhecida como Teoria da Relatividade Especial, baseou-se em apenas dois postulados, que, em linguagem atual, podem ser enunciados como:

1 – As leis da natureza, ou da Física, são as mesmas para todos os referenciais inerciais.
2 – A velocidade de propagação da luz no vácuo é constante, independe do movimento da fonte e tem o mesmo valor para quaisquer referenciais inerciais.

Einstein em uma foto quando estava começando a ficar conhecido
Einstein em uma foto quando estava começando a ficar conhecido
Publicado por: Domiciano Correa Marques da Silva
Assuntos relacionados
As marcações de tempo são diferentes para observadores que mantêm movimento relativo
Dilatação do tempo
Clique aqui e entenda a dilatação do tempo, fenômeno proposto por Albert Einstein em sua Teoria da Relatividade, no início do século XX.
Albert Einstein foi um dos mais importantes cientistas do século XX.*
Albert Einstein
Clique aqui para conhecer a história de Albert Einstein: quem foi e quais foram as suas contribuições para a humanidade.
As Forças Fundamentais da Natureza
Clique aqui e conheça quais são as forças que integram as forças fundamentais da natureza!
Louis de Broglie
Dualidade Partícula Onda
Difração era um fenômeno comum às ondas até ser lançada a hipótese de de Broglie.
Cromodinâmica e Eletrodinâmica Quântica
Clique aqui e conheça a definição de cromodinâmica e eletrodinâmica quântica!
Modelo Atômico
A descoberta do núcleo e os atuais ramos de estudo
História da Física Nuclear
Quebra do núcleo através de nêutrons
Fissão Nuclear
A “quebra” do núcleo de urânio através de nêutrons
Existência ou mito de um quinto elemento?
O enigma do éter
Existência ou mito de um quinto elemento?
Física Moderna
Uma história de nascimento, crescimento e desenvolvimento.
Louis Victor Pierre Raymond (1892-1987)
Elétrons como ondas
Conheça aqui mais sobre de Broglie, físico francês que propôs que o dualismo (elétrons como ondas) que valia para a radiação também deveria valer para as partículas.