Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Gramática
  3. Sintaxe
  4. Regência nominal e regência verbal
  5. Regência de verbos com sentido contrário

Regência de verbos com sentido contrário

Dá-se a conhecer, em termos gramaticais, que a regência verbal trata da relação que se estabelece entre os verbos e seus respectivos complementos. Noção primeira estabelecida, resta ainda afirmar que, semelhantemente a tantos outros fatos linguísticos, esse em questão é para muitos usuários alvo de calorosos questionamentos, talvez pelo fato de estar ligado à transitividade. Assim afirmando, tal aspecto (transitividade), encontra-se intrinsecamente relacionado ao uso ou não da preposição, ou ainda, de forma bastante relevante, de qual preposição fazer uso.

O fato é que fazendo uso ou não dela, um aspecto deve ser sempre levado em conta: o fato de a semântica, ou seja, traços ligados ao significado expresso por este ou aquele verbo, apresentar-se de forma preponderante – o que significa dizer que é exatamente esse sentido que irá determinar o uso correto, ora de uma preposição, ora de outra.

Partindo de tais pressupostos, eis que algumas elucidações aqui apresentadas têm justamente o propósito de fazer com que você, caro (a) usuário (a), apreenda acerca de determinadas nuances que norteiam o fato em evidência – o que poderá evitar possíveis deslizes, sobretudo em se tratando do mau emprego de determinadas colocações, principalmente quando o assunto estiver relacionado à escrita.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Nesse sentido, torna-se fundamental compreendermos acerca de algumas peculiaridades, tais como:

# Concordamos com alguém ou com algo, mas discordamos de algo ou de quem quer que seja.

# Habituamos a algo, porém, pode ser que desabituamos de algo.

# Animamos alguém a fazer algo, contudo, muitas vezes podemos desanimá-lo (a) de fazer algo.

# Aparecemos em algum lugar, mas também podemos desaparecer de um determinado local.

# Prendemos a algo, no entanto, podemos, também, desprender-nos de algo.

# Apegamos a alguma coisa, entretanto, podemos desapegar dela.

# Concordar com algo e discordar de algo são atitudes intrínsecas às relações humanas.

# Pode ser que ele se interesse por algo, mas pode ser que haja um desinteresse de algo.

O uso correto das preposições refere-se a uma característica relacionada à regência de verbos com sentido contrário
O uso correto das preposições refere-se a uma característica relacionada à regência de verbos com sentido contrário
Publicado por: Vânia Maria do Nascimento Duarte
Assuntos relacionados
Atribui-se uma singular importância a tal fato linguístico
A regência verbal constituída de pronomes relativos
Constate acerca de algumas elucidações pertinentes a esse caso!
A regência do verbo acusar está relacionada aos sentidos que ele apresenta
Regência do verbo acusar
A regência do verbo acusar é determinada por meio dos sentidos por ele apresentados.
No estudo da regência do verbo “insistir”, constatamos que ele se apresenta como transitivo indireto, bem como intransitivo
Regência do verbo insistir
Analisando a regência do verbo “insistir”, constatamos que ele pode ser transitivo indireto e intransitivo. Clique e confira!
A regência do verbo agradecer se demarca pelo fato de ele ser constituído de dois complementos: um objeto direto e outro indireto
Regência do verbo agradecer
Que tal conhecer a regência do verbo “agradecer”? Com certeza você não terá mais nenhuma dúvida em relação a esse fato linguístico, pois é só clicar!
Na oração acima, o verbo responder pede um objeto indireto, pois possui o sentido de “ser responsável”
Regência do verbo “responder”
Saiba como se constrói a regência do verbo responder, que pode possuir diferentes acepções em língua portuguesa.
Na frase, o verbo “chamar” é transitivo indireto, tem o sentido de “recorrer” e, por isso, pede um objeto indireto
Regência do verbo chamar
Saiba como se constrói a regência do verbo chamar, que pode possuir diferentes acepções em língua portuguesa.
Na oração acima, o verbo “interessar” pede um objeto indireto, pois possui o sentido de “importar”
Regência do verbo “interessar”
Saiba como se constrói a regência do verbo “interessar”, que pode possuir diferentes acepções em língua portuguesa.
Na oração acima, o verbo “visar” é transitivo indireto, possui o sentido de “ter por objetivo” e, por isso, pede um objeto indireto
Regência do verbo visar
Saiba como se constrói a regência do verbo “visar”, que pode possuir diferentes acepções em língua portuguesa, tais como mirar, apontar, dar visto, ter em vista etc. Por esses diversos sentidos, ele pode ser classificado como um verbo transitivo direto ou um verbo transitivo indireto acompanhado da preposição “a”.
Regência Verbal de alguns verbos
Esclarecimentos sobre a regência correta de alguns verbos que geram dúvidas.
A regência é demarcada pelo sentido que representa
O verbo implicar – sentidos distintos implicam em diferentes regências
Norteie seu conhecimento acerca dessa ocorrência linguística!
Apesar do que afirmam os preceitos gramaticais, o uso de verbos com regências distintas, mas com um só complemento, torna-se perfeitamente aceitável
Um só complemento para distintas regências
Apesar do que afirmam os preceitos gramaticais, o uso de verbos com regências distintas, mas com um só complemento, torna-se perfeitamente aceitável. Clique e confira!